Curimba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Disambig grey.svg Nota: Não confundir com Corimba.

Curimba ou Corimba, na Umbanda, é um estudo, prática ou ato religioso ligado à música, no geral.

A Curimba no Ritual[editar | editar código-fonte]

A Curimba, ou melhor, o curimbeiro, é o segundo cargo religioso mais importante do templo, tendo como antecedente o cargo de pai-de-santo. O termo "Curimba" define o grupo de pessoas que louvam na Umbanda, através do canto e percussão de atabaque e/ou tumbadora, os Orixás.

  • Termos:
    • Curimbeiro(a): quando dirigido à uma pessoa só, tem o significado de cantor(a) do ritual.
    • Atabaqueiro ou curimbeiro: é aquele que apenas percussiona. (ver ogan do Candomblé)

Na Umbanda o termo Ogan não é utilizado e é trocado pelo termo curimbeiro ou atabaqueiro que, independente se toca e canta ou os faz separadamente, é denominado assim. Por quê? Porquê quando Zélio Fernandino de Morais fundou a Umbanda, não se usava o atabaque, eram usadas apenas as palmas e o canto. Dadas as circunstâncias, com o crescimento de Templos de Umbanda, comumente haveria pessoas que se encarregariam apenas desta parte (de canto) e como já citado acima, tais pessoas são chamadas de curimbeiras. O atabaque só veio tempos depois com a influência de outros rituais candomblecistas, mas como o termo curimbeiro(a) já havia se fixado, o atabaque não forçou o termo à tornar-se curimbeiro-atabaqueiro.

Nas duas religiões citadas, o correto é ter apenas três atabaques para o ritual, conforme a tradição religiosa africana, mas como o número de pessoas interessadas no cargo têm aumentado, esta exigência foi ignorada. Temos hoje templos de Umbanda com até cinco atabaques! Não é errado, não aos olhos dos sacerdotes de hoje em dia.

Hierarquia da Curimba[editar | editar código-fonte]

A Curimba, assim como qualquer grupo, empresa, clã, nação e país, precisa de um líder, alguém que tenha responsabilidade, conhecimento da doutrina religiosa e da Curimba principalmente, alguém que saiba tocar bem o atabaque, alguém que tenha conhecimento sobre música, alguém mais competente, alguém disciplinado.

A Influência das Ondas Sonoras no Médium e Ambiente[editar | editar código-fonte]

A Curimba tem como função: louvar o Orixá, "defender" a gira com uma série de pontos corretamente selecionados, purificar e energizar o ambiente e por último e não menos importante: auxiliar o médium na incorporação.

Auxílio de Incorporação[editar | editar código-fonte]

Os médiuns, tem o cargo de incorporar entidades de luz, para o auxílio do alheio necessitado. Mas às vezes, isto nem sempre é fácil. Dependendo do ambiente, de sua cor, de seu tamanho, do tanto de pessoas que há nele entre tantas outras circunstâncias, o ato de incorporar nem sempre é bem sucedido.

Esta aqui mais um cargo dos curimbeiros: auxiliar os médiuns a incorporar. Como isto é feito?

As ondas sonoras afetam a rotação de chakras como coronário, frontal e base com fim de mexer com a energia espiritual da pessoa, com o fim de melhorá-la. O canto e o toque também ajudam os médiuns a concentrarem-se apenas no mesmo. sta é a forma de auxílio de incorporação.

Toques de Umbanda[editar | editar código-fonte]

A Umbanda tem uma variedade de toques para a louvação e todas outras necessidades, as conhecidas são as que se seguem:

  • Base
  • Nagô
  • Ijexá
  • Samba de Caboclo
  • Samba de Angola
  • Samba de Côco
  • Cabula
  • Congo
  • Congo de Ouro
  • Barravento