Diana Piedade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Diana Silveira
Informação geral
Nome completo Diana Patricia Silveira da Piedade
Nascimento 22 de abril de 1985 (31 anos)
Origem Lagos, Algarve
País  Portugal
Género(s) Rock, Blues, Soul
Instrumento(s) Voz
Afiliação(ões) Ídolos (Portugal)

Diana Patrícia Silveira da Piedade (Lagos, 22 de Abril de 1985) é uma cantora e compositora portuguesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Foi a finalista da 3ª edição do concurso televisivo Ídolos em Portugal.

Cantora professional desde os 15 anos de idade, é após o programa televisivo Ídolos, onde se consagra finalista a 14 de Fevereiro de 2010, que Diana ganha notoriedade entre o público com a sua voz soul e figura rockeira. Foi considerada em 2010 como uma das vozes revelação de Portugal pelos media.

Influências Musicais[editar | editar código-fonte]

Diana tem um repertório musical ecléctico. A maioria das suas performances pertencem ao rock and roll mas na sua participação no Ídolos, Diana realizou um pouco de tudo provando a sua versatilidade. Jazz, blues, soul e rock and roll parecem ser os seus géneros preferidos. Entre os seus artistas de eleição estão Led Zeppelin, Janis Joplin, Jeff Buckley e Betty Davis.

Background[editar | editar código-fonte]

Entre os seus 15 e 19 anos de idade, Diana Silveira começa a dar os primeiros passos como cantora professional. É como vocalista da banda Algarvia de funk/rock Duck, que surge a primeira gravação em estúdio de “Funk my Funk” e “Rich Dude” assim como as primeiras aparições de promoção em programas de televisão, como o Cabaré da Coxa na Sic Radical.

Em 2004, integra como convidada a banda Fadomorse e faz parte do 3º registo da banda Gritar o Fado - Revisitado em estúdio com o tema “Cinzeiro de Prata”, e “Deicídio” juntamente com Adolfo_Luxuria_Canibal. Após uma tour pelo País e duas datas no ESMAE para a gravação de um DVD, Diana termina a sua participação na banda devido a uma paragem da mesma.

Ainda em 2004, participa nas audições e integra o elenco do teatro musical “Cabeças no Ar” escrito por Carlos Té com base no projecto musical de Rui Veloso, Jorge Palma, Tim e João Gil. [1]

Mudou-se para a cidade de Paris em 2006 e após algum tempo viria a fazer coros para uma banda de tributo a Pink Floyd, regressando a Portugal em Junho de 2009.

Ídolos[editar | editar código-fonte]

Diana realizou o casting para a terceira edição do Ídolos em Lisboa.

Ficou em 2º lugar, perdendo o lugar de finalista para Filipe Pinto.

Gala Canção Cantor ou Banda Original Resultado
Gala 1 "Hedonism (Just Because You Feel Good)" Skunk Anansie Salva pelo Júri
Gala 2 "Still Loving You" Scorpions Salva
Gala 3 "Try a Little Tenderness" Otis Redding Últimos dois (Salva)
Gala 4 "Blame It on the Boogie" Jackson 5 Salva
Gala 5 "Conta-me Histórias" Xutos & Pontapés, versão dos Clã Salva
Gala 6 "Piece of My Heart" Janis Joplin Salva
Gala 7 "E Depois do Adeus" & "Live and Let Die" Paulo de Carvalho & Paul McCartney and the Wings, versão dos Guns N' Roses Salva
Gala 8 "Dancing in the Street" & "Crazy" Mick Jagger e David Bowie & Gnarls Barkley Salva
Gala 9 "Ne me Quitte Pas" & "Proud Mary" & "(I Can't Get No) Satisfaction" Jacques Brel & Tina Turner & Rolling Stones Salva
Gala 10 "Hit The Road Jack" & "Momento" & "Whole Lotta Love" Ray Charles & Pedro Abrunhosa & Led Zeppelin Salva
Gala 11 "Lover, You Should've Come Over" & "Mercy" Jeff Buckley & Duffy 2º Lugar

Curiosidades[editar | editar código-fonte]

Após interpretar a sua versão da canção "Piece of my heart", de Janis Joplin, o vídeo tornou-se parte de janisjoplin.net, um website de tributo a Joplin[1] . Diana foi a primeira artista, a nível mundial até a data, a ter um vídeo seu neste website para além da própria Janis Joplin.

Igualmente, após a sua perfornamnce de "Whole Lotta Love" dos Led Zeppelin, Diana tornou-se também parte de um website de fãs, desta vez em led-zeppelin.org[2] , o maior website de fãs da banda que referenciou a sua performance.

Segundo o júri do concurso, a sua versão de "E Depois do Adeus" de Paulo de Carvalho foi, até à data, a melhor performance de sempre de todos os concursos Ídolos em Portugal.

Pós-Ídolos[editar | editar código-fonte]

Em Maio de 2010, Diana actua em Lisboa no festival Rock in Rio.[3] com a banda americana de metal HAIL!. Graças a essa participação, a cantora é então reconhecida pelo seu potencial através da banda e pela consagrada revista de Heavy-Metal, Blabbermouth[2]

Durante o Verão de 2010 após o concurso, a cantora apresentou a tourné Rock On Diana em território continental e ilhas. Ao lado da banda "Les Miserables", composta por Ivo Perpétuo na guitarra, Vasco Moura no baixo, Hugo Palma na bateria e o convidado especial, o guitarrista Tuniko Goulart. A primeira data foi a 22 de Maio 2010 no Cinema S.Jorge, em Lisboa, com sala esgotada.

A convite do humorista Rui Unas, Diana participa naquele que viria a ser o video viral do ano de 2010. Uma paródia músical inspirada no tema original de Alicia Keys e Jay-Z, Margem Sul State Of Mind que bate records de visualizações nesse ano no canal YouTube.Sendo uma cantora bastante versátil, Diana inicia alguns trabalhos de estúdio para diversos fins publicitarios e cinematograficos.

A curta-metragem portuguesa TEJO de Francisco Baptista e Henrique Pina conta com a participação de Diana na banda sonora.

O primeiro LCD humano realizado em Portugal é o mote da campanha ZON Multimédia de apoio à Selecção no Mundial 2010 que conta com a participação na voz de Diana Piedade. [3]

É a partir de 2010 que passa a ser a voz marcante da campanha de Natal do grupo Grupo Sonae, e dá voz a personagem Popota do Continente Modelo.

Até Dezembro de 2010, Diana Piedade foi a artista top de Portugal, com o maior número de fãs na sua página do Facebook (172.000 Likes).

Em Janeiro de 2011, opta não só por eliminar a sua página oficial no Facebook (Diana Piedade Ídolos) mas também altera o seu nome artístico para Diana Silveira como meio de começar de novo a sua carreira musical sem o passado pop suscitado pelo programa. [4]

Diana Silveira[editar | editar código-fonte]

No inicio do ano de 2011, muda-se temporariamente para os Estado Unidos da América depois de receber um convite de Gary Lucas, guitarrista e compositor que trabalhou com grandes nomes da música como Captain Beefheart e Jeff Buckley. Participa em Março num tributo oficial a Jeff Buckley na conhecida sala Knitting Factory em Brooklyn, juntamente com vários artistas da cena nova-iorquina.De regresso a Portugal no verão de 2011, compõe e regista um trabalho de originais com o então recém grupo formado, 3:33. Um EP de 7 temas intitulado "EUFÊMEA" é lançado na plataforma BandCamp. Pode ser ouvido e adquirido na página : https://3-33.bandcamp.com

A TREE OF SIGNS[editar | editar código-fonte]

FESTIVAL DA CANÇÃO[editar | editar código-fonte]

Diana Silveira participa na segunda semi-final em 2015 no Festival RTP da Canção.

[[File:Diana ao vivo no Festival RTP da Canção 2015.jpg|thumb|Diana ao vivo no Festival RTP da Canção 2015]]

2º Semi-final[editar | editar código-fonte]

2º Semi-final - 5 de Março de 2015
# Artista Canção Música (m) / Letra (l) Lugar
1 Rubi Machado "Quando a Lua voltar a passar" Sebastião Antunes
2 José Freitas "Mal Menor (Ninguém me guia à razão)" Chukry (Diogo Rodrigues)
3 Teresa Radamanto "Um Fado em Viena" Fernando Abrantes/Jorge Mangorrinha
4 Simone de Oliveira "À espera das canções" Renato Júnior/Tiago Torres da Silva
5 Filipe Gonçalves "Dança Joana" Héber Marques
6 Diana Piedade "Maldito Tempo" Carlos Massa Desclassificada
Legenda
Cor Resultado
Amarelo Qualificação via televoto
Azul Qualificação via Júri
Vermelho Indiano Pontuação Nula ("Null Points")/Desclassificação

Cantada por Diana Silveira e com letra e música de Carlos Massa, a música "Maldito Tempo, interpretada na segunda semifinal do Festival da Canção, viria a se desclassificada uma vez que o tema em causa não cumpria um dos critérios especificados no Regulamento do Festival da Canção 2015, concretamente os pontos 6 (que diz que todas as canções devem ser originais) e 13 (segundo o qual as propostas de canção terão de ser obrigatoriamente originais e inéditas, não podendo ter sido comercializadas ou apresentadas em público antes do dia 1 de Setembro de 2014).

Esta não foi a canção vencedora do Festival da Canção. A vitória foi para "Há um Mar que nos Separa", interpretada por Leonor Andrade.