Didi, o Cupido Trapalhão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Didi, o cupido trapalhão
Didi, o Cupido Trapalhão.jpg
 Brasil
2003 •  cor •  84 min min 
Direção Paulo Aragão
Alexandre Boury
Roteiro Natalia Grimberg
Paulo Cursino
Elenco Renato Aragão
Daniel
Jackeline Petkovic
Mauro Mendonça
Helen Ganzarolli
Oscar Magrini
Rosamaria Murtinho
Herson Capri
Dany Bananinha
Género Comédia
Lançamento 27 de junho de 2003[1]
Idioma Português
Cronologia
Um Anjo Trapalhão (2000)
Didi Quer Ser Criança (2004)
Página no IMDb (em inglês)

Didi, o cupido trapalhão é um filme brasileiro de 2003, dirigido por Paulo Aragão e Alexandre Boury e estrelado pelo humorista Renato Aragão no papel do personagem Didi.

O filme marcou a estréia da apresentadora Jackeline Petkovic nos cinemas. O cantor Daniel, por sua vez, volta a protagonizar um filme, fato ocorrido pela primeira vez em Xuxa Requebra, em 1999. Em sua estreia, Didi, o Cupido Trapalhão foi o filme mais visto, barrando o hollywoodano Hulk de Ang Lee ao todo o filme teve em um mês cerca de 1.671.064 de bilheteria [2] . Dentre as participações, o filme trouxe Helen Ganzarolli, ex-assistente de palco de Gugu Liberato, até então famosa do polêmico quadro Banheira do Gugu, e também as cantoras Kelly Key e Marina Elali fizeram participação no filme, cantando durante a festa da personagem de Jackeline Petkovic. Jacky ainda chegou ainda á participar da entrega do Oscar 2004 ao lado de Guti Fraga que foi seu Treinador de Personagem em Didi O Cupido Trapalhão [3]

Enredo[editar | editar código-fonte]

Didi é um anjo atrapalhado que nem Deus teve paciência de aguentar. Para poder permanecer no céu, ele recebe a missão de unir um casal. Porém, o casal que ele resolveu unir é justamente Romeu (Daniel) e Julieta (Jackeline Petkovic). O primeiro é um humilde entregador de uma lanchonete e a segunda é filha de um importante político, Dr. Poleto (Mauro Mendonça), e está para se casar com Páris (Aramis Trindade), um aliado de Poleto.

De início, ninguém acreditava que Didi conseguisse a façanha, pois a história original de Romeu e Julieta, de William Shakespeare, tem um final trágico para o casal. Porém, tudo pode acontecer.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Ficha Técnica[editar | editar código-fonte]

Applications-multimedia.svg A Wikipédia possui o
  • Argumento e roteiro: Natália Grimberg e Paulo Cursino
  • Colaboração nos diálogos: Flávio de Souza
  • Direção de produção: Pimenta Jr.
  • Produção de elenco: Cibele Santa Cruz
  • Cenografia: Oswaldo Eduardo Lioi
  • Figurino: Carla Andrete
  • Som direto: José Moreau Louzeiro
  • Edição de som: José Moreau Louzeiro e Maria Muricy
  • Trilha sonora: Mú Carvalho, Mú Chebabi e Caxa Aragão
  • Supervisão de efeitos especiais: Marcelo Siqueira, ABC
  • Edição: João Paulo Carvalho e Rodrigo Lima
  • Direção de arte: Paulo Flaksman
  • Direção de fotografia: Cezar Moraes
  • Produtor executivo: Telmo Maia
  • Produtor delegado: Geraldo Silva de Carvalho
  • Produtores associados: Luiz Cláudio Moreira e Paulo Sérgio Almeida
  • Produzido por Diler Trindade
  • Direção: Paulo Aragão e Alexandre Boury

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Renato Aragão fala do seu novo filme e dos projetos futuros». Época. 26 de junho de 2003. Consultado em 11 de maio de 2015 
  2. «Bilheterias de Filme Didi, o Cupido Trapahão». Adoro Cinema 
  3. «Oscar 2004». Archive.org. 13 de dezembro de 2004. Consultado em 13 de dezembro de 2004