Earl Monroe

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Earl Monroe
EarlthePearlatBarnes&Noble.JPG
Monroe em 2013
Informações pessoais
Nome completo Vernon Earl Monroe
Data de nasc. 21 de novembro de 1944 (74 anos)
Local de nasc. Philadelphia, Pensilvânia,  Estados Unidos
Altura 6 ft 3 in (1.91 m)
Peso 185 lb (84 kg)
Informações no clube
Número 33, 10, 15
Posição Ala-armador/Armador
Clubes profissionais
Ano Clubes Partidas (pontos)
1967–1971
1971–1980
Estados Unidos Baltimore Bullets
Estados Unidos New York Knicks
328‬ (8.524‬)
598‬ (9.679)

Vernon Earl Monroe (nascido em 21 de novembro de 1944) é um americano ex-jogador de basquete profissional. Ele jogou por duas equipes, Baltimore Bullets e o New York Knicks, durante sua carreira na NBA. Ambas as equipes aposentaram o número que Monroe usou.

Devido ao seu sucesso na quadra e estilo de jogo chamativo, Monroe recebeu os apelidos de "Black Jesus" e "Earl the Pearl". Ele foi introduzido no Hall da Fama do Basquetebol em 1990.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Nascida na Filadélfia, Pensilvânia, Monroe era uma lenda desde tenra idade. Seus colegas de colégio na John Bartram High School o chamaram de "Thomas Edison" por causa dos muitos movimentos que ele inventou.

Crescendo em seu bairro no sul da Filadélfia, Monroe estava inicialmente interessada em futebol americano e beisebol mais do que no basquete. Aos 14 anos, Monroe tinha 1,90 e seu interesse pelo basquete cresceu, jogando como Pivô durante a maior parte de sua juventude.[1][2]

Depois de se formar na Jonn Bartram High School, Monroe frequentou uma escola preparatória afiliada à Universidade Temple. Ele trabalhou como balconista em uma fábrica, enquanto frequentemente jogava basquete no centro de recreação de Leon Whitley na Filadélfia. Whitley tinha jogado no Winston-Salem Teacher College em 1953 e encorajou Monroe a ir para lá também.[3]

Carreira universitária[editar | editar código-fonte]

Monroe ganhou proeminência em nível nacional na Winston-Salem State University na Divisão II da NCAA. Sob o comando do treinador, Clarence "Big House" Gaines, Monroe teve uma média de 7,1 pontos em seu primeiro ano. Ele conta que quando ele queria voltar para a Filadélfia depois dessa temporada, o treinador Gaines ligou para a sua mãe e depois de uma conversa séria, Monroe permaneceu na faculdade.[4]

Monroe teve uma média de 23,2 pontos no segundo ano, 29,8 pontos no terceiro ano e incríveis 41,5 pontos em seu último ano (1,329 pontos na temporada de 1966-67). Durante essa temporada de 1966-67, Jerry McLeese, jornalista esportivo do Winston-Salem Journal, chamou os pontos de Monroe de "pérolas de Earl".[5] Logo depois, os fãs começaram a cantar "Earl, the Super Pearl", e o apelido nasceu.[6]

Em 1967, Monroe ganhou o prêmio de Jogador do Ano da NCAA quando levou a equipe ao título de sua Divisão da NCAA com uma vitória por 77-74 sobre a Universidade Estadual de Missouri na Final.

No geral, em seus quatro anos na Winston-Salem State University, Monroe teve uma média de 26,7 pontos, com 2.395 pontos em 110 jogos.

Depois que terminou sua carreira colegial, Monroe se formou em Winston-Salem e passou no exame nacional de docência. Monroe não foi selecionado para a Seleção Americana que iria representar o país nos Jogos Pan-Americanos de 1967.[7][8] Ele disse que os treinadores disseram que seu estilo de jogo era "muito de rua, muito negro". acrescentando: "Isso deixou um gosto muito, muito ruim na minha boca."

Carreira profissional[editar | editar código-fonte]

Baltimore Bullets (1967-1971)[editar | editar código-fonte]

Em 1967, Monroe foi selecionado pelo Baltimore Bullets (agora o Washington Wizards) na 2° escolha geral no Draft de 1967. Ele, em seguida, ganhou o Prêmio de Novato do Ano em uma temporada em que teve uma média de 24,3 pontos por jogo. Ele marcou 56 pontos em um jogo contra o Los Angeles Lakers, a terceira maior marca por novato na história da NBA. Também foi um recorde de franquia, mais tarde quebrado por Gilbert Arenas em 17 de dezembro de 2006.

Monroe e seu companheiro de equipe, Wes Unseld, rapidamente se tornaram uma combinação formidável em Baltimore, com Monroe se tornou um herói cult por suas habilidades. Ele disse: "O problema é que não sei o que vou fazer com a bola e, se não sei, tenho certeza de que o cara que está me marcando também não sabe".[9]

Na temporada de 1968-69, Monroe teve uma média de 25,8 pontos, 4,5 assistências e 3,9 rebotes, enquanto os Bullets terminavam com um recorde de 57-25 conquistando o título da Divisão Leste. No entanto, eles foram varridas pelo New York Knicks nos playoffs.[10]

Os Bullets terminaram com um recorde de 50-32 na temporada de 1969-1970, com Monroe com médias de 23,4 pontos, 4,9 assiste e 3,1 rebotes, sendo selecionado para o All-Star Game. Eles foram novamente eliminado pelos Knicks nos playoffs.[11]

Na temporada de 1970-71, os Bullets terminaram com um recorde de 42-40 e conquistaram o título da Divisão Central. Monroe teve uma média de 21,4 pontos, 4,4 assistências e 2,6 rebotes. Nos playoffs da Conferência Leste, os Bullets derrotaram o Philadelphia 76ers e os Knicks para chegar as Finais da NBA de 1971.[12] Nas Finais, os Bullets enfrentaram o Milwaukee Bucks de Kareem Abdul-Jabbar e Oscar Robertson. Os Bucks varreram os Bullets e foram campeões. Monroe teve uma média de 16,3 pontos, 4,0 assistências e 4,0 rebotes na série.[13]

Após a temporada de 1970-1971, Larry Fleischer, agente de Monroe, disse que os desejos dele era ser negociado com o Los Angeles Lakers, Chicago Bulls ou Philadelphia 76ers. Depois de quatro jogos na temporada de 1971-1972, ele viajou para Indianápolis para discutir uma transferência para o Indiana Pacers da ABA.[14] Monroe foi então negociado em 10 de novembro de 1971 para o New York Knicks em troca de Mike Riordan, Dave Stallworth e dinheiro.

Em 328 jogos com os Bullets, Monroe teve uma média de 23,7 pontos, 4,6 assistências e 3,7 rebotes.

New York Knicks (1971-1980)[editar | editar código-fonte]

Em 1971, Monroe foi negociado com o New York Knicks e formou o que ficou conhecido como "Rolls Royce Backcourt" com o igualmente extravagante Walt Frazier. Embora houvesse dúvidas se Monroe e Frazier poderiam coexistir como companheiros de equipe, a dupla eventualmente se uniu para se tornar uma das combinações mais eficazes de todos os tempos.

Na temporada de 1971-72, Monroe teve uma média de 21,7 pontos em seus três jogos com os Bullets antes da troca e ele se esforçou para ajustar após a troca, com médias de 11,4 pontos, 2,2 assistências e 1,5 rebotes em 60 jogos dos Knicks. A equipe derrotou os Bullets e o Boston Celtics para alcançar as Finais da NBA de 1972. Nas Finais da NBA de 1972, os Knicks foram derrotados pelo Los Angeles Lakers de Jerry West e Wilt Chamberlain com Monroe tendo uma média de 6,8 pontos e 2,6 assistências na série.[15]

Na temporada de 1972-73, Frazier e Monroe lideraram os Knicks para o títula da NBA de 1973.[16] Depois de uma temporada regular de 57-25, na qual Monroe teve médias de 15,5 pontos, 3,8 assistências e 2,6 rebotes, eles derrotaram os Bullets e os Celtics para chegar às finais da NBA de 1973.[17] Nas Finais, os Knicks tiveram uma revanche contra o Los Angeles Lakers. Eles venceram o título ganhando a série por 4-1 com Monroe tendo 16,0 pontos e 4,2 assistências.[18]

Na temporada de 1973-74, os Knicks, depois de derrotar os Bullets, foram derrotados pelo eventual campeão da NBA, Boston Celtics, nas finais da Conferência Leste. Monroe teve uma média de 14,0 pontos, 2,7 assistências e 3,0 rebotes na temporada regular.[19]

Nas quatro temporadas seguintes, Monroe teve uma média de 20,9 pontos, 20,7 pontos, 19,9 pontos e 17,8 pontos, antes de as lesões limitá-lo durante suas últimas duas temporadas.

Monroe se aposentou após a temporada de 1980, devido a graves lesões no joelho que o atormentaram ao longo de sua carreira. Em nove temporadas e 592 jogos com os Knicks, Monroe teve média de 16,2 pontos, 3,5 assistências e 2,6 rebotes.

No geral, Monroe jogou em 926 jogos marcando 17.454 pontos e dando 3.594 assistências na sua carreira. Ele teve uma média de 18,8 pontos, 3,9 assistências e 3,0 rebotes em sua carreira. Monroe marcou mais de 1.000 pontos em nove de suas treze temporadas profissionais.

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Monroe tem um filho, Rodney e uma filha, Maya. Rodney Monroe jogou pelo Atlanta Hawks depois de uma carreira estelar na Carolina do Norte e Maya treinou basquete no ensino médio e na faculdade.

Em 2012, a Earl Monroe lançou uma nova empresa de doces: NBA Candy Store.

Nos últimos anos, ele tem servido como comentarista do Madison Square Garden e como comissário da Corporação de Desenvolvimento Urbano de Nova Jersey.

Monroe também tem sido ativo em vários assuntos e programas da comunidade, incluindo o Conselho do Presidente sobre Aptidão Física e Saúde, o Coletivo de Jovens da Crown Heights, o Fundo de Assistência Literária e o Programa de Tênis Júnior do Harlem. Ele recebeu muitas honrarias por essas atividades comunitárias "fora da quadra", incluindo o Prêmio Inspirador dos Profissionais do Harlem, Modelo Mais Destacável para a Juventude Americana, o Prêmio de Cidadania da ACM e Prêmio Esportista do Ano da Big Apple.

Em outubro de 2005, Monroe abriu um restaurante em Nova York, chamado "Earl Monroe's Restaurant & Pearl Club". No entanto, Monroe, desde então, revogou os direitos de licenciamento para o seu nome e o restaurante agora é chamado The River Room.[20]

Earl Monroe agora possui e opera sua própria gravadora, Reverse Spin Records, em Nova York, tendo artista de pop, dance, hip-hop e R&B, atualmente com a artista de pop / dance Ciara Corr.[21][22]

No filme de Spike Lee, "He Got Game", Jake Shuttlesworth (Denzel Washington) explica a seu filho, Jesus Shuttlesworth (Ray Allen), que seu nome foi inspirado pelo apelido de Monroe: "Jesus".

Honras[editar | editar código-fonte]

  • A camisa número 15 de Monroe foi aposentada pelo New York Knicks em 1 de março de 1986. Em 1 de dezembro de 2007, o Washington Wizards retirou a camisa número 10 de Monroe.[23]
  • A camisa número 10 de Monroe foi aposentada por Winston-Salem em 2017.
  • Em 1990, ele foi consagrado no Hall da Fama do Basquetebol.
  • Em 1996, Monroe foi nomeado um dos 50 jogadores da equipe de todos os tempos da NBA.
  • Em 2006, Monroe foi introduzido no Hall da Fama do Basquete Universitário.

Estatísticas[editar | editar código-fonte]

LEGENDA
 PJ  Partidas jogadas  PI  Partidas iniciadas  MPJ  Minutos por jogo  AP  Arremessos de quadra (%)
 3P  Arremessos de 3 pontos (%)  LL  Lances-livre (%)  RT  Rebotes por jogo  AS  Assistências por jogo
 BR  Roubos de bola por jogo  TO  Tocos por jogo  PPJ  Pontos por jogo  Negrito  Melhor da carreira

Temporada regular[editar | editar código-fonte]

Ano Time PJ MPJ AP LL RT AS BR TO PPJ
1967–68 Baltimore 82 36.7 .453 .781 5.7 4.3 24.3
1968–69 Baltimore 80 38.4 .440 .768 3.5 4.9 25.8
1969–70 Baltimore 82 37.2 .446 .830 3.1 4.9 23.4
1970–71 Baltimore 81 35.1 .442 .802 2.6 4.4 21.4
1971–72 Baltimore 3 34.3 .406 .722 2.7 3.3 21.7
1971–72 New York 60 20.6 .436 .786 1.5 2.2 11.4
1972–73† New York 75 31.6 .488 .822 3.3 3.8 15.5
1973–74 New York 41 29.1 .468 .823 3.0 2.7 .8 .5 14.0
1974–75 New York 78 36.1 .457 .827 4.2 3.5 1.4 .4 20.9
1975–76 New York 76 38.0 .478 .787 3.6 4.0 1.5 .3 20.7
1976–77 New York 77 34.5 .517 .839 2.9 4.8 1.2 .3 19.9
1977–78 New York 76 31.2 .495 .832 2.4 4.8 .8 .3 17.8
1978–79 New York 64 21.8 .471 .838 1.2 3.0 .8 .1 12.3
1979–80 New York 51 12.4 .457 .875 .7 1.3 .4 .1 7.4
All-Star 4 21.3 .359 .706 3.0 2.8 .3 .0 10.0
Carreira 926 32.0 .464 .807 3.0 3.9 1.0 .3 18.8

Playoffs[editar | editar código-fonte]

Ano Time PJ MPJ AP LL RT AS BR TO PPJ
1969 Baltimore 4 42.8 .386 .806 5.3 4.0 28.3
1970 Baltimore 7 42.7 .481 .800 3.3 4.0 28.0
1971 Baltimore 18 37.3 .407 .793 3.6 4.1 22.1
1972 New York 16 26.8 .411 .789 2.8 2.9 12.3
1973† New York 16 31.5 .526 .750 3.2 3.2 16.1
1974 New York 12 33.9 .491 .855 4.0 2.1 0.7 0.8 17.4
1975 New York 3 29.7 .267 .818 3.0 2.0 1.3 0.7 14.0
1978 New York 6 24.2 .387 .611 0.8 2.8 1.0 0.0 9.8
Carreira 82 33.1 .439 .791 3.2 3.2 0.9 0.5 17.9

Referências

  1. «Legends profile: Earl Monroe». NBA.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  2. Madison, Drew University 36 Madison Avenue; Nj 07940 973-408-3000. «The 5 Best Stories From Earl Monroe at Drew University | Drew Today | Drew University». Drew Today (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  3. «Vernon Earl "Earl the Pearl" Monroe (1944- ) • BlackPast». BlackPast (em inglês). 16 de julho de 2012. Consultado em 2 de julho de 2019 
  4. Bell, Daryl. «Winston-Salem State retires Earl 'The Pearl' Monroe's number». The Philadelphia Tribune (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  5. DELL, JOHN. «Ram Ramblings: Jerry McLeese, who gave Earl 'The Pearl' Monroe his nickname, has died». Winston-Salem Journal (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  6. «Becoming 'Earl the Pearl': How Earl Monroe earned his famous nickname». www.sportingnews.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  7. «NAIA stars stole the show at 1967 Pan Am Games auditions». Star Tribune. Consultado em 2 de julho de 2019 
  8. «FIFTH PAN AMERICAN GAMES -- 1967». www.usab.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  9. «Legends profile: Earl Monroe». NBA.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  10. «1968-69 Baltimore Bullets Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  11. «1969-70 Baltimore Bullets Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  12. «1970-71 Baltimore Bullets Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  13. «1971 NBA Finals - Baltimore Bullets vs. Milwaukee Bucks». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  14. «Sheridan: For Monroe, ring not always the thing». ESPN.com (em inglês). 6 de junho de 2011. Consultado em 2 de julho de 2019 
  15. «1972 NBA Finals - New York Knicks vs. Los Angeles Lakers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  16. «1972-73 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  17. «Earl Monroe | American basketball player». Encyclopedia Britannica (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  18. «1973 NBA Finals - New York Knicks vs. Los Angeles Lakers». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  19. «1973-74 New York Knicks Roster and Stats». Basketball-Reference.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  20. «theriverroomofharlem.com». www.theriverroomofharlem.com. Consultado em 2 de julho de 2019 
  21. Thomson, Candus. «Sugar-coated baseball». baltimoresun.com (em inglês). Consultado em 2 de julho de 2019 
  22. «Reverse Spin Records - About». web.archive.org. 26 de agosto de 2011. Consultado em 2 de julho de 2019 
  23. «NBA.com Players with Multiple Jerseys Retired». www.nba.com. Consultado em 2 de julho de 2019