Elizabeth Wurtzel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Elizabeth Wurtzel
Nome completo Elizabeth Lee Wurtzel
Nascimento 31 de julho de 1967
Nova Iorque, Estados Unidos
Morte 7 de janeiro de 2020 (52 anos)
Nacionalidade norte-americana
Ocupação escritora, jornalista
Principais trabalhos Prozac Nation

Elizabeth Lee Wurtzel (Nova Iorque, 31 de julho de 19677 de janeiro de 2020) foi uma escritora e jornalista americana conhecida pelo seu trabalho no género das memórias confessionais. É muitas vezes comparada a Anne Sexton e a Sylvia Plath.[1][2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida judia, os seus pais divorciaram-se quando ainda era muito nova. Como é descrito no livro Prozac Nation, a sua depressão começou entre as idades de 10 e 12. Fez o liceu em Ramaz e foi considerada como uma muito boa aluna pelos seus professores, que esperavam que se tornasse uma escritora nacionalmente famosa. Enquanto estudante na Universidade de Harvard, escreveu para o Harvard Crimson e para o The Dallas Morning News do qual foi despedida por plágio.[3]

Wurtzel recebeu em 1986 o Prémio Universitário de Jornalismo da Revista Rolling Stone por um artigo sobre Lou Reed. [4] Após a conclusão da sua licenciatura foi viver para Greenwich Village em Nova Iorque e encontrou trabalho como critica de música pop no The New Yorker e na New York Magazine.[5][6]

Wurtzel morreu no dia 7 de janeiro de 2020, aos 52 anos, em decorrência do câncer de mama.[7][8]

Prozac Nation[editar | editar código-fonte]

Wurtzel foi sobretudo conhecida pelo seu livro de memórias, o best-seller Prozac Nation, que publicou com apenas 26 anos. O livro faz uma crónica da sua luta com a depressão enquanto estudante universitária e pelo modo como acabou por ser salva pelo Prozac após numerosas tentativas de tratamento e tentativas de suicídio. [9][10][11]

A adaptação a filme de Prozac Nation estreou no Festival Internacional de Cinema de Toronto a 8 de setembro de 2001 mas nunca foi exibido no cinema nos Estados Unidos. Foi transmitido televisivamente em Março de 2005 pela Starz! e foi editado em DVD no verão de 2005. [2][12][13]

Após Prozac Nation[editar | editar código-fonte]

Após o aplauso da crítica a Prozac Nation, Wurtzel mudou-se para a Florida por sentir que não era capaz de se concentrar em Nova Iorque e começou a escrever o seu segundo livro: Bitch: In Praise of Difficult Women. Nesta altura lutou contra o abuso e a adicção ao Ritalin. Antes de se mudar para a Florida, Wurtzel lutara também contra a adicção à cocaína e à heroína. Wurtzel escreveu Bitch por sentir que a escrita feminista se tinha tornado "seca" e porque queria torná-la outra vez "sumarenta". Focou-se nas definições sociais das raparigas más e analisou figuras publicas desde Amy Fisher a Hillary Clinton através destas lentes. [14][15]

Wurtzel, nesta altura uma adicta a drogas, ganhou muito peso devido à medicação que tomava e era vista como nervosa enquanto promovia Bitch em numerosos media como a CNN. Os seus problemas neste período levaram a cancelamentos de múltiplas leituras de livros e entrevista. Durante este tempo, a sua coluna regular no The Guardian foi cancelada devido à sua incapacidade de produzir trabalho a tempo. Estas experiências levaram à publicação de um segundo livro autobiográfico intitulado More, Now, Again: A Memoir of Addiction (2001), que se centrava à volta da sua adicção ao medicamento Ritalin enquanto escrevia Bitch. [16]

Wurtzel também trabalhou para o site Nerve como crítica de cinema. [17] Em 2005 estudava na escola de Direito da Universidade de Yale.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Surgiu alguma controvérsia acerca dos comentários de Wurtzel, que vivia perto do World Trade Center em Nova Iorque, acerca dos atentados de 11 de setembro, durante uma entrevista a Jan Wong acerca da sequela de Prozac Nation, no qual relatava de forma desconcertante a sua falta de resposta emocional aos atentados. [18][19]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

É autora dos livros: [20]

Referências

  1. http://www.villagevoice.com/books/0202,press,31332,10.html
  2. a b «Corajosamente, Elizabeth Wurtzel discutiu depressão quando poucos ousavam falar». CLAUDIA. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 16 de outubro de 2007. Arquivado do original em 31 de outubro de 2007 
  4. Dickson, E. J.; Dickson, E. J. (7 de janeiro de 2020). «Elizabeth Wurtzel, Author of 'Prozac Nation,' Dead at 52». Rolling Stone (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  5. Cut, the (8 de janeiro de 2020). «Elizabeth Wurtzel's Best Essays for New York». The Cut (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  6. «Elizabeth Wurtzel». The New Yorker (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  7. Genzlinger, Neil (7 de janeiro de 2020). «Elizabeth Wurtzel, 'Prozac Nation' Author, Is Dead at 52». The New York Times (em inglês). Consultado em 7 de janeiro de 2020 
  8. «Morreu Elizabeth Wurtzel, autora de 'Prozac Nation'. Tinha 52 anos - DN». www.dn.pt. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  9. «Morreu Elizabeth Wurtzel, porta-voz da geração X e autora de "Nação Prozac"». Jornal Expresso. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  10. LLC, New York Media (5 de setembro de 1994). New York Magazine (em inglês). [S.l.]: New York Media, LLC 
  11. «Elizabeth Wurtzel - Pesquisa Google». www.google.com. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  12. LLC, SPIN Media (abril de 2003). SPIN (em inglês). [S.l.]: SPIN Media LLC 
  13. Roeper, Richard (1 de fevereiro de 2005). Schlock Value: Hollywood at Its Worst (em inglês). [S.l.]: Hachette Books 
  14. «Bitch». www.goodreads.com. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  15. Brenner-Idan, Athalya (1 de novembro de 1999). A Feminist Companion to Judges (em inglês). [S.l.]: Bloomsbury Publishing 
  16. «More, Now, Again». www.goodreads.com. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  17. «Full Frontal Fiction: The Best of Nerve.com». www.amazon.com. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  18. «Emotional Numbness & Bizarre Behavior Prozac». ssristories.net. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  19. Facebook; Twitter; options, Show more sharing; Facebook; Twitter; LinkedIn; Email; URLCopied!, Copy Link; Print (8 de janeiro de 2020). «Appreciation: 'Prozac Nation' author Elizabeth Wurtzel chronicled the world's woes and her own with gusto». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  20. «Elizabeth Wurtzel». www.goodreads.com. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  21. «Nação Prozac - Livro - WOOK». www.wook.pt. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  22. Wurtzel, Elizabeth (17 de outubro de 2012). Bitch: In Praise of Difficult Women (em inglês). [S.l.]: Knopf Doubleday Publishing Group 
  23. Wurtzel, Elizabeth (23 de janeiro de 2001). Radical Sanity: Commonsense Advice for Uncommon People (em inglês). [S.l.]: Random House Publishing Group 
  24. «Só Mais Uma Vez - Livro - WOOK». www.wook.pt. Consultado em 10 de dezembro de 2020 
  25. Shapiro, Jonathan. «Fabulous!». Los Angeles Review of Books. Consultado em 10 de dezembro de 2020 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Media relacionados com Elizabeth Wurtzel no Wikimedia Commons