Escassez de água

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Escassez física e econômica global de água (2012)
Mapa de estresse hídrico (2019)
No distrito de Meatu, região de Shinyanga, Tanzânia, a água geralmente vem de buracos abertos cavados na areia de leitos de rios secos, sendo invariavelmente contaminada

A escassez de água é a falta de recursos de água doce para atender à demanda padrão de água. A escassez de água pode ser causada por secas, falta de chuvas ou poluição. A escassez de água foi listada em 2019 pelo como um dos maiores riscos globais em termos de impacto potencial na próxima década.[1] É manifestada pela satisfação parcial ou inexistente da demanda expressa, competição econômica pela quantidade ou qualidade da água, disputas entre usuários, esgotamento irreversível das águas subterrâneas e impactos negativos sobre o meio ambiente.[2] Dois terços da população global (4 bilhões de pessoas) vivem em condições de severa escassez de água pelo menos 1 mês por ano.[3][4][5][6] Meio bilhão de pessoas no mundo enfrentam grave escassez de água durante todo o ano.[3] Metade das maiores cidades do mundo sofrem de escassez de água.[5]

Apenas 0,014% de toda a água da Terra é doce e facilmente acessível. Da água restante, 97% é salina e pouco menos de 3% é de difícil acesso. Tecnicamente, existe uma quantidade suficiente de água doce em uma escala global. No entanto, devido à distribuição desigual (agravada pelo aquecimento global), resultando em alguns locais geográficos muito úmidos e alguns muito secos, além de um aumento acentuado na demanda global de água doce nas últimas décadas impulsionada pela indústria, a humanidade está enfrentando uma crise hídrica. A demanda deve superar a oferta em 40% em 2030, se as tendências atuais continuarem.[5][7]

A essência da escassez global de água é a incompatibilidade geográfica e temporal entre a demanda e a disponibilidade de água doce.[8][9] O aumento da população mundial, a melhoria dos padrões de vida, a mudança dos padrões de consumo e a expansão da agricultura irrigada são as principais forças motrizes da crescente demanda global por água.[10][11] Mudanças climáticas, como padrões climáticos alterados (incluindo secas ou inundações), desmatamento, aumento da poluição, gases de efeito estufa e desperdício de água podem causar abastecimento insuficiente.[12] Em nível global e em uma base anual, água doce suficiente está disponível para atender essa demanda, mas as variações espaciais e temporais da demanda e disponibilidade de água são grandes, levando à escassez de água (física) em várias partes do mundo durante períodos específicos do ano.[3] A escassez varia ao longo do tempo como resultado da variabilidade hidrológica natural, mas varia ainda mais em função da política econômica vigente, planejamento e abordagens de gestão. Espera-se que a escassez se intensifique com a maioria das formas de desenvolvimento econômico, mas, se corretamente identificada, muitas de suas causas podem ser previstas, evitadas ou mitigadas.[2]

Alguns países já provaram que é possível separar o uso da água do crescimento econômico. Na Austrália, por exemplo, o consumo de água diminuiu 40% entre 2001 e 2009, enquanto a economia cresceu mais de 30%.[13] O Painel Internacional de Recursos da ONU afirma que os governos tendem a investir pesadamente em soluções amplamente ineficientes: megaprojetos como represas, canais, aquedutos, dutos e reservatórios de água, que geralmente não são ambientalmente sustentáveis nem economicamente viáveis. A maneira mais custo-efetiva de dissociar o uso da água do crescimento econômico, de acordo com o painel científico, é os governos criarem planos holísticos de gestão da água que levem em consideração todo o ciclo da água: da fonte à distribuição, uso econômico, tratamento, reciclagem, reaproveitar e devolver ao meio ambiente.[13]

Oferta e demanda[editar | editar código-fonte]

Uso global de água doce. Dados da FAO de 2016.

A quantidade total de água doce facilmente acessível na Terra, na forma de água superficial (rios e lagos) ou subterrânea (em aquíferos, por exemplo), é de 14 000 quilômetros cúbicos (quase 3 359 milhas cúbicas). Desse total, 'apenas' 5 000 quilômetros cúbicos estão sendo usados e reutilizados pela humanidade. Consequentemente, em teoria, há água doce mais do que suficiente disponível para atender às demandas da atual população mundial de mais de 7 bilhões de pessoas e até mesmo sustentar o crescimento populacional para 9 bilhões ou mais. No entanto, devido à distribuição geográfica desigual e principalmente ao consumo desigual de água, é um recurso escasso em algumas partes do mundo e para algumas partes da população.[7]

A escassez como resultado do consumo é causada principalmente pelo uso extensivo de água na agricultura/pecuária e na indústria. Pessoas em países desenvolvidos geralmente usam cerca de 10 vezes mais água por dia do que em países em desenvolvimento.[14] Grande parte disso é o uso "indireto" intensivo de água em processos de produção agrícola e industrial de bens de consumo, como frutas, oleaginosas e algodão. Como muitas dessas cadeias produtivas foram globalizadas, muita água nos países em desenvolvimento está sendo utilizada e poluída para produzir bens destinados ao consumo nos países desenvolvidos.[7]

Escassez física e econômica[editar | editar código-fonte]

A escassez de água pode resultar de dois mecanismos: escassez física (absoluta) de água e escassez econômica de água.

A escassez física de água resulta de recursos hídricos naturais inadequados para suprir a demanda de uma região e a escassez econômica de água resulta da má gestão dos recursos hídricos disponíveis. De acordo com o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, a última é mais frequentemente a causa de países ou regiões com escassez de água, já que a maioria dos países ou regiões tem água suficiente para atender às necessidades domésticas, industriais, agrícolas e ambientais, mas carece de meios para fornecê-la de maneira acessível.[15] Cerca de um quinto da população mundial vive atualmente em regiões afetadas pela escassez física de água, onde há recursos hídricos inadequados para atender à demanda de um país ou região, incluindo a água necessária para atender à demanda dos ecossistemas para funcionar de maneira eficaz.[15] As regiões áridas sofrem frequentemente com a escassez física de água. Também ocorre onde a água parece abundante, mas onde os recursos são excessivamente comprometidos, como quando há superdesenvolvimento da infraestrutura hidráulica para irrigação. Os sintomas de escassez física de água incluem degradação ambiental e declínio das águas subterrâneas, bem como outras formas de exploração ou uso excessivo.[16]

A escassez econômica de água é causada pela falta de investimento em infraestrutura ou tecnologia para tirar água de rios, aquíferos ou outras fontes de água, ou capacidade humana insuficiente para satisfazer a demanda por água. Um quarto da população mundial é afetada pela escassez econômica de água. Grandes partes da África sofrem com a escassez econômica de água; o desenvolvimento de infraestrutura de água nessas áreas poderia, portanto, ajudar a reduzir a pobreza. Muitas vezes surgem condições críticas para comunidades economicamente pobres e politicamente fracas que vivem em um ambiente já seco. O consumo aumenta com o PIB per capita: na maioria dos países desenvolvidos, a quantidade média é de cerca de 200–300 litros diários. Em países subdesenvolvidos (por exemplo, países africanos como Moçambique), o consumo médio diário de água per capita é inferior a 10 litros. O aumento do consumo de água está correlacionado com o aumento da renda, medida pelo PIB per capita. Em países que sofrem com a escassez de água, a água é objeto de especulação.[17]

Direito humano à água[editar | editar código-fonte]

O acesso à água limpa e segura e ao saneamento seguro e higiênico foi reconhecido como um direito humano pela Assembleia Geral das Nações Unidas em 28 de julho de 2010.[18] O Comitê de Direitos Econômicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas estabeleceu uma base de cinco atributos essenciais para a segurança da água. Eles declaram que o direito humano à água dá a todos o direito a água suficiente, segura, aceitável, fisicamente acessível e acessível para uso pessoal e doméstico.

Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODMs)[editar | editar código-fonte]

Na Cúpula do Milênio de 2000, as Nações Unidas abordaram os efeitos da escassez econômica de água, tornando o maior acesso à água potável uma meta de desenvolvimento internacional. Durante esse tempo, eles esboçaram os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio e todos os 189 membros da ONU concordaram com os oito objetivos. O ODMs 7 estabelece uma meta para reduzir a proporção da população sem acesso sustentável à água potável pela metade até 2015. Isso significaria que mais de 600 milhões de pessoas teriam acesso a uma fonte segura de água potável. Em 2016, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável substituíram os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio.

Efeitos no meio ambiente[editar | editar código-fonte]

A escassez de água tem muitos impactos negativos no meio ambiente, como efeitos adversos em lagos, rios, lagoas, pântanos e outros recursos de água doce. O uso excessivo de água resultante que está relacionado à escassez de água, muitas vezes localizado em áreas de irrigação na agricultura, prejudica o meio ambiente de várias maneiras, incluindo aumento da salinidade, poluição por nutrientes e perda de várzeas e pântanos.[15][19] Além disso, a escassez de água torna problemática a gestão do fluxo na reabilitação de córregos urbanos.[20]

Nos últimos cem anos, mais da metade das zonas úmidas da Terra foram destruídas e desapareceram.[12] Essas zonas úmidas são importantes não apenas porque são o habitat de numerosas espécies, como mamíferos, pássaros, peixes, anfíbios e invertebrados, mas também ajudam o cultivo de arroz e outras culturas alimentares, além de fornecer filtragem de água e proteção contra tempestades e inundações. Lagos de água doce, como o (norte do) Mar de Aral, na Ásia Central, também sofrem. Outrora o quarto maior lago de água doce, ele perdeu mais de 58 000 quilômetros quadrados de área e aumentou enormemente sua concentração de sal ao longo de três décadas.[12]

A subsidência, ou afundamento gradual das formas de relevo, é outro resultado da escassez de água. O Serviço Geológico dos Estados Unidos estima que a subsidência afetou mais de 17 000 milhas quadradas em 45 estados dos EUA, 80 por cento deles devido ao uso de água subterrânea. Em algumas áreas a leste de Houston, Texas, o terreno caiu mais de 2,7 metros devido a subsidência.[21]

Mudança climática[editar | editar código-fonte]

A água é o principal meio pelo qual sentiremos os efeitos das mudanças climáticas. A disponibilidade de água está se tornando menos previsível em muitos lugares, e o aumento da incidência de enchentes ameaça destruir os pontos de água e instalações de saneamento e contaminar as fontes de água. Em algumas regiões, as secas estão exacerbando a escassez de água e, portanto, afetando negativamente a saúde e a produtividade das pessoas. Garantir que todos tenham acesso a serviços sustentáveis de água e saneamento é uma estratégia crítica de mitigação das mudanças climáticas nos próximos anos.[22]

Projeta-se que temperaturas mais altas e condições climáticas mais extremas e menos previsíveis afetem a disponibilidade e distribuição da chuva, derretimento da neve, fluxos dos rios e lençóis freáticos, deteriorando ainda mais a qualidade da água, levando à escassez. Comunidades de baixa renda, que já são as mais vulneráveis a quaisquer ameaças ao abastecimento de água, provavelmente serão as mais afetadas.[22]

Referências

  1. «The Global Risks Report 2019». Fórum Econômico Mundial (em inglês). 15 de janeiro de 2019. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  2. a b «Coping with water scarcity. An action framework for agriculture and food stress» (PDF) (em inglês). Organização para a Agricultura e Alimentação das Nações Unidas. 2012. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  3. a b c Hoekstra, A.Y.; Mekonnen, M.M. (12 de fevereiro de 2016). «Four billion people facing severe water scarcity» (PDF). Science Advances (em inglês). Associação Americana para o Avanço da Ciência. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  4. «4 billion people face water shortages, scientists find» (em inglês). Fórum Econômico Mundial. 17 de fevereiro de 2016. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  5. a b c «How do we prevent today's water crisis becoming tomorrow's catastrophe?» (em inglês). Fórum Econômico Mundial. 23 de março de 2017. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  6. «Global Water Shortage Risk Is Worse Than Scientists Thought». HuffPost (em inglês). 15 de fevereiro de 2016. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  7. a b c «Water, bron van ontwikkeling, macht en conflict» (PDF) (em neerlandês). NCDO. 8 de janeiro de 2012. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  8. Postel, S. L.; Daily, G. C.; Ehrlich, P. R. (9 de fevereiro de 1996). «Human Appropriation of Renewable Fresh Water». Science (em inglês). 271 (5250): 785–788. ISSN 0036-8075. doi:10.1126/science.271.5250.785 
  9. Ercin, A. Ertug; Hoekstra, Arjen Y. (2014). «Water footprint scenarios for 2050: A global analysis». Environment International (em inglês). 64: 71–82. doi:10.1016/j.envint.2013.11.019 
  10. Vorosmarty, C. J. (14 de julho de 2000). «Global Water Resources: Vulnerability from Climate Change and Population Growth». Science (em inglês). 289 (5477): 284–288. doi:10.1126/science.289.5477.284 
  11. Ercin, A. Ertug; Hoekstra, Arjen Y. (março de 2014). «Water footprint scenarios for 2050: A global analysis». Environment International (em inglês). 64: 71–82. doi:10.1016/j.envint.2013.11.019 
  12. a b c «Water Scarcity | Threats». World Wide Fund for Nature (em inglês). Consultado em 20 de agosto de 2020 
  13. a b «Half the World to Face Severe Water Stress by 2030 unless Water Use is "Decoupled" from Economic Growth, Says International Resource Panel» (em inglês). Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente. 21 de março de 2016. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  14. McKie, Robin (8 de março de 2015). «Why fresh water shortages will cause the next great global crisis». The Observer (em inglês). Consultado em 20 de agosto de 2020 
  15. a b c «Human Development Report 2006». Relatório de Desenvolvimento Humano, Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. 2006. Consultado em 20 de agosto de 2020 
  16. «Human Development Reports» (PDF). Relatório de Desenvolvimento Humano. Consultado em 21 de agosto de 2020 
  17. Prokurat, Sergiusz (2015). «Drought and water shortages in Asia as a threat and economic problem» (PDF). Józefów. Journal of Modern Science: 235–250. Consultado em 5 de agosto de 2016 
  18. «Resolution 64/292: The human right to water and sanitation» (em inglês). Nações Unidas. Agosto de 2010. Consultado em 19 de agosto de 2020 
  19. «Water Scarcity Index». UNEP. Consultado em 20 de agosto de 2020. Arquivado do original em 16 de dezembro de 2008 
  20. Lawrence, Justin E.; Pavia, Christopher P.W.; Kaing, Sereyvicheth; Bischel, Heather N.; Luthy, Richard G.; Resh, Vincent H. (3 de abril de 2014). «Recycled water for augmenting urban streams in mediterranean-climate regions: a potential approach for riparian ecosystem enhancement». Hydrological Sciences Journal (em inglês). 59 (3-4): 488–501. ISSN 0262-6667. doi:10.1080/02626667.2013.818221 
  21. «Texas Water Report: Going Deeper for the Solution». Window on State Government. 2011. Consultado em 20 de agosto de 2020. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2014 
  22. a b «Climate Change | UN-Water» (em inglês). UN-Water. Consultado em 20 de agosto de 2020