Espondilite anquilosante

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Espondilite anquilosante
Esqueleto do século VI em que se observa vértebras fundidas, um sinal de espondilite aquinosante grave.
Sinónimos Doença de Bekhterev, doença de Bechterew, doença de Bekhterev-Strümpell-Marie, artrite de Marie–Strümpell, doença de Pierre–Marie[1]
Especialidade Reumatologia
Sintomas Dor nas costas, rigidez nas articulações[2]
Complicações Inflamação ocular (uveíte), fraturas por compressão, problemas cardíacos ,final o óbito
Início habitual Jovem adulto[2]
Duração Crónica[2]
Causas Desconhecidas[2]
Fatores de risco Limitações físicas e cardiovasculares
Método de diagnóstico Baseado nos sintomas, imagiologia médica, análises ao sangue[2]
Prevenção Atualmente inexistente
Tratamento Medicação, exercício, cirurgia[2]
Medicação AINES, corticosteroides, DARMD[2]
Frequência 0,1 a 1,8%[3]
Mortes 50% a 60%
Classificação e recursos externos
CID-10 M08.1, M45
CID-9 720.0
OMIM 106300
DiseasesDB 728
MedlinePlus 000420
eMedicine radio/41
MeSH D013167
A Wikipédia não é um consultório médico. Leia o aviso médico 

Espondilite anquilosante (EA) é um tipo de artrite [4]em que ocorre inflamação crónica das articulações da coluna vertebral.[2] Geralmente também são afetadas as articulações onde a coluna se junta à bacia.[2] Em alguns casos pode também afetar outras articulações, como os ombros ou a anca.[2] Podem também ocorrer problemas nos olhos e no intestino.[2] A dor nas costas é um sintoma característico e em muitos casos é intermitente.[2] A rigidez das articulações afetadas geralmente vai-se agravando ao longo do tempo.[2][5]

Embora se desconheça a causa de espondilite anquilosante, pensa-se que envolva uma combinação de fatores genéticos e ambientais.[2] Mais de 90% das pessoas afetadas são portadoras de um antígeno leucocitário humano específico denominado antígeno HLA-B27.[6] Pensa-se que mecanismo subjacente seja autoimune ou autoinflamatório.[7] O diagnóstico geralmente baseia-se nos sintomas com apoio de exames imagiológicos e análises ao sangue.[2] A EA é um tipo de espondiloartropatia seronegativa, o que significa que os exames revelam não haver presença de anticorpos do fator reumatoide (FR).[2] Faz também parte de uma categoria mais ampla denominada espondiloartrite axial.[8]

Não existe cura para a doença.[2] O tratamento pode melhorar os sintomas e prevenir o agravamento.[2] O tratamento pode consistir em medicação, exercício físico e cirurgia.[2] Entre os medicamentos estão os anti-inflamatórios não esteroides, corticosteroides, drogas antirreumáticas modificadoras de doença como a sulfassalazina e inibidores do TNF-alfa como o infliximab.[2]

A doença afeta entre 0,1% e 1,8% da população.[3] A doença geralmente manifesta-se no início da idade adulta[2] e é mais comum entre os homens.[2] A condição foi descrita pela primeira vez no fim do século XVII por Bernard Connor. Existem entre as múmias egípicias esqueletos com EA.[9] O termo tem origem no grego ankylos, que significa rigidez, spondylos que significa vértebra, e -itis que significa inflamação.[2]

Sintomas[editar | editar código-fonte]

Os sinais e sintomas da espondilite anquilosante geralmente aparecem gradualmente, com pico de início entre 20 e 30 anos de idade.[10] Os sintomas iniciais geralmente são uma dorincômoda crônica na região lombar ou glútea combinada com rigidez na região lombar. Os indivíduos geralmente sentem dor e rigidez que os acordam nas primeiras horas da manhã.[10]

Cerca de 30% das pessoas com AS também apresentarão Uveíte anterior, causando dor ocular, vermelhidão e visão turva. Acredita-se que isso se deva à associação que tanto a EA quanto a uveíte têm com a presença do antígeno HLA-B27.  O envolvimento cardiovascular pode incluir inflamação da aorta, insuficiência de válvula aórticaou distúrbios do sistema de condução elétrica do coração. O envolvimento pulmonar é caracterizado por fibrose progressiva da porção superior do pulmão.[11]

Os órgãos comumente afetados pela EA, além da coluna axial e outras articulações, são o coração, os pulmões, os olhos, o cólon e os rins. Outras complicações são regurgitação aórtica , tendinite de Aquiles,[12] bloqueio do nó AV e amiloidose. Devido à Fibrose pulmonar, as radiografias de tórax podem mostrar fibrose apical, enquanto os testes de função pulmonar podem revelar um defeito pulmonar restritivo. Complicações muito raras envolvem condições neurológicas, como a Síndrome da cauda equina.[12][13]

Tratamento[editar | editar código-fonte]

Não há cura para a EA,[14] embora tratamentos e medicamentos possam minimizar os sintomas e o sofrimento da dor.[15]

Mortalidade[editar | editar código-fonte]

A mortalidade é aumentada em pessoas com EA e a doença circulatória é a causa mais frequente de morte.[16] Pessoas com EA têm um risco aumentado de 60% para mortalidade cerebrovascular e um risco geral aumentado de 50% para mortalidade vascular.[17] Cerca de um terço das pessoas com espondilite anquilosante têm doença grave, o que reduz a expectativa de vida.[4]

Como o aumento da mortalidade na espondilite anquilosante está relacionado à gravidade da doença, os fatores que afetam negativamente os resultados incluem:[necessário esclarecer][16][4]

  • Mais três dos seguintes nos primeiros dois anos da doença:
    • Taxa de hemossedimentação (ESR) > 30 mm/h
    • Não responde aos AINEs
    • Limitação da amplitude de movimento da coluna lombar
    • Dactilite
    • Oligoartrite

Referências

  1. Matteson, E. L.; Woywodt, A. (1 de novembro de 2006). «Eponymophilia in rheumatology». Rheumatology (em inglês). 45 (11): 1328–1330. ISSN 1462-0324. PMID 16920748. doi:10.1093/rheumatology/kel259 
  2. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w «Questions and Answers about Ankylosing Spondylitis». NIAMS. Junho de 2016. Consultado em 28 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 28 de setembro de 2016 
  3. a b Khan, Muhammad Asim (2009). Ankylosing Spondylitis (em inglês). [S.l.]: Oxford University Press. p. 15. ISBN 9780195368079. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  4. a b c Braun, J.; Pincus, T. (2002). «Mortality, course of disease and prognosis of patients with ankylosing spondylitis». Clinical and Experimental Rheumatology (6 Suppl 28): S16–22. ISSN 0392-856X. PMID 12463441. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  5. «Ankylosing spondylitis». GARD. 9 de fevereiro de 2015. Consultado em 28 de setembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de outubro de 2016 
  6. Sheehan, NJ (janeiro de 2004). «The ramifications of HLA-B27.». Journal of the Royal Society of Medicine. 97 (1): 10–4. PMC 1079257Acessível livremente. PMID 14702356. doi:10.1258/jrsm.97.1.10 
  7. Smith, JA (janeiro de 2015). «Update on ankylosing spondylitis: current concepts in pathogenesis.». Current allergy and asthma reports. 15 (1). 489 páginas. PMID 25447326. doi:10.1007/s11882-014-0489-6 
  8. Deodhar, Atul; Reveille, John D.; van den Bosch, Filip; Braun, Jürgen; Burgos-Vargas, Ruben; Caplan, Liron; Clegg, Daniel O.; Colbert, Robert A.; Gensler, Lianne S.; van der Heijde, Désirée; van der Horst-Bruinsma, Irene E.; Inman, Robert D.; Maksymowych, Walter P.; Mease, Philip J.; Raychaudhuri, Siba; Reimold, Andreas; Rudwaleit, Martin; Sieper, Joachim; Weisman, Michael H.; Landewé, Robert B. M. (outubro de 2014). «The Concept of Axial Spondyloarthritis: Joint Statement of the Spondyloarthritis Research and Treatment Network and the Assessment of SpondyloArthritis international Society in Response to the US Food and Drug Administration's Comments and Concerns». Arthritis & Rheumatology. 66 (10): 2649–2656. doi:10.1002/art.38776 
  9. Boos, Norbert; Aebi, Max (2008). Spinal Disorders: Fundamentals of Diagnosis and Treatment (em inglês). [S.l.]: Springer Science & Business Media. p. 25. ISBN 9783540690917. Cópia arquivada em 8 de setembro de 2017 
  10. a b «Ankylosing Spondylitis AS. Inflamed spine information. Patient». patient.info (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  11. Momeni, Mahnaz; Taylor, Nora; Tehrani, Mahsa (2011). «Cardiopulmonary manifestations of ankylosing spondylitis». International Journal of Rheumatology. 728471 páginas. ISSN 1687-9279. PMC 3087354Acessível livremente. PMID 21547038. doi:10.1155/2011/728471. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  12. a b The AHA clinical cardiac consult. J. V. Nixon, Joseph S. Alpert, American Heart Association 2nd ed ed. Philadelphia, PA: Lippincott Williams & Wilkins. 2007. OCLC 71223208 
  13. Ahn, N. U.; Ahn, U. M.; Nallamshetty, L.; Springer, B. D.; Buchowski, J. M.; Funches, L.; Garrett, E. S.; Kostuik, J. P.; Kebaish, K. M. (outubro de 2001). «Cauda equina syndrome in ankylosing spondylitis (the CES-AS syndrome): meta-analysis of outcomes after medical and surgical treatments». Journal of Spinal Disorders (5): 427–433. ISSN 0895-0385. PMID 11586143. doi:10.1097/00002517-200110000-00009. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  14. Poddubnyy, Denis; van Tubergen, Astrid; Landewé, Robert; Sieper, Joachim; van der Heijde, Désirée; Assessment of SpondyloArthritis international Society (ASAS) (agosto de 2015). «Development of an ASAS-endorsed recommendation for the early referral of patients with a suspicion of axial spondyloarthritis». Annals of the Rheumatic Diseases (8): 1483–1487. ISSN 1468-2060. PMID 25990288. doi:10.1136/annrheumdis-2014-207151. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  15. Rudwaleit, M.; van der Heijde, D.; Landewé, R.; Listing, J.; Akkoc, N.; Brandt, J.; Braun, J.; Chou, C. T.; Collantes-Estevez, E. (junho de 2009). «The development of Assessment of SpondyloArthritis international Society classification criteria for axial spondyloarthritis (part II): validation and final selection». Annals of the Rheumatic Diseases (6): 777–783. ISSN 1468-2060. PMID 19297344. doi:10.1136/ard.2009.108233. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  16. a b Bakland, Gunnstein; Gran, Jan Tore; Nossent, Johannes C. (novembro de 2011). «Increased mortality in ankylosing spondylitis is related to disease activity». Annals of the Rheumatic Diseases (11): 1921–1925. ISSN 1468-2060. PMID 21784726. doi:10.1136/ard.2011.151191. Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  17. «Ankylosing Spondylitis Linked to Cardiovascular Mortality». Medscape (em inglês). Consultado em 27 de dezembro de 2022 
  18. Lehtinen, K. (março de 1993). «Mortality and causes of death in 398 patients admitted to hospital with ankylosing spondylitis». Annals of the Rheumatic Diseases (3): 174–176. ISSN 0003-4967. PMC 1005012Acessível livremente. PMID 8484668. doi:10.1136/ard.52.3.174. Consultado em 27 de dezembro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]