Estação Ferroviária de Tomar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Tomar
Estação de Tomar, em 2015.
Inauguração 24 de Setembro de 1928
Linha(s) R. de Tomar (PK 14,731)
Coordenadas 39° 35′ N 8° 24′ W
Concelho Tomar
Serviços Ferroviários Regional, InterRegional
Serviços Ligação a autocarros Serviço de táxis Parque de estacionamento Bilheteiras e/ou máquinas de venda de bilhetes Acesso para pessoas de mobilidade reduzida Sala de espera Telefones públicos

A Estação Ferroviária de Tomar é a gare terminal do Ramal de Tomar, que serve a cidade de Tomar, no Distrito de Santarém, em Portugal. Entrou ao serviço em 24 de Setembro de 1928.[1]

Estação de Tomar, em 2008.

Caracterização[editar | editar código-fonte]

Localização e acessos[editar | editar código-fonte]

Esta gare situa-se junto à Avenida dos Combatentes da Grande Guerra, na localidade de Tomar.[2][3]

Descrição física[editar | editar código-fonte]

Em Janeiro de 2011, esta interface dispunha de 4 vias de circulação, todas com 210 metros de comprimento; as plataformas tinham todas 215 metros de extensão, e 90 centímetros de altura.[4]

O edifício de passageiros, projectado por Cottinelli Telmo em 1928, apresenta uma volumetria austera e uma formalização clássica, que se integrava na arquitectura tradicionalista e nacionalista do Estado Novo.[5]

A estação é utilizada pelos comboios Regionais e InterRegionais da CP.[6]

Mapa dos caminhos de ferro em 1895, incluindo um projecto de Paialvo a Tomar.

História[editar | editar código-fonte]

Antecedentes, planeamento e inauguração[editar | editar código-fonte]

Em 1844, Benjamim de Oliveira, que foi um dos primeiros defensores da introdução do caminho de ferro em Portugal, propôs a construção de várias linhas, incluindo uma de Lisboa a Tomar; no entanto, estes projectos foram cancelados com a criação da Companhia das Obras Públicas de Portugal, que por seu turno, seria dissolvida após a Revolução da Maria da Fonte.[7]

Antes da chegada dos caminhos de ferro, as comunicações na região industrial compreendida entre Torres Novas, Tomar e Abrantes eram muito primitivas, sendo o principal meio de transporte as embarcações fluviais[8], ao longo dos rios Nabão, Zêzere e Tejo.[9] Com efeito, durante a discussão do traçado da futura Linha do Norte, em Abril de 1857, a autarquia de Peniche defendeu que a linha férrea devia passar pela região litoral, uma vez que no interior já existiam os eixos fluviais.[9]

Em 1911, foi criada uma comissão regional para reivindicar a construção de uma linha de Tomar a Rio Maior, passando por Torres Novas.[10]

Em 18 de Julho de 1913, a autarquia de Tomar foi autorizada a construir um caminho de ferro a partir de Paialvo, na Linha do Norte[11], tendo o projecto sido posteriormente alterado para Lamarosa.[12] Assim, este ramal entrou ao serviço em 24 de Setembro de 1928, originalmente com a denominação de Caminho de Ferro de Lamarosa a Tomar.[12] O edifício de passageiros foi construído em 1931.[5]

Projecto de ligação à Nazaré[editar | editar código-fonte]

Em 1913, a câmara dos deputados autorizou a instalação de um caminho de ferro de Tomar à Nazaré, passando pelo Entroncamento; no entanto, as obras não chegaram a ser iniciadas, uma vez que entretanto tinha sido dada a concessão do Ramal de Tomar à autarquia de Tomar.[13]

Em 15 de Novembro de 1926, a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses apresentou ao estado uma proposta para construir um caminho de ferro de via estreita de Tomar à Nazaré, com um ramal para Leiria.[14]

Década de 1930[editar | editar código-fonte]

Em 7 de Maio de 1939, foi realizado um comboio especial de Lisboa a Tomar, para a festa anual de confraternização do antigo Batalhão de Sapadores de Caminhos de Ferro.[15][16]

Estação de Tomar, em 1990.

Décadas de 1950 a 1990[editar | editar código-fonte]

No âmbito do II Plano de Fomento, nas Décadas de 1950 e 1960[17] a Companhia dos Caminhos de Ferro Portugueses projectou a electrificação de vários troços, incluindo o Ramal de Tomar.[18]

Em Dezembro de 1992, a Associação Portuguesa dos Amigos dos Caminhos de Ferro realizou um serviço especial até Tomar, rebocado pela locomotiva a vapor 0187.[19]

Século XXI[editar | editar código-fonte]

Em 2009, a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor realizou um estudo sobre o atendimento nos balcões de várias gares ferroviárias, tendo a estação de Tomar sido avaliada como medíocre.[20]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre a Estação de Tomar

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. MARTINS et al, p. 257
  2. «Tomar - Ramal de Tomar». Infraestruturas de Portugal. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  3. «Tomar». Comboios de Portugal. Consultado em 29 de Novembro de 2014 
  4. «Linhas de Circulação e Plataformas de Embarque». Directório da Rede 2012. Rede Ferroviária Nacional. 6 de Janeiro de 2011. pp. 71–85 
  5. a b MARTINS et al, p. 129
  6. Comboios de Portugal (25 de setembro de 2016). «COMBOIOS REGIONAIS > Ramal de Tomar» (PDF). Consultado em 17 de novembro de 2016 
  7. AGUILAR, Busquets de (1 de Junho de 1949). «A Evolução História dos Transportes Terrestres em Portugal» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 62 (1475). p. 383-393. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  8. ROCHA, p. 36
  9. a b SILVA et al, p. 295
  10. ROCHA, p. 21
  11. MARTINS et al, p. 252
  12. a b TORRES, Carlos Manitto (16 de Fevereiro de 1958). «A evolução das linhas portuguesas e o seu significado ferroviário» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 70 (1684). p. 91-95. Consultado em 9 de Dezembro de 2014 
  13. MARQUES, p. 111
  14. MARTINS et al, p. 256
  15. «Batalhão de Sapadores de Caminhos de Ferro: A sua festa em Tomar» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1233). 1 de Maio de 1939. p. 238. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  16. Ornellas, Carlos de (16 de Maio de 1939). «O Batalhão de Sapadores de Caminhos de Ferro e a recepção que proporcionou aos Combatentes a Cidade de Tomar» (PDF). Gazeta dos Caminhos de Ferro. 51 (1234). p. 249-252. Consultado em 17 de Novembro de 2015 
  17. MARTINS et al, p. 267-269
  18. SARAIVA e GUERRA, p. 167
  19. «Concurso Fotografico». Maquetren (em espanhol). 4 (33). Madrid: A. G. B., s. l. 1995. p. I-V. ISSN 1132-2063 
  20. «Estações de comboio de Vila Franca de Xira chumbadas pela DECO». O Mirante. 1 de Outubro de 2009. Consultado em 3 de Março de 2016 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • MARQUES, Ricardo (2014). 1914: Portugal no Ano da Grande Guerra 1ª ed. Alfragide: Oficina do Livro - Sociedade Editora, Lda. 302 páginas. ISBN 978-989-741-128-1 
  • MARTINS, João; BRION, Madalena; SOUSA, Miguel; et al. (1996). O Caminho de Ferro Revisitado. O Caminho de Ferro em Portugal de 1856 a 1996. [S.l.]: Caminhos de Ferro Portugueses. 446 páginas 
  • ROCHA, Francisco Canais (2009). Para a História do Movimento Operário em Torres Novas. Durante a Monarquia e a I República (1862/1926). Torres Novas: Câmara Municipal. 221 páginas. ISBN 978-972-9151-72-9 
  • SARAIVA, José Hermano; GUERRA, Maria Luísa (1998). Diário da História de Portugal. 3. Lisboa: Difusão Cultural. 208 páginas. ISBN 972-274-8 Verifique |isbn= (ajuda) 
  • SILVA, Carlos; ALARCÃO, Alberto; CARDOSO, António (1961). A Região a Oeste da Serra dos Candeeiros. Estudo económico-agrícola dos concelhos de Alcobaça, Nazaré, Caldas da Rainha, Óbidos e Peniche. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. 767 páginas 

Leitura recomendada[editar | editar código-fonte]

  • GUIMARÃES, Vieira (2012) [1912]. A trilogia monumental de Alcobaça, Batalha, Thomar e o caminho de ferro. Tomar: Heart Books. 138 páginas. ISBN 978-989-98001-0-6 



Ícone de esboço Este artigo sobre uma estação, apeadeiro ou paragem ferroviária é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.