Feijão de Corda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
"Feijão de Corda"
Single de Daniela Mercury
do álbum Feijão com Arroz
Lançamento 1997
Formato(s) Airplay, CD single
Gravação 1996
Gênero(s) Axé
Duração 3:24
Gravadora(s) Epic
Composição Ramon Cruz
Produção Daniela Mercury, Tony Mola e Letieres Leite
Cronologia de singles de Daniela Mercury
"Minas com Bahia"
(1997)
"Trio Metal"
(1998)

"Feijão de Corda" é uma canção da cantora brasileira Daniela Mercury, gravada para seu quarto álbum de estúdio, Feijão com Arroz (1996).

Antecedentes e composição[editar | editar código-fonte]

De acordo com o compositor da canção, o baterista Ramon Cruz, disse que mostrou à artista o refrão da canção e que ela o pediu que a concluísse. Ela então foi produzida pela própria cantora, em conjunto com Tony Mola e Letieres Leite. A canção é descrita como "um samba de roda numa sonoridade tipicamente nordestina" que deriva da sonoridade dos pífaros de Letieres, pelo flautista da orquestra sinfônica da Bahia, Tota Portela, e pelo acordeom de Cicinho. A percussão, também bastante presente na canção, bem como o violão de doze cordas, reflete a temática da letra numa analogia do feijão de corda e feira, com o amor.[1]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

A jornalista Camille Paglia, escrevendo para a revista Salon, disse que "Feijão de Corda" era uma linda canção.[2]

Vídeo musical[editar | editar código-fonte]

O vídeo musical acompanhante de "Feijão de Corda" foi dirigido por Gringo Cardia, com figurinos de Alexandre Herchcovitch e coreografia de Deborah Colker. Foi gravado em meados de dezembro de 1997 num cais abandonado do Rio de Janeiro, e lançado em janeiro de 1998, e orçado em R$ 60 mil. Sobre a coreografia elaborada por Colker, Mercury disse: "São elementos que não conheço tanto. Deborah deu uma interpretação nova, irreverente, coloquial para essa música repleta de elementos nordestinos".

O clipe mistura elementos urbanos ao universo nordestino das festas populares. "É como se fosse um ensaio de um espetáculo de dança", disse o diretor Gringo Cardia. O diretor buscou inspiração na tela de Di Cavalcanti "As Mulatas" para elaborar o vídeo. Praticamente monocromático no início, o clipe apresentará uma explosão de cores no final. "Tem muitas frutas e colorido, como nas feiras e festas populares nordestinas".

No último dia, Deborah Colker não conseguiu chegar a tempo para a gravação. Chegou-se a pensar em adiar as filmagens, mas a cantora insistiu e a gravação foi terminada. No início do vídeo, a cantora aparece dançando sozinha. Depois, no que seria uma espécie de ensaio geral, ela dança acompanhada por 20 mulheres.[3]

Posições[editar | editar código-fonte]

Parada (1997) Maior
posição
 Brasil—Hot 100 Brasil 8

Referências

  1. «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 11 de agosto de 2015. Arquivado do original (PDF) em 20 de fevereiro de 2015 
  2. http://www.salon.com/2008/08/13/mercury_2/
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 9 de agosto de 2015. Arquivado do original em 3 de março de 2016