Ferhat Abbas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Presidente da  Argélia
Ferhat Abbas - algerischer Staatspräsident.jpg
No cargo
Ferhat Abbas
Designado por
como 1o presidente do GPRA
Duração Entre 9 de agosto de 1961 e 3 de julho de 1962
Criado em 9 de agosto de 1961
Sucessão Benyoucef Benkhedda (como presidente do executivo argelino)

Ferhat Abbas (24 de outubro de 1889, Taher † 23 de dezembro de 1985) foi um político argelino e o 1o presidente do Governo Provisório da República Argelina entre 9 de agosto de 1961 e 3 de julho de 1962.

Fundador da Frente de Libertação Nacional (F.N.L.) em 1956 é depois de presidente do Governo Provisório da República Argelina (GPRA) e da subsequente independência do país, eleito como presidente da Assembleia nacional constituinte, pelo que é o 1o presidente da República Democrática e Popular da Argélia (em francês: République algérienne démocratique et populaire)

Biografia[editar | editar código-fonte]

De uma família modesta de Cabilas a Sul de Taher, tem uma formatura em farmácia (1933) na faculdade de Argel. Enquanto estudante funda a Amical dos estudantes muçulmanos da África do Norte. Em 1930 é eleito presidente União nacional dos estudantes da França durante o congresso em Argel em 1630.

Luta pela independência[editar | editar código-fonte]

Ferhat Abbas é de início favorável a uma política de assimilação, e milita com o Movimento da juventude argelina que reclama a igualdade de direitos no contexto da soberania francesa. Em 1931 publica Le Jeune Algérien onde fala dos problemas da luta contra o colonialismo para assegurar as boas relações entre a França e os muçulmanos [1].

Voluntário no exército francês durante a Segunda Guerra Mundial, envia uma carta ao Marechal Pétain, chefe do regime de Vichy, relatório intitulado L'Algérie de demain onde chama a atenção sobre a sorte dos indígenas muçulmanos e reclama prudentemente reformas [2].

Em 10 de fevereiro de 1943 publica um manifesto muito mais forte pedindo a um novo estatuto para a Argélia. O Manifeste du peuple algérien é assinado por 20 eleitos muçulmanos onde se demonstra o fracasso da política adoptada na Argélia pelo governo da III República Francesa [3]. alguns consideram este documento como estando na base do movimento criador do GPRA. Em 1944 cria o hebdomadário Égalité que baseando-se no lema da França, tem como sub-título Égalité des hommes - Égalité des races - Égalité des peuples.

Em 1955 entra para o Frente de Libertação Nacional (FLN) e membro do Conseil national de la révolution algérienne. Depois dos Acordos de Évian ele é o 1o presidente do Governo Provisório da República Argelina entre 9 de agosto de 1961 e 3 de julho de 1962.

Democrata[editar | editar código-fonte]

Depois da independência da Argélia e da oposição entre o GPRA de Benyoucef Benkhedda e o escritório político do FLN, liga-se aos partidários de Ben Bella, mesmo se está em desacordo com o princípio de em partido único. Sucéde a Abderrahmane Farès, presidente do executivo provisório, e é eleito da 1ra Assembleia Nacional Constituinte (ANC) por 155 votos contra 36 brancos ou nulos, d la première Assemblée nationale constituante (ANC) tendo as funções de chefe de Estado a título provisório. A 25 de setembro de 1962, proclama o nascimento da la naissance de la République algérienne démocratique et populaire [4].

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. BNF: Le Jeune Algérien (em francês) Visitado: Mar. 2014
  2. BNF: La France coloniale. (em francês) Visitado: Mar. 2014
  3. Hrodote (em francês) Visitado: Mar. 2014
  4. JORA (em francês) Visitado: Mar. 2014