GStreamer

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Gstreamer
Gstreamer-logo.svg
Desenvolvedor Time de desenvolvedores do Gstreamer
Versão estável 1.16.2[1] (3 de dezembro de 2019; há 9 meses)
Sistema operacional Multiplataforma
Gênero(s) Multimídia
Licença GNU LGPL
Página oficial gstreamer.freedesktop.org

GStreamer é um framework para desenvolvimento de aplicações que lidam com streams multimedia, como áudio e vídeo. Foi escrito em linguagem C e é baseado em GObject. O GStreamer provê o serviço de multimedia dos aplicativos (software), como editores de vídeo, streaming de mídia e media players. É um framework multiplataforma, sendo possível utilizá-lo sobre Linux (x86, PowerPC e ARM), Solaris (x86 e SPARC), Mac OS X, Microsoft Windows e OS/400. GStreamer é software livre, licenciado sob GNU GPL.

O ambiente de desktop GNOME é o utilizador original da tecnologia GStreamer, sendo incluído desde a versão 2.2 (atualmente na versão 3.34). GStreamer é também utilizado em dispositivos embarcados como Maemo da Nokia, para aparelhos Nokia N800.

História e desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

O projeto foi fundado em 1999 por Erik Walthinsen e por vários outros contribuidores. Wim Taymans entrou no projeto e expandiu vários aspectos do sistema. A logomarca do GStreamer foi desenhado por Brock A. Frazier, trabalhando para uma companhia de Linux chamada RidgeRun, a primeira empresa a patrocinar o desenvolvimento do GStreamer.

O GStreamer está hospedado no projeto freedesktop.org, que provê interoperabilidade compartilhamento de tecnologias entre ambientes de desktops livres. GStreamer é hoje mantido por Wim Taymans.

Plugins[editar | editar código-fonte]

GStreamer utiliza uma arquitetura de plugins que faz com que o GStreamer funcione com as mais diversas bibliotecas de mídia, como MP3, FFmpeg e outras. Bindings também estão implementados provendo interfaces com linguagens de programação como Python, C++, Perl, GNU Guile, Ruby e Rust.[2]

Críticas[editar | editar código-fonte]

GStreamer foi criticado por desenvolvedores do KDE por não oferecer uma interface binária de aplicativos estável que garanta manutenibilidade. Os desenvolvedores afirmam que a falta de uma interface binária de aplicativos estável tornaria GStreamer uma plataforma multímídia inadequada para o KDE4 e poderiam impedir sua inclusão no Linux Standard Base. Os desenvolvedores do KDE desenvolveram então Phonon, um wrapper para diversos frameworks, incluindo GStreamer[3].

Aplicativos que utilizam GStreamer[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «GStreamer 1.16 Release Notes». 3 de dezembro de 2019. Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  2. «GStreamer: Bindings». Consultado em 12 de janeiro de 2020 
  3. Scott Wheeler (11 de maio de 2006). «Multimedia Frameworks Yesterday, Today, Tomorrow». Consultado em 12 de janeiro de 2020. Arquivado do original em 17 de julho de 2011 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]