Glauce Rocha

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Junho de 2012). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Glauce Rocha
Nascimento 16 de agosto de 1930
Campo Grande,  Mato Grosso
(hoje  Mato Grosso do Sul)
Nacionalidade  brasileira
Morte 12 de outubro de 1971 (41 anos)
São Paulo,  São Paulo
IMDb: (inglês)

Glauce Rocha (Campo Grande, 16 de agosto de 1930São Paulo, 12 de outubro de 1971) foi uma atriz brasileira.

Segundo sua sobrinha, Leonora Rocha, a data de seu nascimento é discutida: "Há uma história de que minha avó teria modificado a data de nascimento para que Glauce pudesse entrar mais cedo na escola".

Seus pais eram Leopoldino de Araújo Rocha, soldado que veio de Alagoas muito jovem, e Edelweiss Ilgenfritz Rocha, gaúcha que foi criada em Campo Grande. Se casaram em Campo Grande e tiveram cinco filhos, dois homens e três mulheres, sendo Glauce a caçula. No colégio Júlio de Castilhos teve como colega de sala o futuro ator Walmor Chagas. No Conservatório Nacional de Teatro teve aulas com Esther Leão, Maria Clara Machado e Luísa Barreto Leite. Começou apresentando peças teatrais infantis. No início, entre 1950 e 1951, era uma das integrantes do Grupo Os Fabulosos. Sua primeira aparição profissional no teatro foi com a Companhia de Teatro de Alda Garrido, em 1952, no Rio de Janeiro. Interpretou Rosinha na peça Madame Sans Gene. O filme Rio, 40 graus, de Nelson Pereira dos Santos(1955), do qual ela participou, foi proibido em todo o território nacional pelo conteúdo "comunista". E ficou gravada uma frase de Glauce, dita ao coronel Meneses Cortes, responsável pela proibição do filme:

- "Olha, o Sr. me dá licença de acreditar na natureza humana?".

Sua preocupação constante com a saúde tornou-se mais acentuada após a morte da mãe, menos de um ano antes da sua. Glauce passou a colecionar tudo o que falasse sobre enfarte do miocárdio. E esse foi o mal que a levou precocemente, aos 40 anos. Ou 38, como alguns afirmam. Seu último trabalho foi na novela Hospital, na TV Tupi, que ela não chegou a concluir. Na trama ela era a personagem Helena e sua personagem desapareceu da trama. Faleceu às 17h15 do dia 12 de outubro de 1971, na Unidade Cardiológica da Alameda Santos, em São Paulo. Os jornais deram como causa da morte o excesso de trabalho. O corpo de Glauce foi velado em São Paulo mas sepultado em Campo Grande, conforme seu desejo.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Filmes
Ano Título Papel Notas
1950 Aviso aos Navegantes Figurante [1]
1952 Aventura no Rio
Com o Diabo no Corpo
1954 Rua sem Sol Marta [2]
1955 Rio, 40 Graus Rosa
1957 O Noivo da Girafa Inezita
1958 Traficantes do Crime
1959 Helena Inacabado
É um Caso de Polícia[3] Belinha Lançado em 2016 no Festival do Rio
1961 Mulheres e Milhões
1962 Cinco Vezes Favela
Os Cafajestes
Quatro Mulheres para um Herói
Sol sobre a Lama
1963 Marafa Inacabado
1964 O beijo Moça na boate
1966 Engraçadinha depois dos Trinta
A Derrota
1967 Terra em Transe Sara
1968 Jardim de Guerra
Na Mira do Assassino
1969 Tempo de Violência
Incrível, Fantástico, Extraordinário
1970 A Navalha na Carne Norma Suely
Roberto Carlos e o Diamante Cor-de-rosa
O Dia Marcado
1971 Um Homem sem Importância Selma
1972 Cassy Jones, o Magnífico Sedutor Frida

Trabalhos na televisão[editar | editar código-fonte]

Telenovelas
Ano Título Papel
1971 Hospital Helena
1970 Irmãos Coragem Estela
1969 Véu de Noiva Helena
Rosa Rebelde
A Última Valsa Kathy
1968 Passo dos Ventos Bárbara
1966 A Noiva do Passado
1964 Casa de Bonecas [4]
1961 Adeus às Armas
1959 Cabocla Zuca
1958 O Jovem Dr. Ricardo

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Uma Ponte Sobre O Pântano- 1971
  • O Exercício- 1969
  • Um Uísque Para o Rei Saul- 1968- Prêmio Moliére de melhor Atriz
  • A Agonia do Rei-1968
  • Amor por Anexis- 1967
  • Perto do Coração Selvagem- 1965
  • Electra- 1965
  • Terror e Miséria no III Reich- 1963
  • Doce Pássaro da Juventude- 1960
  • As Três Irmãs- 1960
  • A Beata Maria do Egito- 1959
  • A Cantora Careca- 1958
  • A Lição-1958

Referências

  1. Cinemateca Brasileira, Aviso aos navegantes [em linha]
  2. Cinemateca Brasileira, Rua Sem Sol [em linha]
  3. Nunca lançado filme inédito ganha restauro
  4. SILVA, Jane Pessoa da. Ibsen no Brasil. Historiografia, seleção de textos críticos e Catálogo Bibliográfico. São Paulo: USP, 2007. p. 616

Ligações externas[editar | editar código-fonte]