Google Fuchsia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Fuchsia
Logótipo
Linguagem C, C++, Dart, Go, Python, Rust, shell script, TypeScript
Modelo Livre
Lançamento 25 de maio de 2021 (1 ano)
Versão estável Fuchsia 1.0
25 de maio de 2021; há 20 meses

Fuchsia é um sistema operacional atualmente sendo desenvolvido pelo Google.[1] Ao contrário de sistemas operacionais anteriores desenvolvidos pelo Google, como o Chrome OS e o Android, que são baseados no kernel Linux, Fuchsia é baseado em um novo microkernel chamado Zircon (o nome anterior era Magenta),[2] derivado do Little Kernel,[3] que foi destinado para sistemas embarcados e é principalmente escrito em C.[4] Fuchsia foi projetado para ser executado em uma infinidade de dispositivos, incluindo telefones celulares e computadores pessoais.[5]

Uso[editar | editar código-fonte]

O sistema é usado nos seguintes aparelhos: tablet Acer Switch Alpha 12, Google Pixelbook, e no Mini PC Intel NUC.[6]

Referências

  1. Price, Rob (15 de agosto de 2016). «Google is building a new operating system». Business Insider (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2022 
  2. Lopez, Napier (13 de agosto de 2016). «Google is secretly creating a new OS that's not based on Linux». TNW (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2022 
  3. The Little Kernel Embedded Operating System, littlekernel, 21 de outubro de 2022, consultado em 25 de outubro de 2022 
  4. Armasu, Lucian (15 de agosto de 2016). «Google Is Building A New Operating System From Scratch: 'Fuschia'». Tom's Hardware (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2022 
  5. Fingas, Jon (13 de agosto de 2016). «Google's Fuchsia operating system runs on virtually anything». Engadget (em inglês). Consultado em 25 de outubro de 2022 
  6. Cabral, Isabela (1 de julho de 2019). «Google lança site do Fuchsia OS, sistema que pode substituir Android». TechTudo. Consultado em 25 de outubro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]