Hélio de Oliveira Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hélio de Oliveira Santos
Dr. Hélio
Prefeito de Campinas Flag of Campinas.svg
Período 1º de janeiro de 2005 até
20 de agosto de 2011 [1]
(2 mandatos consecutivos)
Antecessor(a) Izalene Tiene [2]
Sucessor(a) Demétrio Vilagra[3]
Vida
Nascimento 6 de setembro de 1950 (66 anos)
Corumbá, MS
Dados pessoais
Cônjuge Rosely Nassim Jorge dos Santos
Partido PDT

Hélio de Oliveira Santos, também conhecido como Doutor Hélio (Corumbá, 6 de setembro de 1950), é um médico e político brasileiro, filiado ao Partido Democrático Trabalhista (PDT). Em 2005, foi Prefeito da cidade de Campinas, sendo cassado em 2011 pela Câmara Municipal de Campinas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Viveu em Corumbá até 1966, quando se mudou com seu pai, Manoel Belmiro dos Santos, (já era órfão de sua mãe, Dirce) e mais um irmão. A viagem foi feita de trem, da extinta Noroeste do Brasil até Bauru. A família migrou para Campinas.[carece de fontes?]

Estudou Medicina na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tornou-se cirurgião-pediatra e criou, em 1985, o Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami).[carece de fontes?]

Foi professor de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) e publicou diversos livros sobre saúde de crianças.[4]

Política[editar | editar código-fonte]

Partiu para a política partidária. Pertenceu ao PMDB[5] antes de migrar para o PDT e se eleger deputado federal por dois mandatos seguidos, entre 1999 e 2004. Neste ano, se candidatou a prefeito de Campinas, elegendo-se no 2º turno.[6] Reeleito em 2008, permaneceu no cargo até o dia 20 de agosto de 2011, quando foi cassado pela Câmara Municipal de Campinas sob suspeita de corrupção.[7] Sua esposa, Rosely Nassim Jorge dos Santos, que fora sua chefe de gabinete, é acusada de ser uma das principais responsáveis em esquema de cobrança de propinas na prefeitura.[8]

Denunciado pelo MPF[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2016, o Ministério Público Federal denunciou Hélio de Oliveira Santos por lavagem de dinheiro. De acordo com o MPF, Dr Hélio foi beneficiado em aproximadamente R$ 4,2 milhões, obtidos a partir de um empréstimo fraudulento feito pelo Banco Schahin ao pecuarista José Carlos Bumlai. O empresário retirou ao total R$ 12 milhões, junto à instituição financeira, mas nunca pagou a quantia.[9]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças acidentadas. Campinas, SP: Papirus, 1988. 91 p. ISBN 8530800095
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças espancadas. Campinas, SP: Papirus, 1987. 132 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças violadas. Brasília, DF: CBIA : CRAMI, 1991. 114 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças esquecidas. Campinas, SP: Pontes, 1995. 127 p. ISBN 8571131015
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Naves-mãe e a pedagogia dos sentidos: de Campinas, novos paradigmas para a educação infantil no Brasil. Campinas, SP: Komedi, 2010. 143 p. ISBN 9788575825808

Referências

  1. Site da Prefeitura de Campinas, Equipe de Governo [em linha]
  2. Diário Oficial da Prefeitura de Campinhas, dia 16 de dezembro de 2004 [em linha]
  3. «Demétrio assume prefeitura com missão de criar imagem própria». EPTV.com. Globo.com. Consultado em 20 de agosto de 2011. 
  4. «Bilioteca PUC Campinas». PUC Campinas. Consultado em 22 de abril de 2013. 
  5. Câmara dos Deputados
  6. Folha UOL
  7. «Prefeito Hélio é cassado por 32 votos a 1 na Câmara». rac.com.br. Consultado em 20-08-2011. 
  8. Veja.com
  9. «Ex-prefeito de Campinas é denunciado na Operação Lava Jato». G1. Globo.com. 18 de outubro de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Izalene Tiene
Prefeito de Campinas
Campinas.

2005-2011
Sucedido por
Demétrio Vilagra
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.