Hélio de Oliveira Santos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Hélio de Oliveira Santos
Dr. Hélio
Prefeito de Campinas Flag of Campinas.svg
Período 1º de janeiro de 2005 até
20 de agosto de 2011 [1]
(2 mandatos consecutivos)
Antecessor Izalene Tiene [2]
Sucessor Demétrio Vilagra[3]
Dados pessoais
Nascimento 6 de setembro de 1950 (68 anos)
Corumbá, MS
Cônjuge Rosely Nassim Jorge dos Santos
Partido PHS

Hélio de Oliveira Santos, também conhecido como Doutor Hélio (Corumbá, 6 de setembro de 1950), é um médico e político brasileiro, filiado ao Partido Humanista da Solidariedade (PHS). Em 2005, foi Prefeito da cidade de Campinas, sendo cassado em 2011 pela Câmara Municipal de Campinas.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Viveu em Corumbá até 1966, quando se mudou com seu pai, Manoel Belmiro dos Santos, (já era órfão de sua mãe, Dirce) e mais um irmão. A viagem foi feita de trem, da extinta Noroeste do Brasil até Bauru. A família migrou para Campinas.[carece de fontes?]

Estudou Medicina na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), tornou-se cirurgião-pediatra e criou, em 1985, o Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância (Crami).[carece de fontes?]

Foi professor de Medicina da Pontifícia Universidade Católica de Campinas (PUC Campinas) e publicou diversos livros sobre saúde de crianças.[4]

Política[editar | editar código-fonte]

Partiu para a política partidária. Pertenceu ao PMDB[5] antes de migrar para o PDT e se eleger deputado federal por dois mandatos seguidos, entre 1999 e 2004. Neste ano, se candidatou a prefeito de Campinas, elegendo-se no 2º turno.[6] Reeleito em 2008, permaneceu no cargo até o dia 20 de agosto de 2011, quando foi cassado pela Câmara Municipal de Campinas sob suspeita de corrupção.[7] Sua esposa, Rosely Nassim Jorge dos Santos, que fora sua chefe de gabinete, é acusada de ser uma das principais responsáveis em esquema de cobrança de propinas na prefeitura.[8]

Denunciado pelo MPF[editar | editar código-fonte]

Em outubro de 2016, o Ministério Público Federal denunciou Hélio de Oliveira Santos por lavagem de dinheiro. De acordo com o MPF, Dr Hélio foi beneficiado em aproximadamente R$ 4,2 milhões, obtidos a partir de um empréstimo fraudulento feito pelo Banco Schahin ao pecuarista José Carlos Bumlai. O empresário retirou ao total R$ 12 milhões, junto à instituição financeira, mas nunca pagou a quantia.[9]

Livros publicados[editar | editar código-fonte]

  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças acidentadas. Campinas, SP: Papirus, 1988. 91 p. ISBN 8530800095
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças espancadas. Campinas, SP: Papirus, 1987. 132 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças violadas. Brasília, DF: CBIA : CRAMI, 1991. 114 p.
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Crianças esquecidas. Campinas, SP: Pontes, 1995. 127 p. ISBN 8571131015
  • SANTOS, Helio de Oliveira. Naves-mãe e a pedagogia dos sentidos: de Campinas, novos paradigmas para a educação infantil no Brasil. Campinas, SP: Komedi, 2010. 143 p. ISBN 9788575825808

Referências

  1. Site da Prefeitura de Campinas, Equipe de Governo [em linha]
  2. Diário Oficial da Prefeitura de Campinhas, dia 16 de dezembro de 2004 [em linha]
  3. «Demétrio assume prefeitura com missão de criar imagem própria». EPTV.com. Globo.com. Consultado em 20 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  4. «Bilioteca PUC Campinas». PUC Campinas. Consultado em 22 de abril de 2013 
  5. Câmara dos Deputados
  6. Folha UOL
  7. «Prefeito Hélio é cassado por 32 votos a 1 na Câmara». rac.com.br. Consultado em 20 de agosto de 2011 [ligação inativa]
  8. Veja.com
  9. «Ex-prefeito de Campinas é denunciado na Operação Lava Jato». G1. Globo.com. 18 de outubro de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Izalene Tiene
Prefeito de Campinas
Campinas.

2005-2011
Sucedido por
Demétrio Vilagra
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.