HMS Ocean (L12)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
HMS Ocean
Apache Helicopter Takes off from HMS Ocean During Operation Ellamy MOD 45153052.jpg
O HMS Ocean durante a Operação Ellamy.
Carreira Naval Ensign of the United Kingdom.svg
Operador Reino Unido Marinha Real Britânica
Fabricante Vickers Shipbuilding & Engineering, Kvaerner Govan
Barrow-in-Furness, Inglaterra
Lançamento 11 de outubro de 1995
Comissionamento 30 de setembro de 1998
Estado Em serviço
Características gerais
Classe Porta-helicóptero de assalto anfíbio
Tonelagem 21 500 t
Largura 35 m
Comprimento 203,4 m
Calado 6,5 m
Propulsão 2x motores Crossley Pielstick 12 cilindros
Velocidade 19 km/h (cruzeiro)
33 km/h (máxima)
Autonomia 13 000 km
Armamento 4× metralhadoras 30mm DS30M Mk2
Phalanx CIWS
Miniguns
metralhadoras menores
Sensores Radar Type 997 Artisan 3D
Radar Type 1008 Navigational
2× Radares Type 1007 de controle aéreo
Aeronaves até 18 helicópteros
Tripulação 285 oficiais e marinheiros
180 pessoal de voo (FAA/RAF)
Carga 40 veículos
830 soldados

O HMS Ocean é um navio de assalto anfíbio, de tipo porta-helicópteros, da Marinha Real do Reino Unido.[1] Foi projetado para operações navais anfíbias, com enfase em desembarque de tropas (principalmente os Royal Marines) e apoio com aeronaves leves (helicópteros de ataque e transporte). Foi construído em meados dos anos 90 pela Kvaerner Govan e completado pela VSEL em Barrow-in-Furness. Foi comissionado em setembro de 1998 e opera a partir do porto de HMNB Devonport, em Plymouth, e deverá ser retirado do serviço ativo em 2018.[2]

No seu histórico de serviço, consta ações humanitárias no Kosovo e na América Central. No ano 2000, participou da Operação Palliser, a intervenção britânica na Guerra Civil de Serra Leoa. Logo em seguida, foi para o Oriente Médio, no grupo de combate do HMS Illustrious e viu serviço na Guerra do Iraque (Operação Telic). Em 2009, foi deslocado para a Ásia, sendo que no ano seguinte, prestou ajuda durante as erupções do Eyjafjallajökull. Em 2011, por sua vez, participou da Operação Unified Protector, durante a intervenção militar na Guerra Civil Líbia. No ano seguinte, retornou para a Inglaterra e passou por reformas e posteriormente participou de exercícios navais com nações aliadas.[2]

O comando da marinha britânica tinha anunciado a aposentadoria do navio para 2018, sem um substituto imediato.[3] Em 2017, o Brasil anunciou intenções de comprar a embarcação. O Reino Unido colocou o preço do navio em £ 80,3 milhões de libras (ou US$ 105,8 milhões de dólares), oferta que o governo brasileiro chamou de "conveniente".[4] No mesmo mês, a Turquia também havia demostrado interesse.[5] Em dezembro de 2017, o Ministério da Defesa do Brasil entrou em negociações formais para comprar o HMS Ocean por R$ 350 milhões de reais, com o intuito de substituir o aposentado NAe São Paulo (A12).[6]

Referências

  1. «HMS Ocean to assume Fleet Flagship role». Royal Navy. 27 de maio de 2015 
  2. a b «HMS Ocean (L12) Amphibious Assault Vessel / Landing Helicopter Platform». Militaryfactory.com. Consultado em 7 de dezembro de 2017 
  3. «Royal Navy's Helicopter Assault Carrier Ocean To Be Decommissioned». Defense News. 27 de novembro de 2015 
  4. "Proposed sale price of HMS Ocean to Brazil revealed". Página acessada em 6 de dezembro de 2017.
  5. «Turkey emerges as potential buyer of UK helicopter carrier HMS Ocean». Naval Today. 15 de novembro de 2017. Consultado em 18 de novembro de 2017. Arquivado do original em 18 de novembro de 2017 
  6. «Marinha brasileira decide comprar navio de ataque por R$ 350 mi». Exame.com.br. Consultado em 6 de dezembro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.