Hans Holbein, o Jovem

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hans Holbein, o Jovem

Hans Holbein, o jovem (em alemão: Hans Holbein der Jüngere) (Augsburgo, 1497 ou 1498Londres, 29 de novembro de 1543) foi um pintor alemão, um dos mestres do retrato no Renascimento e desenhista de xilogravuras, vidrarias e peças de joalharia.

Suas principais áreas de atuação artísticas foram as regiões das atuias Alemanha, Suíça e Inglaterra. Estava a caminho de se tornar o mais eminente mestre dos países de fala alemã quando o turbilhão da Reforma põs fim a todas as esperanças.

As regiões onde atuou foi caracterizado pelos embates entre a Igreja Católica e pelos grupos que condenavam algumas práticas empregadas pela Igreja na época. Trata-se, portanto, do contexto da Reforma, que foi mais explícita nas regiões do norte da Europa, principalmente na região das atuais Alemanha e Holanda. Também é importante destacar que na Inglaterra, durante o reinado de Henrique VIII, aconteceu uma ruptura religiosa quando foi instituído o Anglicanismo e realizado um novo casamento do rei Henrique com Ana Bolena. Um detalhe interessante a ser destacado: o ano de produção da obra Os embaixadores é o mesmo do segundo casamento do rei Henrique.

Diante disso, pode-se dizer que o principal mecenas de Hans Holbein foi a Casa Real inglesa, durante o reinado de Henrique VIII,onde permitiria viver e trabalhar. Suas principas obras foram: Os embaixadores, Retrato de mulher, Henrique VIII, Retrato de um mercador Hanseático, entre outras.

Vida e obra[editar | editar código-fonte]

Nasceu em Augsburgo e desde muito pequeno estudou pintura com seu pai Hans Holbein, o Velho, reconhecido artista dentro da tradição flamenga, notável por seu retratos. Até 1515 Holbein, o Jovem se instalou em Basileia, Suíça, onde trabalhou como ilustrador de livros, realizando xilogravuras para as portadas de várias obras e uma série de esboços a tinta para O elogio da loucura de Erasmo de Roterdão.

Influência do Renascimento italiano[editar | editar código-fonte]

El Cristo Sepultado de HansHolbein

Em 1518, numa viagem à Itália, descobriu as obras dos pintores do Renascimento italiano Andrea Mantegna e Leonardo da Vinci. O impacto destes e outros artistas sobre a obra de Holbein pode observar-se no modelado e na composição renascentistas de um de seus primeiros retratos, Erasmo de Roterdão (1523, Museu do Louvre), em seu famoso "Cristo morto", na paixão (ambos no Kunstmuseum de Basileia) e no retábulo "A Virgem do burgomestre Meyer" (Palácio Ducal de Darmstadt, Alemanha), todos eles realizados entre 1519 e 1526. Nas ditas obras, se aprecia uma soltura no desenho e uma riqueza cromática características das obras dos mestres do norte da Itália. Em suas obras religiosas, Holbein uniu esta riqueza de detalhes e cores com a dignidade e a severidade na caracterização próprias de temas religiosos.

A Inglaterra[editar | editar código-fonte]

Vendedor ambulante (1538)

Em 1532 voltou para a Inglaterra, onde começou sua carreira com pintor de retratos. O retrato do estadista Thomas Cromwell torná-lo-ia famoso e em 1536 foi designado pintor da corte por Henrique VIII. Outros retratos famosos foram os das esposas de Henrique VIII, entre elas Jane Seymour e de seu filho Eduardo VI de Inglaterra. Morreu em Londres em 1543 durante uma epidemia de peste. tenta-se ser sepultado em St Katherine Cree Churchyard, Londres, Grande Londres na Inglaterra.[1]

A pintura do Cristo Morto exerceu forte influência sobre Fiódor Dostoyevski, tanto que o inspirou a escrever seu romance O Idiota.

Referências

Ver também[editar | editar código-fonte]

Portal.svg Portal biografias