Helena Lopes da Silva

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Helena Lopes da Silva
Nascimento 1949
Cabo Verde
Morte 8 de setembro de 2018 (69 anos)
Lisboa
Alma mater Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa
Ocupação política, cirurgiã, feminista, ativista de direitos humanos
Prêmios Ordem de Amilcar Cabral - Cabo Verde
Empregador Hospital de Santa Maria, Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa

Helena Lopes da Silva (Cabo Verde, 30 de janeiro de 1949Lisboa, 8 de setembro de 2018) foi uma médica cirurgiã, lutadora pela libertação de ex-colónias portuguesas, militante feminista, fundadora do Bloco de Esquerda e a primeira mulher negra como cabeça de lista a eleições em Portugal.[1]

Percurso[editar | editar código-fonte]

Nascida em Cabo Verde, no seio de uma família de pequena-média burguesia, Helena permaneceu no país até ao equivalente ao actual 11º ano de escolaridade. Em 1967, mudou-se para Portugal a fim de entrar na universidade.[2][3]

Helena iniciou o seu percurso político quando emigrou para Portugal. No Porto, integrou-se no meio estudantil, tendo-se aproximado de um grupo trotskista e passado a participar de reuniões onde se discutia a luta pela libertação das colónias portuguesas, onde se promovia a formação política e se falava de relações de produção, classes sociais e proletariado. Passou a ter formação sobre a luta de libertação nacional cabo-verdiana.[2]

Após dois anos no Porto mudou-se para Lisboa para se aproximar dos seus colegas cabo-verdianos. Ao chegar à capital portuguesa foi integrada no PAIGC - Partido Africano para a Independência de Guiné e Cabo Verde, uma organização clandestina durante o Estado Novo.[2]

Helena foi membro da Liga Comunista Internacionalista e do Partido Socialista Revolucionário e, em ambos, Helena continuou a luta pelas causas feministas. Ativista pelos direitos das mulheres e pelo direito à interrupção voluntária da gravidez, participou na criação da Campanha Nacional pelo Aborto e Contracepção (CNAC), no grupo “Ser mulher”, no Movimento pelo Sim à Despenalização do Aborto e no movimento Médicos pela Escolha.[2]

Em 1994, Helena liderou a candidatura do PSR às eleições europeias, o que a tornou a primeira cabeça de lista negra em eleições em Portugal. A sua campanha trouxe visibilidade às questões do racismo e da xenofobia em Portugal e na Europa.

Em 1999, foi uma das fundadoras do Bloco de Esquerda[2] [4], entre as 248 pessoas que subscreveram a declaração fundadora do partido.[5]

Helena fez parte do Conselho de Estado de Cabo Verde[2][4], tendo entrado a convite do Presidente Jorge Carlos Fonseca. [6]

A par do seu percurso político, Helena licenciou-se em Medicina em 1974-75 pela Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa e realizou cirurgia geral no período de 1981 a 1987. [6]  Tornou-se Mestre em Gestão da Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública da Universidade Nova de Lisboa.[2]

Entre 1982 e 1983, a convite da Direção da Escola de Enfermagem Calouste Gulbenkian, lecionou a Cadeira de Patologia Médico-Cirúrgica, tendo ainda sido Assistente Convidada de Cirurgia da Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa entre 1981 e ­2016. Foi ainda Assistente Graduada de Cirurgia no Hospital de Santa Maria (1998-­2016) e chefiou a Equipa de Consulta Externa de Cirurgia 1 durante 20 anos. [2]

Enquanto professora na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, Helena coordenou um curso de suturas, organizado por estudantes, em período extracurricular, o "Workshop de Suturas AEFMUL", que continuou a coordenar em regime pro-bono mesmo depois de se reformar.[7]

Foi membro do Colégio de Especialidade de Cirurgia da Ordem dos Médicos de Portugal desde 1993 [6] [2] e também se manteve em contacto permanente e colaborou com a Ordem dos Médicos Cabo-Verdianos e com o sistema de saúde do país.[8]

Reconhecimentos[editar | editar código-fonte]

  • Em 2015, foi condecorada com o Segundo Grau da Ordem Amílcar Cabral pelo Presidente da República de Cabo Verde.[2]

Referências

  1. «Fundadora do BE Helena Lopes da Silva morreu este sábado aos 69 anos - DN». www.dn.pt. Consultado em 7 de novembro de 2020 
  2. a b c d e f g h i j «Helena Lopes da Silva (1949-2018)». Esquerda. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  3. «Mulheres de Abril: Testemunho de Helena Lopes da Silva (1949-2018)». Esquerda. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  4. a b «Helena Lopes da Silva, fundadora do Bloco de Esquerda, morre aos 69 anos». www.cmjornal.pt. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  5. «Os 20 momentos marcantes da história do Bloco - DN». www.dn.pt. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  6. a b c SAPO. «Faleceu hoje em Lisboa a médica cirurgia Helena Lopes da Silva, membro do Conselho da República». SAPO Notícias. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  7. «Helena Lopes da Silva: a professora altruísta - DN». www.dn.pt. Consultado em 28 de outubro de 2019 
  8. «Presidente de Cabo Verde lamenta perda de "uma das maiores referências da comunidade em Portugal"». Esquerda. Consultado em 28 de outubro de 2019