Henrique de Borgonha, conde de Portucale

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Henrique de Borgonha
Conde de Portucale
Conde de Portucale
Reinado c. 1096
a 12 de maio de 1112
Doação do condado c. 1096
Predecessor Raimundo de Borgonha (enquanto Conde da Galiza, englobando os territórios Portucalenses)
Sucessor Afonso Henriques (regência de Teresa de Leão na sua menoridade)
Cônjuge Teresa de Leão
Descendência
Urraca Henriques
Sancha Henriques
Teresa Henriques
Henrique
Afonso Henriques
Pedro Henriques
Casa Borgonha, ramo cadete da Dinastia Capetiana
Pai Henrique de Borgonha
Mãe Sibila da Borgonha
Nascimento 1066
Dijon
Morte 24 de abril de 1112 (46 anos)
Astorga
Enterro Sé de Braga
Religião Católica Apostólica Romana

Henrique de Borgonha conhecido em Portugal por Conde D. Henrique (1066Astorga, 12 de maio de 1112) foi conde de Portucale desde 1093 até à sua morte.

Pertencia à família ducal da Borgonha, sendo filho de Henrique, herdeiro do duque Roberto I[1] com Sibila da Borgonha, e irmão dos também duques Odo I e Hugo I. Sendo um filho mais novo, D. Henrique tinha poucas possibilidades de alcançar fortuna e títulos por herança, tendo por isso aderido à Reconquista da península Ibérica. Ajudou o rei Afonso VI de Leão a conquistar o Reino da Galiza, recebendo como recompensa pelos seus serviços casamento com a filha ilegítima do monarca, Teresa de Leão. Alguns anos mais tarde, em 1096, D. Henrique recebeu de Afonso VI o Condado Portucalense, que passava prestar-lhe vassalagem directa. O rei de Leão pretenderia assim limitar o poder do conde Raimundo de Borgonha, casado com Urraca de Leão.

Henrique morreu a 24 de Abril de 1112, tendo sido sepultado na Sé de Braga. Seu filho D. Afonso Henriques sucedeu ao pai e tornou-se o segundo conde de Portucale em 1112.[2] No entanto, o jovem Afonso Henriques rebelou-se contra a sua mãe em 1128, que pretendia manter-se no governo do condado. Por isso, em 1139 Afonso reafirmou-se independente de Leão e proclamou-se Rei de Portugal, recebendo o reconhecimento oficial de Leão em 1143[3] e do Papado em 1179.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ambiente familiar[editar | editar código-fonte]

Nascido em 1066, em Dijon, o conde D. Henrique era o filho mais novo de Henrique de Borgonha, filho do duque Roberto I por sua vez filho do rei Roberto II de França.[1] [5] Dois dos seus irmãos mais velhos, Hugo e Odo I, herdaram o ducado.[5] Apesar de sua mãe, chamada Sibila, aparecer em genealogias tradicionais como filha dos condes de Barcelona, Berengário Raimundo I e sua esposa Gisela de Lluçà, esta filiação não aparece em documentos medievais e Sibila provavelmente foi a filha de Reinaldo I e, portanto, irmã do pai de Raimundo de Borgonha, que de acordo com essas filiações, seria um primo em primeiro grau de Henrique.[6] [nt 1]

Uma das tias do lado paterno era a rainha Constança, esposa do rei Afonso VI de Leão, e um tio-avô era Hugo, abade de Cluny, irmão de sua avó Hélia de Semur, e uma das personalidades mais poderosas e reverenciados do seu tempo.[1] Sua família ostentava um grande poder e dominava várias cidades no reino da França, como Chalon, Auxerre, Autun, Nevers, Dijon, Mâcon e Semur.[1] Ele era também um primo distante do Papa Calisto II.

Chegada ao Reino de Leão[editar | editar código-fonte]

Afonso VI de Leão e Castela entrega o Condado Portucalense a D. Henrique em 1096

Após a derrota das tropas cristãs na batalha de Zalaca, travada a 23 de outubro de 1086, o rei Afonso VI pediu auxilio aos cristãos do outro lado dos Pirinéus nos primeiros meses do ano seguinte, chamada a que responderam muitos nobres e cavaleiros franceses, entre eles Raimundo de Borgonha, os seus primos-irmãos, o duque Odo e Henrique de Borgonha, assim como Raimundo de Saint-Gilles.[8] Apesar das alegações de que Henrique chegara na primeira expedição em 1087, a sua presença na península só é atestada a partir de 1096, quando aparece confirmando os forais de Guimarães e de Constantim de Panóias. Em 1 de outubro de 1096 e em 19 janeiro de 1097, o conde Henrique é mencionado em documentos como conde de Tordesilhas.[9]

Três destes nobres franceses contraíram matrimónio com filhas do rei Afonso VI: Raimundo com a infanta Urraca, que sucedeu seu pai no trono leonês; Raimundo de Saint-Gilles com Elvira Afonso;[10] e Henrique de Borgonha com Teresa de Leão,[10] filha nascida da relação extraconjugal de Afonso VI com Ximena Moniz.

Aliança com seu primo, o conde Raimundo da Borgonha[editar | editar código-fonte]

Entre o primeiro trimestre de 1096 e o final de 1097, o conde Raimundo, ao ver a sua influência reduzida na corte, acordou com o seu primo Henrique de Borgonha, que ainda não tinha sido nomeado governador de Portugal, a partilha do poder, o tesouro real e o apoio mútuo.[11] Através desta aliança, que teve a aprovação do abade Hugo de Cluny, parente de ambos,[nt 2] Raimundo "prometia sob juramento a seu primo Henrique entregar o reino de Toledo e um terço do tesouro real quando Afonso VI morresse". Se ele não pudesse entregar o reino de Toledo, ele daria a Galiza. Henrique, por sua vez, comprometeu-se a ajudar Raimundo a obter "todos os domínios do rei Afonso e dois terços do tesouro".[13] O rei Afonso VI parece ter tido conhecimento do acordo e para contrariar a iniciativa dos seus dois genros, nomeou Henrique governador da região que se estende desde o rio Minho até ao rio Tejo, que até então era governada pelo Conde Raimundo. Este viu o seu poder reduzido apenas ao governo da Galiza.[14] [nt 3]

Independência do Condado de Portugal[editar | editar código-fonte]

Por questões políticas e estratégicas, após enviuvar a rainha Urraca de Leão — meia irmã de Teresa de Leão — casou-se com Afonso I de Aragão. Henrique de Borgonha, tirando partido dos conflitos familiares e políticos surgidos em torno da sua cunhada Urraca, declarou a independência do Condado Portucalense. Morreu em Astorga a 22 de maio de 1112.[16] O seu corpo foi transferido, como havia ordenado, para a cidade de Braga, onde foi sepultado na capela-mor da catedral que tinha fundado.[17]

Após a sua morte, Teresa governou o condado durante a menoridade do futuro Afonso I de Portugal, que tinha apenas três anos de idade à data da morte do pai.[18]

Legado[editar | editar código-fonte]

O conde D. Henrique foi o líder de um grupo de cavaleiros, monges e clérigos de origem francesa que exerceram uma grande influência na península Ibérica e impulsionaram muitas reformas e a aimplementação de instituições transpirenaicas, como o costumes cluniacenses e o rito romano. Essas pessoas couparam postos eclesiáticos e políticos relevantes, o que provocou uma forte oposição durante os últimos anos do reinado de Afonso VI.[19]

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Ascendência[editar | editar código-fonte]

Descendência[editar | editar código-fonte]

Henrique de Borgonha, Conde de Portucale e Teresa de Leão, em iluminura da Genealogia dos Reis de Portugal (1530-1534)

Casou-se com Teresa de Leão antes de 18 de dezembro de 1095.[9] [20] Deste matrimónio nasceram:

Ver também[editar | editar código-fonte]

Henrique de Borgonha, conde de Portucale
Nascimento: 1066, Dijon Morte: 24 de abril de 1112, Astorga
Precedido por
Raimundo de Borgonha
PortugueseFlag1095.svg
Conde de Portucale

1096 - 1112
Sucedido por
Afonso I
sob regência de Teresa de Leão até 1128

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. "Sibilla, filha de hum Conde de Borgonha"[7]
  2. O texto sem data que chegou até nós através de Cluny, consiste numa breve nota remetida ao abade São Hugo por meio de um monge mensageiro chamado Dalmacio Geret, que inclui uma cópia dos juramentos que os dois primos terão prestado mutuamente».[12]
  3. O "pacto sucessório" entre os condes Raimundo e Henrique de Borgonha é reproduzido no trabalho de Pierre David.[15]
  4. HIC REQVIESCIT D. PETRVS ALPHONSVS, ALCOBATIAE MONACHUS, FRATER D. ALPHONSI; ILLVSTRIS PRIMI REGIS PORTVGALLIAE, CVIVS LABORE, ET INDVSTRIA LOCVS ISTE CISTERCIENSI ORDINI, VIDELICET HVIC LOCO, DE ALCOBATIA FVUIT DATVS IN AERA M.C.LXXXV. QVO ANNO COEPIT REX ALPHONSVS PRIMVS PORTUGALLIAE SANCTARENAM. QVEM D. PETRUS ALPHONSI DE CLAVSTRO ALCOBATIAE VBI PRIVS FVERAT SEPVLTVS, IN DIE S. IOANNIS BAPTISTAE. AERA M.CCC.XXXI. D. DOMINICVS ABBAS TRANSTVLIT AD HVNC LOCVM[28]

Referências

  1. a b c d Mattoso 2014, p. 28.
  2. Mattoso 2014, pp. 25-27.
  3. Mattoso 2014, p. 212.
  4. Mattoso 2014, p. 359.
  5. a b Martínez Diez 2003, p. 225.
  6. Martínez Diez 2003, pp. 105 e 225.
  7. Almeida 1834, p. 47.
  8. Martínez Diez 2003, p. 223.
  9. a b Reilly 1982, p. 28.
  10. a b Martínez Diez 2003, p. 162.
  11. Rodrigues Oliveira 2010, pp. 28-29.
  12. Martínez Diez 2003, p. 226.
  13. Martínez Diez 2003, p. 170.
  14. Martínez Diez 2003, pp. 170-171.
  15. David 1948, pp. 275–276.
  16. Mattoso 2014, p. 34.
  17. Caetano de Souza 1735, p. 37.
  18. Mattoso 2014, pp. 34-43.
  19. Mattoso 2014, p. 29.
  20. Rodrigues Oliveira 2010, p. 25.
  21. a b c Rodrigues Oliveira 2010, p. 28.
  22. López Sangil 2002, p. 89.
  23. López Morán 2005, p. 89.
  24. Pizarro 2007, p. 855 e 857-858.
  25. Rodrigues Oliveira 2010, p. 31.
  26. Rodrigues Oliveira 2010, p. 33.
  27. Caetano de Sousa 1735, pp. 48–49, livro I.
  28. Manrique 1649, p. 413.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikisource Textos originais no Wikisource
Commons Categoria no Commons