História de Itaquaquecetuba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A praça central da cidade em meados do século XIX, época de sua emancipação. Muitos donatários das terras adjacentes às aldeias de São Miguel Arcanjo abandonaram o município por culpa de desentendimentos com jesuítas, levando a se instalarem ao redor da hasta pública.

A história de Itaquaquecetuba, município brasileiro de São Paulo, remonta origens indígenas consolidada por povos guaianases e tupis. Posteriormente, tornou-se reconhecida como uma das 12 aldeias fundadas pelo padre jesuíta José de Anchieta, durante sua longa permanência no Brasil colonial. Dois séculos depois, ainda intitulada distrito de Mogi das Cruzes, é emancipada em 1953, referindo-se até os dias atuais como centro estadual.

Sua origem contempla a fundação da capela católica de Nossa Senhora d'Ajuda, que foi fundada pelo próprio padre em 8 de setembro de 1560, sendo nomeada após a santa por missionários católicos em 1624.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Em um breve período de tempo, Itaquaquecetuba manteve o nome de "Vila da Nossa Senhora d'Ajuda" e, em princípio, sua primeira forma denominada foi de origem tupi, taquaquicé-tuba, sendo responsável por, posteriormente, prover ao nome Itaquaquecetuba,[1] que abordava o "tacuakyssé", uma espécie de taquara que servia para fazer instrumentos cortantes, tal a navalha, sendo uma gramínea abundante em Itaquá. Significando, portanto, um local de "ajuntamento de taquaras-faca", através de junção dos termos takûara (taquara), kysé (faca) e tyba (ajuntamento).[2] [3] [4] [5]

Itaquaquecetuba já recebia esse topônimo quando era aldeia indígena, mas teve seu legitimo nome quando foi elevado à categoria de vila, passando a denominar-se de Vila de Nossa Senhora d’Ajuda,[a] nome dado pelo então presidente da província de São Paulo, Bernado Gavião Peixoto, durante o século XIX, sendo este seu primeiro topônimo definido.[6][7] Posteriormente, foi elevado à condição de distrito de Mogi das Cruzes, pela lei provincial nº 17, de 28 de fevereiro de 1838, passando a chamar-se de Itaquaquecetuba, nome que prevalece atualmente.[8] O topônimo de Itaquaquecetuba vem de seus primórdios indígenas, quando a região era habitada por povos da nação tupi-guarani, no caso, os guaianases, tribo vinda de Guarulhos.[8]

Quando estes povos se aglomeraram na região, começaram a cultivar alimentos para sua sobrevivência, como mandioca, milho, batata-doce, amendoim, feijão etc, no entanto, o principal cultivo abundante do povoado era a planta "tacuakyssé", uma espécie de bambu da Taquara, ou até mesmo proveniente da Taboca.[9]

A rigor, o topônimo significa ajuntamento ou reunião de taquaras-faca (uma espécie de taboca ou taquara com cujos ramos, cortantes, se faziam facas), e é formado pela composição de takûara (taquara, taboca), kysé (faca) e tyba (ajuntamento, reunião, abundância), referindo-se a um imenso taquaral que existia na aldeia, no tempo de sua fundação, margeando os rios Tietê e Tipóia. O “i” parece que é uma prefixação arbitrária, isto é, não vem do tupi, e talvez tenha sido motivado pela grande quantidade de topônimos formados pela palavra pedra em tupi, que é itá.[6]

O nome adotado nessa ocasião, de origem tupi, era proveniente de sua primeira forma taquaquicé-tuba,[1] cujo significado completo é “lugar abundante de taquaras cortantes como facas”.[10] [11] [6] [12] [3][8][13]

História[editar | editar código-fonte]

Origens, período pré-cabralino e primeiros povos[editar | editar código-fonte]

(...) recentes datações (...) das areias amostradas na cava da Itaquareia, em Itaquaquecetuba, SP, fornecem idades deposicionais variáveis de 47 000 (mais ou menos) 6 000 a 89 000 (mais ou menos) 12 000 anos.[14]

USP, trecho da Revista do Instituto de Geociências.Ver bibliografia

Compreende-se que a história do município de Itaquaquecetuba inicia-se desde seus primórdios de formação territorial. Sob o ponto de vista paleontológico, a área que atualmente consta como o município se formou há variáveis 47 000 ou 89 000 anos. Um estudo feito em Itaquareia (indústria que extrai minérios e outros suprimentos em Itaquaquecetuba),[15] consolidou a ideia de que, há muitos anos, a região em que hoje é Itaquá tinha um rico conteúdo fossilífero, representado por macro e microrrestos palinomorfos (fósseis orgânicos, como ovos, sementes, e cutículas vegetais). A extração desses elementos (comumente feitos pela Itaquareia),[15] e da areia na escavação da empresa, forneceram uma idade deposicional da formação de Itaquaquecetuba, que, como dito anteriormente, é variável e bastante antiga.[14]

A região do atual estado de São Paulo já era habitada por povos indígenas desde aproximadamente 12 000 a.C. – sendo que esta aglomeração indígena iniciou onde hoje é o interior de São Paulo, e depois começou a se expandir para todo o estado paulista –, posteriormente, os povos indígenas, principalmente os tupi-guaranis, invadiram o litoral do estado por volta do ano mil, procedentes da Amazônia durante os deslocamentos nomadistas.[16][17] Após a costa do Brasil no século XI ter sido distribuído por grupos indígenas, a maior parte deles (mas não todos) dos povos tupi-guarani, este grupo começou a povoar a região que hoje é Itaquaquecetuba por volta do século XII, aproximadamente na metade da década de 1100, a rica proliferação de árvores na região da cidade – em especial ao taquaral que margeava os rios Tietê e Tipoia – fizeram com que os povos se aglomerassem em comunidades de subsistência para que os cultivassem, inciando um povoado agrícola-intensivo.[18] Durante o crescimento dos povos indígenas em Itaquaquecetuba, era comum o cultivo de palmeiras, batata-doce, mandioca, milho, amendoim, feijão etc,[16][19] assim como em Indaiatuba.

Fundação da aldeia e colonização[editar | editar código-fonte]

Itaquaquecetuba, aldeamento anchietano [b] (1560, 1580?), tem sua capela dedicada a Nossa Senhora da Ajuda em 1624.[5]

— Augusto Bicalho, trecho de seu livro de 2005.Ver bibliografia
José de Anchieta (1534-1597). Padre que fundou a aldeia de Itaquaquecetuba em 1560-1563, junto com seus missionários jesuítas. Biblioteca Nacional de Portugal.

José de Anchieta, padre jesuíta nascido na Espanha, foi indicado por sacerdotes á vir ao Brasil Colonial, em 1553, a fim de ajudar o padre Manuel da Nóbrega na evangelização dos índios.[20] Chegando a região de Piratininga (que posteriormente se elevaria a Vila, e mais tarde receberia o nome de 'São Paulo de Piratininga'), José de Anchieta junto com Manuel da Nóbrega e outros padres, iniciou ali um povoado, em janeiro de 1554.[21][20][7] Anos mais tarde, após a realização bem sucedida de catecúmenos entre os nativos, Anchieta soube como era necessário a catequização da maioria dos povos indígenas da região, e juntamente com vários missionários jesuítas, percorreu caminhos próximos ao ribeirão Anhangabaú e Tamanduateí, que banhavam a vila e desaguava em outro rio.[22]

Já margeando o rio Tietê, que cortava São Paulo de Piratininga, os padres chegaram onde hoje é Itaquaquecetuba, e em aproximadamente 1560 ou 1563, foi fundada Itaquá, junto com outras 12 aldeias.[8]

Até por volta de 1810, a área onde está situada a região do município de Santa Bárbara d'Oeste não passava de mata virgem. Naquele ano, o lugar começou a ser desbravado com a abertura de uma estrada de rodagem ligando a freguesia de Santo Antônio de Piracicaba à Vila de São Carlos de Campinas. Com essas obras, descobriu-se uma região de solo massapé propício para o cultivo e banhada por muitas águas. A partir disso, novas sesmarias foram demarcadas para venda.[13] foi fundada em aproximadamente 1563, quando o padre José de Anchieta, juntamente com vários missionários, chegou à região, com a finalidade de catequizar os índios e neste local iniciaram o povoado.

Em 1624, foi construída a Capela Nossa Senhora da Ajuda. O povoado por muito tempo permaneceu sem progresso até que, em 1838, tornou-se freguesia, fixando o nome dessa como Itaquaquecetuba.

A partir de 1925, Itaquaquecetuba viveu um grande período de crescimento e prosperidade, motivado pela chegada da Estrada de Ferro Central do Brasil.[23]

O primeiro Censo realizado na Aldeia de Nossa Senhora D'Ajuda, em 1765, apresentou os seguintes resultados: 59 "iogos" que eram habitados por 109 mulheres e 117 homens. Pouco cresceu a aldeia que neste estado permaneceu quase 200 anos. Foi com a inauguração da Variante da (EFCB), em 1925 que Itaquaquecetuba começou a crescer e a prosperar.

Criação da estação ferroviária de Itaquaquecetuba[editar | editar código-fonte]

Dois séculos depois, Itaquaquecetuba torna-se distrito de Mogi das Cruzes e, após a emancipação de 28 de outubro de 1953, é elevada a categoria de município independente, sendo, atualmente, uma das cidades mais antigas do estado de São Paulo.[24] Boa parte de seu desenvolvimento se deu a construção da primeira estação ferroviária de Itaquaquecetuba em 1926,[25] antes da emancipação da cidade. O topônimo indígena Itaquaquecetuba, que significa "abundância de taquaras que cortam", deve-se à existência, na época da fundação da Aldeia, de imenso taquaral, margeando os Rios Tietê e Tipóia.[2]

Inaugurada em 07 de fevereiro de 1926, com acesso a elevadores e parcialmente adaptado para portadores de deficiência[26]. A variante de Poá, também chamada de variante de Calmon Viana, teve a construção iniciada em 1921, mas a linha foi aberta somente em 1 de janeiro de 1934, depois de uma interrupção de oito anos nas obras. Com o tempo, foi se transformando em linha de trens de subúrbio, os trens metropolitanos de hoje, e é uma das linhas mais movimentadas da CPTM em São Paulo, embora com os piores trens[25].

Demografia[editar | editar código-fonte]

Segundo o último Censo Demográfico a população de Itaquaquecetuba é de aproximadamente 350.000, e que votam neste distrito aproximadamente 140.000, com uma população aproximadamente de 86% de nordestinos.[27]

Emancipação de Mogi das Cruzes[editar | editar código-fonte]

A cidade até o dia 28 de outubro de 1953 foi distrito de Mogi das Cruzes, ano em que conseguiu conquistar sua emancipação política e administrativa. O primeiro prefeito a administrar o município foi Eugênio Victorio Deliberato, que tomou posse no dia 1º de janeiro de 1955[28].

O desenvolvimento de Itaquaquecetuba, no entanto, teve início em meados de 1624, ano no qual o padre João Álvares decidiu construir um oratório em louvor a Nossa Senhora D’ Ajuda iniciando o processo de povoação do município. Hoje no local onde foi instalado o oratório funciona a Igreja Matriz, na Praça Padre João Álvares[28].

A denominação reduzida para Itaquaquecetuba ocorreu somente no século XX, quando se separou de Mogi das Cruzes, com sua elevação a município[28], e com o território do respectivo distrito, pela lei Nº 2.456, de 30 de dezembro de 1953, posta em execução a 01 de janeiro de 1954. Como município, ficou constituído de um único distrito, o de Itaquaquecetuba.[3]

Notas

  1. Há certas desavenças sobre qual foi o nome da Vila, sob o ponto de vista mais comum, o nome foi realmente Vila de Nossa Senhora d’Ajuda, já que certas imagens mostram o presidente da província de São Paulo próximo a um armazém na região de Itaquaquecetuba com esse nome. Porém, outros historiadores afirmam que o nome era da Vila de Nossa Senhora da Conceição de Itaquaquecetuba.
  2. De acordo com Augusto Bicalho, a expressão "aldeamentos anchietanos" designam aldeias fundadas pelo padre jesuíta José de Anchieta (consequentemente, foi do sobrenome do padre que derivou o nome "anchietano" da expressão), quando este ainda estava no Brasil Colonial, juntamente com vários de seus missionários; estes, colaboradores nas fundações das aldeias (Itaquaquecetuba era uma destas).[5]

Referências

  1. a b Navarro 2005, pp. 56.
  2. a b «Itaquaquecetuba - SP - Informações». Portal Férias. Consultado em 4 de fevereiro de 2012 
  3. a b c «Itaquaquecetuba - SP». Região 13 (Nosso São Paulo). Consultado em 12 de fevereiro de 2015. Cópia arquivada em 30 de março de 2014 
  4. Câmara dos Deputados 1962, pp. 568.
  5. a b c Bicalho 2005, pp. 71.
  6. a b c Fairo (8 de setembro de 2014). «História de Itaquaquecetuba». Itaquá News. Consultado em 22 de fevereiro de 2015 
  7. a b Azevedo Marques, M. E. de (1980). Província de São Paulo. Universidade de São Paulo: Editora Itatiaia  Parâmetro desconhecido |volumes= ignorado (|volume=) sugerido (ajuda)
  8. a b c d «Itaquaquecetuba, São Paulo - SP» (pdf). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Consultado em 8 de janeiro de 2015 
  9. «Estrada de Itaquaquecetuba». Prefeitura do Município de São Paulo. Para encontrar a fonte, pesquise por Itaquaquecetuba. Consultado em 30 de maio de 2015. Cópia arquivada em 21 de junho de 2012 
  10. «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  11. «Estrada de Itaquaquecetuba». Prefeitura do Município de São Paulo. Consultado em 30 de maio de 2015 
  12. «Itaquaquecetuba - SP». A comunidade das Cidades Brasileiras!. 2000. Consultado em 3 de abril de 2015 
  13. Schincariol, Miguel. «Itaquaquecetuba». Cepam. Consultado em 19 de maio de 2015 
  14. a b Universidade de São Paulo 2010, pp. 1.
  15. a b Nome do autor não revelado. «Empresa». Itaquareia Indústria Extrativa de Minérios Ltda. 2012. Consultado em 27 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 24 de junho de 2014 
  16. a b C. Koyama, Adriana (2006). «O povoamento da região de Indaiatuba e os Guarani: perguntas e pistas». Disponível no Scribd. 3 páginas. Consultado em 28 de abril de 2013. Cópia arquivada em 23 de dezembro de 2015 
  17. Bueno, Eduardo (2003). Brasil: uma História. a incrível saga de um país 2ª ed. São Paulo: Ática 
  18. Nome do autor não revelado. «Pesquisa Histórica». Prefeitura Municipal de Itaquaquecetuba. Consultado em 21 de março de 2012‎ [ligação inativa]  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  19. Erro de citação: Etiqueta <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs de nome história
  20. a b José de Anchieta e Hélio Abranches Viotti (1984). Cartas: correspondência ativa e passiva. [S.l.]: Edições Loyola. pp. (Digitalização parcial por Google Livros) 504. ISBN 9788515012954 
  21. VASCONCELOS, Simão de, padre. Crônica da Companhia de Jesus. Citado em Teodoro Sampaio, pág. 233.
  22. KEHL, Luiz Augusto. Simbolismo e Doutrina na Fundação de São Paulo. in: BUENO, Eduardo (org.). Os Nascimentos de São Paulo. Rio de Janeiro: Ediouro, 2004. pág. 93-93.
  23. «História de Itaquaquecetuba». R7 - Brasil Escola. Consultado em 4 de fevereiro de 2012 
  24. Vagnotti 1987, pp. 23-24.
  25. a b Giesbrecht, Ralph Mennucci (28 de março de 2015). «Estação Itaquaquecetuba». Estações Ferroviárias do Estado de São Paulo. Consultado em 31 de maio de 2015 
  26. «Estação Itaquaquecetuba». Apontador.com. Consultado em 6 de abril de 2012 
  27. «Histórico geográfico e populacional». Prefeitura de Itaquaquecetuba. Consultado em 21 de março de 2012 
  28. a b c ItaquaWeb. «Itaquá comemora hoje 55 anos de Emancipação». Consultado em 1 de março de 2012 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]