São Miguel Arcanjo (São Paulo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outras acepções, veja São Miguel (desambiguação).
São Miguel Arcanjo
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de São Miguel Arcanjo
Bandeira
Brasão de armas de São Miguel Arcanjo
Brasão de armas
Hino
Apelido(s) "Capital da Uva Itália"
Gentílico são-miguelense
Localização
Localização de São Miguel Arcanjo em São Paulo
Localização de São Miguel Arcanjo em São Paulo
São Miguel Arcanjo está localizado em: Brasil
São Miguel Arcanjo
Localização de São Miguel Arcanjo no Brasil
Mapa de São Miguel Arcanjo
Coordenadas 23° 52' 40" S 47° 59' 49" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Região intermediária[1] Sorocaba
Região imediata[1] Itapetininga
Região metropolitana Sorocaba
Municípios limítrofes Capão Bonito, Pilar do Sul, Tapiraí Itapetininga e Sete Barras
Distância até a capital 180 km
História
Fundação 12 de Maio de 1877
Emancipação 1 de Abril de 1889
Aniversário 1 de Abril
Administração
Prefeito(a) Paulo Ricardo da Silva (Paulo Oreia) (PP, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [2] 930,012 km²
População total (Censo IBGE/2018[3]) 32 859 hab.
Densidade 35,33 hab./km²
Clima Clima Subtropical
Altitude 659 m
Fuso horário UTC -3 (Inverno) / UTC -2 (Verão) (UTC−3)
CEP 18230-000
Indicadores
IDH (PNUD/2000[4]) 0,769 alto
PIB (IBGE/2008[5]) R$ 318 314,845 mil
PIB per capita (IBGE/2008[5]) R$ 10 168,50
Outras informações
Padroeiro(a) São Miguel Arcanjo (Santuário)
http://www.saomiguelarcanjo.sp.gov.br/ (Prefeitura)
http://www.camarasma.sp.gov.br/ (Câmara)

São Miguel Arcanjo é um município brasileiro do estado de São Paulo, localizado na Região Metropolitana de Sorocaba, na Mesorregião Macro Metropolitana Paulista e na Microrregião de Piedade. O município é formado pela sede e pelo distrito de Gramadão[6][7].

História[editar | editar código-fonte]

Em meados do século XIX, povoadores fixaram-se ao longo da estrada de ligação entre Sorocaba e o Sul do País, formando novas fazendas dedicadas a culturas diversas. Nessa época, ao sul de Itapetininga, um de seus povoadores, o Tenente Urias Emígdio Nogueira de Barros, juntamente com parentes e amigos concentrados numa extensa área, formaram o antigo bairro da Fazenda Velha, integrando o município de Itapetininga.

Versão aventada sem prova documental fala que Maximina Ubaldina Nogueira Terra, filha de Tenente Urias Nogueira de Barros, em homenagem ao seu esposo falecido, Miguel dos Santos Terra, teria doado à igreja, terra para construção da capela, sob a invocação de São Miguel Arcanjo. Porém, uma busca à Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo (edição 1957, páginas 76-77) onde se apresenta a herança paterna de Dona Teresa Augusta Nogueira Teixeira, casada com o Alferes Joaquim José Teixeira, em documento, transcrita com a grafia da época, nestes termos:

-PATRIMÔNIO DA PAROCHIA DE SÃO MIGUEL ARCHANJO-

"O Conego Julio Marcondes de Araujo e Silva, Escrivão da Camara Eclesiastica e Secretario do Bispado de São Paulo. - Por sua Excia. e Revma. - Monsenhor Vigario Capitular Sede Vacante. - Certifico que revendo os autos do Patrimônio da Capella de S. Miguel Archanjo, Comarca d' Itapetininga neste Bispado de S. Paulo, às folhas 3 dos dictos Autos, encontrei o documento da forma e theor seguinte: 'Eu abaixo assinada D. Teresa Augusta Nogueira que desejando prover canonicamente a Capela de S. Miguel Archanjo, desta Freguesia da Fazenda Velha, dou para patrimônio da mesma Capella uma parte de terras de setecentos e cincoenta braças de alto, com quatro centos e cincoenta de fundo, que coube-me por herança de meu finado pae o sr. Tenente Uryas Emygidio Nogueira de Barros, no valor de duzentos mil reis na Fazenda Velha, cujas terras dou com divisas seguintes: Partindo da barra do - Guapé acima até o Vallo que divide com a Fazenda do Moinho e por este até o banhado de Manoel Mariano e dahi até onde fizer quadra, e depois cortando num rumo até o ribeirão onde diz as - quatrocentas e cincoenta braças, ficando eu - responsavel de qualquer embaraço que appareça. E por verdade mandei passar a presente e outra - do mesmo teor as quaes vaem por mim assignadas,, - S. Miguel Archanjo da Fazenda Velha 2 de abril de 1884. - Teresa Augusta Nogueira. Test.: Presente Manoel Rufino de Medeiros, Antonio Alberto de Souza Nogueira. - Em tempo declaro que faço esta doação com a condição de nunca ser vendida, e quando seja, o producto empregue-se na mesma Capella. - E por verdade mandei a presente declaração e outra de igual theor as quaes vão por mim assignadas. - S. Miguel Archanjo da Fazenda Velha 2 de abril de 1884. - Teresa Augusta Nogueira. - Test.: presente, Manoel Rufino de Medeiros, Antonio Affonço de Souza Nogueira'". E para solidificar ainda mais a presente afirmação, esta doação pode ser comprovada através do "Anuário da Diocese de Sorocaba - anos 1932-1933-1934, página 49, que encontra-se em poder do Arquivo da Cúria Metropolitana de São Paulo. (Patrimônio da Paróquia).

Foi elevado em 1877, à freguesia com o nome de São Miguel Arcanjo. O seu desenvolvimento sócio-econômico iniciou-se com o cultivo do algodão, que saía da roça para descaroçamento na cidade, em beneficiadoras Nacionais e Estrangeiras, que na década de 1920, somavam vinte estabelecimentos. Segundo alguns historiadores, essa foi a fase mais rica do Município. 

O bairro da Fazenda Velha se transformou em um Distrito criado com a denominação de São Miguel Arcanjo, pela lei provincial nº 58, de 12-05-1877. Foi elevado à categoria de município a denominação de São Miguel Arcanjo, pela lei provincial nº 86, de 01-04-1889, desmembrando-se do município de Itapetininga, sede do antigo distrito São Miguel Arcanjo, que passou a ser constituído distrito sede, instalado em 30-10-1889. Foi à condição de cidade com a denominação de São Miguel Arcanjo, pela lei estadual nº 1038, de 19-12-1908. 

Quando da II Guerra Mundial, a Inglaterra, principal consumidor. Deixou de adquirir o algodão São-Miguelense, os inúmeros proprietários abandonaram o seu cultivo, passando à exploração da madeira para carvão de grande importância para a economia local. Outra base econômica, na época, foi a cultura de batata iniciada pelos primeiros imigrantes Japoneses, logo após a II Guerra. 

Vindo da Itália, o comendador Dante Carraro adquiriu grande área de terra e introduziu o trigo. Logo depois as culturas aumentaram e o trigo tornou-se slogan de bancos nas praças da cidade. Entretanto, com a morte de Dante Carraro, sua família abandonou essa cultura, dedicando-se à pecuária. Na década de 1950, a família Masato Fujiwara trouxe mudas de Uva-Itália que se tornaram, mais tarde, a principal fonte de renda da cidade.

São Miguel Arcanjo é considerada a "Capital Mundial das Uvas Finas" (2006); Massuto Fujiwara foi o pioneiro na plantação de uvas neste município. Até alguns anos atrás, a Festa da Uva é comemorada no Recinto de Exposição que leva o nome do pioneiro, às fortes chuvas que ocorrem nessa época, fez com que o local de comemoração fosse realocado por duas vezes retornando assim para seu local de origem (Recinto de Exposição), a festa se dá durante a safra da uva nos meses de fevereiro e março.

A festa do padroeiro da cidade, São Miguel Arcanjo, acontece no dia 29 de setembro, data em que a Igreja Católica celebra o dia dos Arcanjos. A Igreja Matriz de São Miguel Arcanjo foi elevada ao grau de Santuário Diocesano em 21 de Setembro de 2013, com missa solene presidida pelo Bispo Diocesano de Itapetininga - Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, o que contribuiu para atração de muitos turistas que vêm até os pés do Arcanjo para pedir e agradecer pelas graças alcançadas.

No dia do Padroeiro, 29 de Setembro, milhares de fiéis de vários Estados e até mesmo do exterior vêm em direção ao Santuário para comemorar o dia do Padroeiro.

No dia 11 de Janeiro de 2016, foi comemorado os 130 anos da Instituição Canônica da Paróquia São Miguel Arcanjo, que foi antecedido por um tríduo que contou com várias atrações.

No dia 25 de Maio de 2018, recebe do Vaticano o titulo de Basílica Menor, ou seja uma igreja papal que oferece graças especiais. A missa solene de instalação da Basílica foi presidida no dia 01 de Setembro de 2018, presidida pelo Bispo Diocesano de Itapetininga - Dom Gorgônio Alves da Encarnação Neto, com a presença de Dom Júlio Endi Akamini, arcebispo de Sorocaba e Dom Arnaldo Cavalheiro, Bispo de Itapeva.

A Basílica vem se adaptando ao crescimento do número de fiéis, que a a cada ano que passa, cresce cada vez mais. No atual paroquiato do Reitor Márcio Giordany Costa de Almeida, a Basílica vem se expandindo em prol do conforto dos fiéis; hoje, o complexo conta com uma Secretaria Paroquial, o "Espaço Devotos de São Miguel" com loja e cafeteria, Velário, Banheiros e o Museu "Cônego Francisco Ribeiro", que abriga o acervo da Paróquia dos últimos 130 anos e uma Sala de Milagres, com os testemunhos dos devotos que alcançaram suas graças pela intercessão de São Miguel Arcanjo.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 23º52'42" sul e a uma longitude 47º59'50" oeste, estando a uma altitude de 659 metros. Sua população estimada em 2004 era de 33.577 habitantes.

Neste município localiza-se a sede do Parque Estadual Carlos Botelho, um dos remanescentes de maior importância em termos de biodiversidade do Brasil. Destaca-se neste Parque Estadual a ocorrência do maior primata das Américas, o muriqui-do-sul, também conhecido como mono-carvoeiro, que é sujeito de estudo do mais longo projeto de pesquisa com a espécie primata no Brasil, através da Associação Pró-Muriqui. Muriquis tem projetado São Miguel Arcanjo internacionalmente através desta associação de pesquisa. É um dos três únicos locais onde foi encontrada uma espécie de árvore da Mata Atlântica restrita ao estado de São Paulo e descrita em 1981, a Buchenavia igaratensis[8]

Limites

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Bairros de São Miguel Arcanjo[editar | editar código-fonte]

  • Colônia Pinhal

A Colônia Pinhal fica próximo a São Miguel Arcanjo em São Paulo e as pessoas que vivem lá, alguns japoneses e outros descendentes, cultivam as tradições japonesas. Tem uma enorme biblioteca, com cerca de 74 mil livros japoneses e fitas.

  • Bairro Rio Acima, onde se originaram as primeiras mudas de uvas Itália do município, trazidas pelo senhor Massuto Fujiwara.
  • Bairro Brejaúva
  • Bairro da Capela de São Roque
  • Bairro Turvo dos Almeidas
  • Bairro Boa Vista
  • Bairro dos Soares
  • Bairro da Lavrinha
  • Bairro dos Paulos
  • Bairro do Retiro
  • Bairro Justinada, onde se localiza o Parque do Zizo, com uma grande área de Mata Atlântica.
  • Bairro Ferreirada
  • Bairro Gramadão
  • Bairro Pocinho
  • Bairro Turvo dos Hilários
  • Bairro do Facão
  • Bairro Faxinal
  • Bairro Rincão
  • Bairro Santa Cruz dos Matos
  • Bairro Guararema
  • Bairro Turvo da Lagoa
  • Bairro de Abaitinga (Taquaral) fica no km 93 da Rodovia Néquinho Fogaça SP 139 a qual atravessa o Parque Reserva Carlos Botelho e desce para o município de Sete Barras SP.
  • Bairro do Turvinho

Administração[editar | editar código-fonte]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Atrativos naturais[editar | editar código-fonte]

Atrativos culturais[editar | editar código-fonte]

  • Carnaval de Rua
  • Festa da Uva Itália
  • Festa do Vinho
  • Festa do Padroeiro
  • Festival do Bolinho de Frango
  • Festival Lollo Terra de MPB
  • Festa De Nossa Senhora De Fatima (Bairro Facão)
  • Romaria para Iguape
  • Romaria dos Cavaleiros nos Bairros, destino: município de Iguape tem como rota iniciada em São Miguel Arcanjo, passando por Sete Barras, Registro, Pariquera-Açu e Iguape.
  • Penakunfé (Romaria De Ciclistas Ate Aparecida Do Norte)
  • Festa Do Milho Verde
  • Festa Do Divino
  • Festa Da Caridade
  • Festa Da APAE
  • Santuário de São Miguel Arcanjo
  • Expo Gramadão ( Distrito Gramadão )

Economia[editar | editar código-fonte]

Sua economia está voltada para o setor agrícola, com o predomínio do cultivo de uvas do tipo Itália e Rubi.

Uma variedade que cresce muito no município é a uva rústica de mesa, como a niagara,(tratando - se de uma uva com menos custo para a produção),visto que na reforma dos parreirais os produtores vem optando pelo plantio da mesma,também ganhando espaço em novas áreas, principalmente na divisa com Capão Bonito (SP). A uva niagara atualmente em São Miguel Arcanjo, é responsável por 40% da produção do Estado de São Paulo.

Também há outros, como o cultivo da batata, soja, trigo, e feijão, etc.

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Companhia de Telecomunicações do Estado de São Paulo (COTESP), que construiu em 1974 a central telefônica que é utilizada até os dias atuais. Em 1975 passou a ser atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[9], até que em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica. Em 2012 a empresa adotou a marca Vivo para suas operações de telefonia fixa[10][11][12][13].

Referências

  1. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (2017). «Base de dados por municípios das Regiões Geográficas Imediatas e Intermediárias do Brasil». Consultado em 10 de fevereiro de 2018 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 dez. 2010 
  3. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 dez. 2010 
  6. «Municípios e Distritos do Estado de São Paulo» (PDF). IGC - Instituto Geográfico e Cartográfico 
  7. «Divisão Territorial do Brasil». IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística 
  8. «IUCN Red List» 
  9. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  10. «Telesp vai servir mais 86 cidades do estado». Acervo Folha de São Paulo 
  11. «Patrimônio da COTESP incorporado pela TELESP» (PDF). Diário Oficial do Estado de São Paulo 
  12. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  13. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]