Iacyr Anderson Freitas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde Fevereiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde Fevereiro de 2010).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde Fevereiro de 2010).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Iacyr Anderson Freitas
Data de nascimento 22 de setembro de 1963 (52 anos)
Local de nascimento Patrocínio do Muriaé,  Brasil
Magnum opus Trinca dos traídos
Prémios Prémio Casa de las Américas (2005)

Iacyr Anderson Freitas (Patrocínio do Muriaé, 22 de setembro de 1963) é um escritor brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Depois de cursar os primeiros quatro anos do ensino fundamental no Grupo Escolar José Bonifácio, em sua terra natal, muda-se com a sua família para Leopoldina (MG), onde completa os quatro anos restantes no Colégio Estadual Professor Botelho Reis. No início de 1978, muda-se para Juiz de Fora, cursando os dois primeiros anos do ensino médio no Instituto Granbery da Igreja Metodista e o terceiro ano no Colégio Magister.

Em 1981, ingressa no curso de Engenharia Civil da Universidade Federal de Juiz de Fora, formando-se em 1985. Nesta mesma universidade, aliás, o escritor obterá o título de mestre em Letras (Teoria da Literatura), defendendo dissertação sobre a obra do poeta baiano Ruy Espinheira Filho (vide "A poesia mineira no século XX", de Assis Brasil, Rio de Janeiro: Imago, p. 266-269).

Iacyr Anderson Freitas publicou, a partir de 1982, quando veio a lume sua obra de estreia, diversos livros de poesia, ensaio literário e prosa de ficção; obtendo divulgação de sua produção literária em livros e periódicos editados nos seguintes países: Argentina, Chile, Colômbia, Espanha, Estados Unidos, França, Itália, Malta e Portugal. No estudo "Uma história da poesia brasileira" (Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2007. p. 403-404), o crítico e poeta Alexei Bueno afirma: "Dos principais poetas de sua geração, Iacyr Anderson Freitas (1963), desde a sua estreia com Verso e palavra, de 1982, vem construindo com notável coerência uma obra poética que se traduz por uma tentativa de compreensão em profundidade do mundo, característica comum a quase toda grande poesia. Passando do verso livre às formas fixas como o soneto, a sua poesia transmite a percepção aguda do efêmero e do imponderável sobre o qual se constroem todas as ilusões humanas" (p. 403).

Seus livros arrebataram uma quantidade considerável de premiações literárias no Brasil e no Exterior. A título de exemplificação, podemos destacar as duas vezes em que o escritor obteve o primeiro lugar no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte, em 1990 e em 1993, bem como a menção especial conquistada em Cuba, no Prémio Literário Casa de las Américas, em 2005, com o livro de contos Trinca dos traídos, publicado pela Nankin Editorial, em parceria com a Funalfa Edições, no ano anterior (2004).

De sua extensa obra, além do livro de contos já citado, podemos colocar em relevo os livros de poesia mais recentes: Primeiras letras (2007) e Quaradouro (2007), bem como A soleira e o século (2002), todos publicados, igualmente, pela Nankin Editorial / Funalfa Edições. Os três títulos, aliás, reúnem a obra poética completa do escritor mineiro, em edição revista, agora acrescida do volume Viavária.

Duas antologias poéticas, por outro lado, oferecem ao leitor a possibilidade de conferir o percurso do escritor de forma seletiva: Oceano coligido (2000), publicado no Brasil pela Viramundo e Terra além mar (2005), publicado em Portugal, na Colecção Pasárgada, pela Ardósia Associação Cultural.

Por fim, a escritora suíça Prisca Agustoni, organizadora da antologia "Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais" (publicada em Portugal, em 2008, pela Ardósia Associação Cultural, sediada em Cascais) afirma que "A poesia de Iacyr Anderson Freitas explicita a procura, por vezes dolorosa, de coisas e sentimentos profundos e cotidianos que constituem a raiz ontológica do ser humano que, frequentemente, se encontra exilado num tempo e num espaço em estado de desmoronamento e que se agarra, desesperado, à palavra e à memória para salvar as sobras desse processo de desmantelamento interior" (p. 11-12).

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Verso e palavra. Juiz de Fora: Ed. do Autor, 1982.
  • Pedra-Minas. Juiz de Fora: D’Lira, 1984.
  • Colagem de bordo & outros poemas. Juiz de Fora: D’Lira, 1986.
  • Outurvo. Juiz de Fora: D’Lira, 1987.
  • Pedra-Minas & Memorablia. Juiz de Fora: D’Lira, 1989.
  • O aprendizado da figura. Juiz de Fora: D’Lira, 1989.
  • Sísifo no espelho. Juiz de Fora: D’Lira, 1990.
  • Primeiro livro de chuvas. Juiz de Fora: D’Lira, 1991.
  • Messe. Juiz de Fora: D’Lira, 1995.
  • Lázaro. Juiz de Fora: D’Lira, 1995.
  • Mirante. Juiz de Fora: D’Lira, 1999.
  • Oceano coligido (antologia poética). São Paulo: Viramundo, 2000.
  • Messe (edição revista). Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Cultura, 2000.
  • Dançar o nome (em co-autoria com Edimilson Pereira e Fernando Fiorese, contendo CD com leitura dos poemas). Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2000.
  • A soleira e o século. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2002.
  • Duo. Magdalena (Argentina): Edición Artesanal, 2004. Volume bilíngüe e bipartido, contendo também poemas de Victoria Asís.
  • Terra além mar (antologia poética). Cascais (Portugal): Ardósia Assoc. Cult., 2005.
  • Quaradouro. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2007.
  • Primeiras letras. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2007.
  • O cavalo alado e outros poemas. Juiz de Fora: Mary e Eliardo França Editores/ Zit Editores, 2004 – em co-autoria com Leo Cunha e Elias José. (infantil)
  • Eu tinha um gato branco que fugiu. Juiz de Fora: Franco Editora, 2004. (infantil)
  • Respeitável Público. Juiz de Fora: Mary e Eliardo França Editores, 2006. (infantil)

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • Heidegger e a origem da obra de arte. Juiz de Fora: D’Lira, 1993.
  • Quatro estudos. Juiz de Fora: D’Lira, 1998.
  • As perdas luminosas: uma análise da poesia de Ruy Espinheira Filho. Salvador: EDUFBA e Fundação Casa de Jorge Amado, 2001.


Ficção[editar | editar código-fonte]

  • O artista e a cidade. Juiz de Fora: Funalfa, 2000 - álbum comemorativo dos 150 anos de emancipação política de Juiz de Fora, com tiragem de cem exemplares, contendo texto autobiográfico do poeta e uma serigrafia de Dnar Rocha.
  • Trinca dos traídos. São Paulo: Nankin/ Funalfa Edições, 2003.

Antologias e participações[editar | editar código-fonte]

  • Antologia da nova poesia brasileira (Org. Olga Savary). Rio de Janeiro: Hipocampo, 1992.
  • Pérolas do Brasil / Pearls of Brazil / Brazilian Gyöngyei (Org. e trad. Lívia Paulini). Belo Horizonte: AFML, 1993.
  • International Poetry Review: Brazil Issue. Greensboro (USA): University of North Carolina, spring 1997. Antologia org. e trad. por Steven White.
  • A poesia mineira no século XX (Org. Assis Brasil). Rio de Janeiro: Imago, 1998.
  • Anto (número 3, especialmente dedicado ao Brasil). Amarante (Portugal): Edições do Tâmega, 1998.
  • Fui eu (Org. Eunice Arruda). São Paulo: Escrituras Editora, 1998.
  • Reflexos da poesia contemporânea do Brasil, França, Itália e Portugal (Org. e trad. para o francês por Jean-Paul Mestas). Lisboa: Universitária Editora, 2000.
  • Ricerca research recherche. Lecce (Itália): Dipartimento di Lingue e Letterature Straniere - Universitá degli Studi di Lecce, nº 4, 1998. Seis poemas do autor foram traduzidos, para esta revista, por Vera Lúcia de Oliveira.
  • Baú de letras (Org. José Alberto Pinho Neves). Juiz de Fora: Funalfa, 2000.
  • Quanta terra!!! - Poesia e prosa brasileira contemporânea (Org. Amadeu Baptista). Almada (Portugal): Casa da Cerca, 2001.
  • Antología de la poesía brasileña (Org. e trad. Xosé Lois García). Santiago de Compostela (Espanha): Laiovento, 2001.
  • Letras da cidade (Org. Leila Barbosa e Marisa Timponi). Juiz de Fora: Funalfa, 2002.
  • Poesia em movimento (Org. Jorge Sanglard). Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2002.
  • Antologia comentada da literatura brasileira: poesia e prosa (Org. Magaly T. Gonçalves, Zélia T. de Aquino e Zina Bellodi). Petrópolis: Vozes, 2006.
  • Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais (Org. Prisca Agustoni). Cascais (Portugal): Ardósia Associação Cultural, 2008.
  • Os dias do amor – um poema para cada dia do ano (Org. Inês Ramos). Parede (Portugal): Ministério dos livros, 2009.
  • Portuguesia (Org. Wilmar Silva). Belo Horizonte: Anome, 2009.


Prêmios e indicações[editar | editar código-fonte]

  • 1989 - Menção Especial no Prêmio Nacional Jorge de Lima, promovido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seu livro Sísifo no espelho.
  • 1990 - 1º lugar no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte (Poesia), promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, por seu livro Messe.
  • 1993 - 1º lugar no Concurso Nacional de Literatura Cidade de Belo Horizonte (Poesia), promovido pela Secretaria Municipal de Cultura de Belo Horizonte, por seu livro Lázaro.
  • 1997 - Diploma do Mérito Cultural, conferido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seu conjunto de obra.
  • 2000 - Prêmio Nacional Eduardo Frieiro (Ensaio), promovido pela Academia Mineira de Letras, por seu livro Quatro estudos.
  • 2001 - 1º lugar no Prêmio Nacional Joaquim Norberto, promovido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seus livros Messe e Oceano coligido.
  • 2002 - 1º lugar no Premio Internazionale Il Convivio (Poesia), promovido pela Accademia Internazionale Il Convivio (sediada na Itália), por seu livro Oceano coligido.
  • 2002 - 1º lugar no Prêmio Nacional Centenário de Oscar Mendes (Ensaio), promovido pela Academia Mineira de Letras, por seu livro As perdas luminosas.
  • 2003 - 1º lugar no Premio Internazionale Il Convivio (Poesia), promovido pela Accademia Internazionale Il Convivio (sediada na Itália), por seu livro A soleira e o século.
  • 2003 - 1º lugar no Prêmio Nacional Centenário de Hely Menegale (Poesia), promovido pela Academia Mineira de Letras, por seu livro A soleira e o século.
  • 2004 – Menção Honrosa no Prêmio Vivaldi Moreira (Poesia), promovido pela Academia Mineira de Letras, conferido a um livro inédito do poeta.
  • 2004 – Hors-concours no Prêmio de Poesia Centenário de Carminha Gouthier, promovido, em conjunto, pela Academia Mineira de Letras, pela AFEMIL e pela AMULMIG, por seu livro A soleira e o século.
  • 2005 – Menção Especial na 46ª edição do Premio Literario Casa de las Américas, em Cuba, por seu livro de contos Trinca dos traídos.
  • 2006 – Menção Honrosa no Prêmio Nacional Cassiano Ricardo (Poesia), promovido pela União Brasileira de Escritores (RJ), por seu livro Terra além mar.
  • 2007 – Prêmio Brasil América Hispânica (Poesia), promovido pela AFEMIL, por seu livro Terra além mar.
  • 2008 – Menção Honrosa no II Concurso Nacional Literatura para Todos (Poesia), promovido pelo Ministério da Educação (MEC), por seu livro Viavária.

Referências

AGUSTONI, Prisca (Org.). Oiro de Minas: a nova poesia das Gerais. Cascais: Ardósia Associação Cultural, 2008. BRASIL, Assis (Org.). A poesia mineira no século XX. Rio de Janeiro: Imago, p. 266-269. BUENO, Alexei. Uma história da poesia brasileira. Rio de Janeiro: G. Ermakoff Casa Editorial, 2007. p. 403-404. GONÇALVES, Magaly; AQUINO, Zélia; BELLODI, Zina (Org.). Antologia comentada da literatura brasileira: poesia e prosa. Petrópolis: Vozes, 2006.

Ícone de esboço Este artigo sobre um escritor do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.