José Carlos Burle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
José Carlos Burle
Nascimento 9 de julho de 1910
Recife
Morte 23 de outubro de 1983 (73 anos)
Atibaia
Cidadania Brasil
Ocupação ator, ator de cinema, compositor, diretor de cinema

José Carlos Queirós Burle (Recife, 19 de julho de 1910Atibaia, 23 de outubro de 1983) foi um compositor, ator, crítico de rádio e cineasta brasileiro.

Biografia[editar | editar código-fonte]

José Carlos Burle e o irmão Paulo unem-se, em 1941, a Moacyr Fenelon e inauguram a Atlântida Companhia Cinematográfica do Brasil S/A. Aos três, une-se o Conde Pereira Carneiro, proprietário do Jornal do Brasil. A Atlântida Cinematográfica, produz, nos primórdios de funcionamento, cinejornais – as Atualidades Atlântida.

Burle é compositor de sucessos como, Cabocla, gravada por Ary Barroso, Quase nada, gravada por Francisco Carlos e Meu limão, meu limoeiro, gravada por intérpretes como Inezita Barroso, Wilson Simonal e Eduardo Araújo. No cinema, Burle está presente como ator, montador, diretor de arte, compositor e produtor de quase todos os filmes que dirigiu.

O primeiro longa-metragem produzido pela Atlântida e dirigido por Burle é Moleque Tião (1943), estrelado por Grande Otelo e inspirado na infância do protagonista.

Em 1946, o presidente da República Eurico Gaspar Dutra assina o Decreto 20.943, que estabelece reserva de mercado para filmes brasileiros. Este decreto vem a calhar para as produções da Atlântida. Em sociedade com Luís Severiano Ribeiro Jr. – proprietário de uma cadeia de cinemas, uma empresa de distribuição e um laboratório de processamento de filmes – a Atlântida produz uma média de três filmes ao ano.

Burle é o primeiro diretor a abordar conflitos raciais, em 1949, com o filme Também somos irmãos.

No final da década de 1950, o governo de Juscelino Kubitschek é mais receptivo a produtos culturais estrangeiros e o cinema estadunidense é o grande vilão. Tal abertura é fatal a produção da Atlântida – cujo método é bastante artesanal. No ano de 1962, a produtora fecha suas portas.

O último filme de Burle é Terra sem Deus, produzido por Recifilmes, em 1963.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.