Mário Cláudio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mário Cláudio
Mário Claúdio na Feira do Livro de 2019
Nascimento 6 de novembro de 1941 (80 anos)
Porto, Portugal
Residência Porto
Cidadania Portugal
Alma mater Universidade de Coimbra

University College de Londres

Ocupação escritor, poeta, ensaísta
Período de atividade 1969 - presente
Prémios Grande Prémio de Romance e Novela da APE/DGLAB (1984, 2014)

Prémio Seiva de Literatura (1993)
Prémio P.E.N. Clube Português de Novelística (1998, 2007)
Prémio Pessoa (2004)
Prémio Clube Literário do Porto (2005)
Prémio Vergílio Ferreira (2008)
Prémio Fernando Namora (2008)
Prémio Autores de 2011

Género literário Ficção, Poesia, Teatro, livros infantis e ensaio
Obras destacadas Amadeo

Mário Cláudio é autor de uma vasta e multifacetada obra que abarca a ficção, a crónica, a poesia, a dramaturgia, o ensaio, a literatura infanto-juvenil e ainda letras para fado e inúmeros artigos publicados na imprensa nacional e estrangeira, proferido também palestras e conferências sobre temas literários ou conotados com a literatura. As suas obras estão traduzidas em inglês, castelhano, francês, italiano, alemão, húngaro, checo e croata.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Mário Cláudio (pseudónimo de Rui Manuel Pinto Barbot Costa) nasceu no Porto, em 6 de Novembro de 1941. Nesta cidade efectuou estudos secundários. Licenciado em Direito pela Universidade de Coimbra, veio a diplomar-se mais tarde com o Curso de Bibliotecário-Arquivista, da Faculdade de Letras da mesma Universidade. Como bolseiro do Instituto Nacional de Investigação Científica, frequentou a Universidade de Londres (University College), onde se pós-graduou como Master of Arts in Library and Information Studies. É professor do ensino superior. Foi condecorado com a Ordem de Santiago de Espada e recebeu a Medalha de Honra da Cidade. Recebeu a comenda de Chevalier des Arts et des Lettres, atribuída pelo Ministério da Cultura de França (2006). Foi investido Doutor Honoris Causa da Universidade do Porto, por proposta da FLUP, 2019.

Recebeu os seguintes prémios[editar | editar código-fonte]

  • Grande Prémio de Romance e Novela, da Associação Portuguesa de Escritores, pelo romance Amadeo.
  • Prémio Antena 1, da Radiodifusão Portuguesa, pelo romance Guilhermina.
  • Prémio Lopes de Oliveira, pelo romance Tocata para Dois Clarins.
  • Prémio PEN-Clube Português (2 vezes), pelo romance O Pórtico da Glória, em 1998, e pelo romance Camilo Broca, em 2007.
  • Prémio Eça de Queirós, pelo romance O Pórtico da Glória.
  • Grande Prémio de Crónica, da Associação Portuguesa de Escritores, pela antologia A Cidade no Bolso.
  • Prémio Seiva Trupe.
  • Prémio Pessoa pelo conjunto da sua obra, 2004.
  • Prémio Clube Literário do Porto / Alberto Pimentel
  • Prémio The Best of Porto, 2006.
  • Prémio Vergílio Ferreira.
  • Prémio Fernando Namora.
  • Grande Prémio de Romance e Novela, da APE, pelo romance Retrato de Rapaz, 2015.
  • Grande Prémio de Literatura DST Group, pela obra Astronomia, 2017.
  • Prémio D. Dinis, Fundação Casa de Mateus, pela obra Astronomia, 2017.
  • Grande Prémio de Crónica e Dispersos Literários, APE/CM Loulé, pela obra A Alma Vagueante, 2018.
  • Grande Prémio de Romance e Novela da APE/DGLAB, pelo romance Tríptico da Salvação, 2019.
  • Prémio Melhor Ficção 2018-2019 – Festival Literário de Fátima, pela obra Tríptico da Salvação, 2019.

Obras mais importantes[editar | editar código-fonte]

Ficção[editar | editar código-fonte]

  • Um Verão Assim, 1974, 1982, 1988.
  • As Máscaras de Sábado, 1976, 1982.
  • Damascena, 1983.
  • Improviso para Duas Estrelas de Papel, 1983.
  • Das Torres ao Mar, 1983.
  • A Quinta das Virtudes, 1990, 1991, 1992.
  • Amadeo (Trilogia da Mão), 1984, 1993.
  • Olga e Cláudio, 1984.
  • Guilhermina (Trilogia da Mão), 1986, 1993.
  • Duas Histórias do Porto, 1986.
  • A Fuga para o Egipto, 1987.
  • Rosa (Trilogia da Mão), 1988, 1993.
  • Tocata para Dois Clarins, 1992.
  • Itinerários (antologia de contos), 1993.
  • As Batalhas do Caia, 1995.
  • O Pórtico da Glória, 1997.
  • O Último Faroleiro de Muckle Flugga, 1998.
  • Peregrinação de Barnabé das Índias, 1998.
  • Ursamaior, 2000.
  • O Anel de Basalto e Outras Narrativas, 2002.
  • Oríon, 2003.
  • Gémeos, 2004.
  • Camilo Broca, 2006.
  • Boa noite, senhor Soares, 2008.
  • Tiago Veiga, uma biografia, 2011.
  • Retrato de Rapaz, 2014.
  • O Fotógrafo e a Rapariga, 2015.
  • Astronomia, 2015.
  • Os Naufrágios de Camões, 2017.
  • Memórias Secretas, 2018.
  • Tríptico da Salvação, 2019.
  • Três Novelas (Verão Assim | As Máscaras de Sábado | Damascena), 2020.
  • Embora Eu Seja Um Velho Errante, 2021.

Poesia[editar | editar código-fonte]

  • Ciclo de Cypris, 1969.
  • Sete Solstícios, 1972.
  • A Voz e as Vozes, 1977.
  • Estâncias, 1980.
  • Terra Sigillata, 1982.
  • Dois Equinócios, 1996.
  • Os Sonetos Italianos de Tiago Veiga, 2005.
  • Doze Mapas (poesia reunida, 1969-2019), 2019.

Crónica[editar | editar código-fonte]

  • O Outro Génesis, 1988.
  • Uma Coroa de Navios, 1992.
  • A Cidade no Bolso, 2000.
  • O Eixo da Bússola, 2007.
  • A Alma Vagueante, 2017.

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Noites de Anto (1996). Encenado por Filipe la Féria, na Casa da Comédia.
  • A Ilha do Oriente (1996). Encenado por Filipe La Féria para o Festival ACARTE.
  • Henriqueta Emília da Conceição (1997). Encenado por Celso Cleto para o Teatro Experimental do Porto.
  • O Estranho Caso do Trapezista Azul (1998). Encenado por Júlio Cardoso para a inauguração do Teatro do Campo Alegre.
  • Medeia (2008). Encenado por Carlos Avilez para o Teatro Experimental de Cascais.

Edições especiais[editar | editar código-fonte]

  • Meu Porto (2001).
  • Fotobiografia de António Nobre (2001).
  • Triunfo do Amor Português (2004).

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • Para o Estudo do Analfabetismo e da Relutância à Leitura em Portugal (como Rui Barbot Costa), 1979.
  • António Nobre: Correspondência com Cândida Ramos, 1982.
  • António Nobre. “Alicerces” seguido de “Livro de Apontamentos”, 1983.
  • Quarto de Noite, 1987.
  • Emerenciano ou o Teor das Actas, 1989.
  • Camilo Castelo Branco, Retrato a Sépia (2006).
  • Júlio Pomar, Um Álbum de Bichos (2007).

Viagem[editar | editar código-fonte]

  • Italy: 41 Impressions (de colaboração com Michael Gordon Lloyd), Turnbridge Wells, Badger Editions, 1979.

Tradução[editar | editar código-fonte]

  • Dezasseis Poemas de Odysseus Elytis, Porto, O Oiro do Dia, 1980.
  • William Beckford: Vathek, Porto, Edições Afrontamento, 1982.
  • Nikos Gatsos: Amorgos – A Uma Estrela Verde, Porto, O Oiro do Dia, 1982.
  • História do Califa Vathek, Porto, Edições Afrontamento, 1982.
  • Virginia Woolf: Rumo ao Farol, Porto, Edições Afrontamento, 1985.


Ícone de esboço Este artigo sobre Personalidades, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.