Manuel Clemente

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Manuel Clemente
Cardeal da Santa Igreja Romana
Cardeal-Patriarca de Lisboa

Título

Cardeal-Patriarca
Hierarquia
Papa Francisco
Atividade eclesiástica
Diocese Patriarcado de Lisboa
Nomeação 18 de maio de 2013
Entrada solene 7 de julho de 2013
Predecessor José da Cruz Cardeal Policarpo
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 29 de junho de 1979
Sé de Lisboa
por António Cardeal Ribeiro
Nomeação episcopal 6 de novembro de 1999
Ordenação episcopal 22 de janeiro de 2000
Mosteiro dos Jerónimos
por José da Cruz Policarpo
Nomeado Patriarca 18 de maio de 2013
Cardinalato
Criação 14 de fevereiro de 2015
por Papa Francisco
Ordem Cardeal-presbítero
Título Santo António in Campo Marzio
Brasão
Coat of arms of Manuel Clemente.svg
Lema In Lumine Tuo
Na Tua luz
Dados pessoais
Nascimento Torres Vedras
16 de julho de 1948 (74 anos)
Nome nascimento Manuel José Macário do Nascimento Clemente
Nacionalidade português
Progenitores Mãe: Maria Sofia Correia Lopes Macário
Pai: Francisco de Nascimento Clemente
Habilitação académica Licenciatura em História pela Universidade de Lisboa (1973)
Licenciatura em Teologia pela Universidade Católica Portuguesa (1979)
Doutoramento em Teologia Histórica pela Universidade Católica Portuguesa (1992)
Funções exercidas -Bispo-auxiliar de Lisboa (1999–2007)
-Bispo do Porto (2007–2013)
Títulos anteriores -Bispo-titular de Pinhel (1999–2007)
dados em catholic-hierarchy.org
Cardeais
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Manuel José Macário do Nascimento Clemente GCCGCNSC (Torres Vedras, São Pedro e Santiago, 16 de julho de 1948) é um cardeal português, 17.º e atual Cardeal-Patriarca de Lisboa, com o título de D. Manuel III.

Foi Bispo Auxiliar de Lisboa, como o título eclesiástico de Bispo Titular de Pinhel, de 1999 até 2007, quando foi nomeado Bispo do Porto pelo Papa Bento XVI. Permaneceu na Diocese do Porto até à sua nomeação como Patriarca de Lisboa em 2013 pelo Papa Francisco. Tomou posse canónica do Patriarcado na Sé Patriarcal de Lisboa a 6 de Julho de 2013, tendo no dia seguinte realizado a entrada solene no Mosteiro dos Jerónimos, numa Missa Solene concelebrada por todos os Bispos de Portugal e que contou com a presença do então Presidente da República Aníbal Cavaco Silva e de diversas autoridades civis e militares.

Em 4 de janeiro de 2015 o Papa Francisco anunciou a nomeação cardinalícia de Manuel Clemente, tendo sido elevado a cardeal-presbítero com o título da Igreja de Santo António dos Portugueses, Santo António in Campo Marzio, em 14 de fevereiro de 2015 no Consistório Ordinário Público de 2015.[1][2]

Formação e percurso académico e científico[editar | editar código-fonte]

Filho de Francisco do Nascimento Clemente e de sua mulher Maria Sofia Correia Lopes Macário, ingressou em 1973 no Seminário Maior de Cristo Rei dos Olivais e, no ano seguinte, licenciou-se em História na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa. A partir de 1975 leciona História da Igreja na Universidade Católica Portuguesa. Formou-se em Teologia nesta mesma universidade em 1979, ano em que foi ordenado presbítero a 29 de junho, já com 31 anos, pelo Cardeal-Patriarca D. António Ribeiro, na Sé de Lisboa. Doutorou-se em Teologia Histórica em 1992 com a tese intitulada ‘Nas origens do apostolado contemporâneo em Portugal. A «Sociedade Católica»’ (1843–1853). Foi diretor do Centro de Estudos de História Religiosa da mesma universidade entre 2000 e 2007. É, desde 1993, membro da Sociedade Científica da Universidade Católica e, desde 1996, Sócio Académico Correspondente da Academia Portuguesa de História. D. Manuel Clemente foi ainda coordenador de dois projetos financiados pela antiga Junta Nacional da Investigação Científica (atual Fundação para a Ciência e a Tecnologia): Igreja e movimentos sociais: as organizações católicas em Portugal no século XX (1993–1995) e O movimento católico e a presença da Igreja na sociedade portuguesa (1996–1998).

Vida eclesiástica[editar | editar código-fonte]

Após a sua ordenação presbiteral, desempenhou as funções de vigário paroquial coadjutor nas paróquias de Torres Vedras e Runa até 1980, quando foi nomeado para a equipa formadora do Seminário dos Olivais. Foi nomeado cónego da Sé Patriarcal em 1989. Entre 1989 e 1997 foi vice-reitor deste seminário e em 1997 foi promovido a reitor, sucedendo na altura ao recém nomeado arcebispo coadjutor de Lisboa, D. José da Cruz Policarpo. Foi coordenador do Conselho Presbiteral do Patriarcado 1996 e coordenador da Comissão Preparatória da Assembleia Jubilar do Presbitério para o ano 2000. É autor de uma vasta obra historiográfica, com destaque para títulos como: Portugal e os Portugueses e Um só propósito publicados em 2009 e Igreja e Sociedade Portuguesa, do Liberalismo à República.

Bispo[editar | editar código-fonte]

Bispo auxiliar de Lisboa[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado bispo auxiliar de Lisboa, com o título de bispo titular de Pinhel, a 6 de novembro de 1999 por Papa João Paulo II. A ordenação episcopal decorreu a 22 de janeiro de 2000 na Igreja do Mosteiro dos Jerónimos e teve como ordenante principal o bispo-patriarca D. José da Cruz Policarpo e como co-ordenantes os bispos D. Manuel Franco da Costa de Oliveira Falcão e D. Albino Mamede Cleto. Escolheu para lema episcopal: «In Lumine tuo».

Enquanto bispo auxiliar de Lisboa ficou responsável pela zona oeste do Patriarcado. Foi nomeado Promotor da Pastoral da Cultura na Conferência Episcopal Portuguesa a 11 de abril de 2002 e foi o presidente da Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais entre 2005 e 2011. É por isso uma figura reconhecida no meio cultural português com a sua contribuição na Pastoral Cultural em Portugal, é um excelente comunicador e é muito respeitado pelos meios intelectuais fora e dentro da Igreja. Há muitos anos que trabalha que colabora regularmente com vários órgãos de comunicação social, participando designadamente em O Dia do Senhor, da Rádio Renascença, há cerca de uma década, tendo ainda uma colaboração ativa na programação da Ecclesia na RTP2, que lhe dispõe um espaço de comentário semanal.

O seu espírito missionário fez com que fosse nomeado para coordenar a equipa portuguesa do Congresso Internacional para a Nova Evangelização (ICNE) que juntou as dioceses de Viena (2003), Paris (2004), Lisboa (2005), Bruxelas (2006) e Budapeste (2007). D. Manuel Clemente tem ligações ao movimento escutista: é escuteiro desde 1964, primeiro na Paróquia de São João de Deus e depois em Torres Vedras e tem participado em acampamentos com os escuteiros da zona oeste do patriarcado. O último foi no XXII Acampamento Nacional de Escuteiros (ACANAC) que decorreu em Idanha-a-Nova em 2012.[3] Tem assistido as Equipas de Nossa Senhora, um movimento que cultiva a espiritualidade dos casais, nomeadamente duas equipas de casais enquanto esteve em Lisboa.

Bispo do Porto[editar | editar código-fonte]

Foi nomeado bispo do Porto em 22 de fevereiro de 2007 pelo Papa Bento XVI, sucedendo a Dom Armindo Lopes Coelho. Entrou solenemente na diocese a 25 de março. Em 2008 foi o primeiro bispo português a transmitir a mensagem de Natal através do Youtube. Recebeu o Papa Bento XVI na cidade do Porto, no âmbito da Visita Apostólica a Portugal em 2010, no mesmo ano da "Missão 2010", um projeto que fez questão de lançar, tentando alcançar as várias comunidades cristãs. Conseguiu dinamizar esta diocese a ponto de lhe serem dirigidos vários elogios ao seu trabalho pastoral.

Em 2011 foi eleito vice-presidente da Conferência Episcopal Portuguesa, de que é presidente desde 2013 e foi nomeado membro do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais.[4]

Em 2012, no seguimento da publicação de uma Nota Pastoral da Conferência Episcopal Portuguesa, presidiu à sessão solene de abertura das celebrações do 150º aniversário do nascimento da Beata Irmã Maria do Divino Coração, a Condessa Droste zu Vischering e Madre Superiora do Convento das Irmãs do Bom Pastor do Porto, que foi a pessoa responsável por ter influenciado o Papa Leão XIII a efetuar a consagração do Mundo ao Sagrado Coração de Jesus. Dom Manuel Clemente manifestou sempre publicamente a sua especial devoção para com esta personalidade religiosa.

Patriarca de Lisboa[editar | editar código-fonte]

O anúncio oficial foi feito através da Nunciatura Apostólica a 18 de maio de 2013[5] numa nota enviada à agência Ecclesia. Numa declaração de despedida à diocese do Porto, D. Manuel Clemente deixa a certeza de que “o coração não tem distância, só profundidade acrescida”.[6] A posse canónica decorreu a 6 de julho na Sé Patriarcal, perante o cabido da mesma, e a entrada solene no Patriarcado de Lisboa realizou-se no dia seguinte, a 7 de julho de 2013, na Igreja do Mosteiro dos Jerónimos.[7]

A Nunciatura Apostólica relembra que a resignação “por limite de idade” do Cardeal-Patriarca Emérito, D. José Policarpo, apresentada em 2011 aos 75 anos, já tinha sido aceite pelo Papa Bento XVI, decisão confirmada pelo Papa Francisco. Considerado um dos profundos pensadores do País na atualidade, o Bispo do Porto há muito que era dado como o mais provável sucessor de D. José Policarpo. D. Manuel Clemente assumiu, assim, o mais destacado cargo da Igreja Católica em Portugal, ocupando o lugar de D. José Policarpo, que era Cardeal-Patriarca desde 1998. Pelo facto de Lisboa ser sede de um Patriarcado Metropolitano, ou seja, o Patriarca é também Metropolita da Província Eclesiástica de Lisboa, D. Manuel Clemente recebeu o pálio das mãos do Papa Francisco, durante a cerimónia de imposição que decorreu a 29 de junho de 2013, na Basílica de São Pedro.[8][9]

Brasão de armas[editar | editar código-fonte]

Coat of arms of Manuel Clemente.svg

O Brasão de Armas de D. Manuel Clemente, Patriarca de Lisboa, tem a seguinte leitura heráldica: escudo de prata, com cruz latina de vermelho carregada, no cruzamento dos braços, de uma estrela de oito raios de ouro. O escudo assente sobre a cruz arquiepiscopal (patriarcal) de ouro, com pedraria de vermelho, encimada pelo galero de 30 borlas, como é uso dos Patriarcas da Igreja Latina, de púrpura como é próprio do Patriarca de Lisboa. Sotoposto ao escudo, listel branco com o lema episcopal (latino) em maiúsculas “IN LUMINE TUO”.

Mensagens de felicitações[editar | editar código-fonte]

Numa mensagem deixada no site da Presidência da República Portuguesa, Cavaco Silva felicita D. Manuel Clemente “por essa prova de distinção e apreço de Sua Santidade o Papa Francisco”. A escolha do bispo do Porto para o Patriarcado de Lisboa representa para o Presidente da República “o reconhecimento do percurso do servidor da Igreja e do académico ilustre, do homem de cultura e do cidadão exemplar”. “A sociedade portuguesa, que tão bem conhece, recorda as suas intervenções lúcidas, moderadas, bem como o profundo sentido social e humanista da sua ação, atributos tão relevantes no momento de grande exigência que o país atravessa”, acrescenta a mensagem de Cavaco Silva. Já o Ministério dos Negócios Estrangeiros, num comunicado, diz que recebe a nomeação com “o caloroso entusiasmo que merece a personalidade do atual Bispo do Porto”. “D. Manuel Clemente é reconhecidamente um homem de fé, cultura e sensibilidade social. Profundo conhecedor da história da Igreja portuguesa é, simultaneamente, um inspirado intérprete do tempo presente”, lê-se na nota do ministério de Paulo Portas, onde se agradece e reconhece também a “permanente disponibilidade” do cessante D. José Policarpo.

Cardeal[editar | editar código-fonte]

O Papa Clemente XII, pela Bula “Inter Praecipuas Apostolici Ministerii” de 17 de fevereiro de 1737, estabeleceu perpetuamente que o prelado nomeado Patriarca de Lisboa fosse elevado à dignidade cardinalícia no Consistório imediatamente seguinte à sua eleição.[10] Já durante o século XX, a conjugação da obrigatoriedade de apresentação de renúncia aos 75 anos para os bispos da Igreja latina com a perda do direito de eleição do Papa para os cardeais com mais de 80 anos levou os Papas a evitar a nomeação como cardeal do bispo (ou arcebispo) de uma Sé cujo bispo emérito fosse ainda Cardeal Eleitor. Formou-se assim um novo costume pontifício que tem sido quase sempre observado.

Com a morte de D. José Policarpo, Cardeal-Patriarca Emérito de Lisboa, em 12 de março de 2014, a Sé Patriarcal de Lisboa deixou de ter um Cardeal Eleitor. Por conseguinte e em cumprimento do privilégio perpétuo concedido ao Patriarcado de Lisboa foi anunciado pelo Papa Francisco, em 4 de janeiro de 2015, que D. Manuel Clemente seria elevado a Cardeal a 14 de fevereiro de 2015 no Consistório Ordinário Público de 2015.[11]

O rito de imposição do barrete e da entrega do anel e da bula de criação cardinalícos a D. Manuel Clemente decorreu a 14 de fevereiro de 2015, na Basílica de São Pedro, em Roma. O Patriarca de Lisboa, 44º cardeal da história da Igreja Portuguesa, foi investido com o título de Santo António in Campo Marzio, vinculado à Igreja de Santo António dos Portugueses, e que havia sido atribuído ao seu antecessor, D. José Policarpo.

Após a elevação a Cardeal D. Manuel Clemente assumiu o título de D. Manuel III, Cardeal-Patriarca de Lisboa.

Polémicas[editar | editar código-fonte]

Em 2022, foi acusado por órgãos de comunicação social de ter ocultado a denúncia de abusos sexuais de um sacerdote na década de 1990, tendo-o mantido em funções noutro local e em contacto com jovens.[12] O sacerdote em questão continuou a gerir uma associação privada onde acolhe famílias, jovens e crianças, [13][14][15][16][17]

Confrontado com a acusação, Manuel Clemente, que tomou posse como Patriarca em 2013, disse que o caso ocorreu durante o mandato do seu antecessor (José Policarpo, falecido em 2014), tendo se encontrado com a vítima a seu pedido em 2019 e que a mesma lhe tinha pedido para o caso não ser denunciado.[18][19][20] Assim, não foi feita denúncia às autoridades civis nem houve um procedimento interno da Igreja, ainda que fosse essa já a orientação na época, com o Papa Francisco no Vaticano.[12] D. Manuel Clemente tinha sido o representante português numa cimeira (em Fevereiro de 2019) sobre o tema dos abusos sexuais, convocada pelo Papa Francisco, da qual saíram mensagens muito claras: o foco da Igreja tem de estar nas vítimas, os casos têm de ser comunicados às autoridades e os bispos não devem poupar esforços para proteger as crianças e os jovens de possíveis abusos. Foi depois desta cimeira que D. Manuel Clemente, novo patriarca de Lisboa, se reuniu com a vítima .[12]

Em 2020, foram aprovadas as novas orientações eclesiásticas, pelo Papa Francisco em Julho de 2020,[12] que determinam que todos os casos de abuso de menores devem ser comunicados às autoridades civis, mesmo em países onde não existe essa obrigação legal (como em Portugal), uma vez que é necessário proteger não só as vítimas, como também evitar que os presumíveis abusadores possam reincidir nos seus crimes. Uma vez que essas normas só entraram em vigor a 16 de julho de 2020, Clemente considera que não estava obrigado a segui-las aquando do encontro com a vítima.[12] Entretanto, a nível criminal o caso já prescreveu.[12][21]

O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa pronunciou-se publicamente sobre o caso, rejeitando que tenha havido ocultação de crimes pelos Cardeais José Policarpo e Manuel Clemente. Rebelo de Sousa ressalvou que esta é a sua “opinião pessoal”, fruto do “conhecimento de muitos anos” de D. José Policarpo e D. Manuel Clemente.[22][23]

Em 1 de agosto de 2022, num comunicado o Patriarcado de Lisboa declarou que um sacerdote foi suspenso de funções, enquanto decorre o apuramentos dos factos, num caso de possível violação duma mulher adulta. O caso, sem relação com o primeiro, foi comunicado às autoridades civis competentes, mas não se enquadra no âmbito da Comissão de Proteção de Menores.[24][25]

Uma investigação da RTP afirma que D. Manuel Clemente terá protegido um padre (Inácio Belo) suspeito de abuso de menores em 2003, quando era bispo auxiliar de Lisboa e reitor do seminário de Olivais. D. José Policarpo, na altura cardeal-patriarca, e o então bispo auxiliar Manuel Clemente, optaram por manter o padre em funções. O padre viria a cessar funções em 2010, ainda durante o mandato patriarcal de D. José Policarpo. O processo criminal foi arquivado pelo Ministério Público por motivo de prescrição.[26]

Depois do encontro com o Papa Francisco a seu pedido, ocorrido a 5 de agosto, terá colocado o seu lugar à disposição. O Papa Francisco terá pedido que permaneça no cargo até às Jornadas Mundiais da Juventude, que irão decorrer em Lisboa em agosto de 2023, se o seu estado de saúde permitir, ano em que completa 75 anos e deverá pedir a resignação por limite de idade.[27]

Condecorações e distinções[editar | editar código-fonte]

Condecorações e medalhas[editar | editar código-fonte]

Distinções[editar | editar código-fonte]

Obras e artigos publicados[editar | editar código-fonte]

Segue-se uma lista de livros, estudos e artigos da autoria de D. Manuel Clemente sobre temas das áreas de História, Teologia e Pastoral, publicados em edições e revistas da especialidade:

Referências

  1. «Papa reforça peso das igrejas periféricas ao nomear 15 novos cardeais eleitores». Jornal Público. Publico.pt. 4 de janeiro de 2015. Consultado em 5 de janeiro de 2015 
  2. «Annuncio di Concistoro per la creazione di nuovi Cardinali» (em italiano). News.va. Consultado em 5 de janeiro de 2015 
  3. «Bispo do Porto acampa dois dias com os escuteiros». Jornal de Notícias. Jn.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  4. «Agencia Ecclesia». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  5. «Bollettino de Sala Stampa della Santa Sede». Estado da Cidade do Vaticano. Attualita.vatican.va. Consultado em 18 de maio de 2013. Arquivado do original em 7 de junho de 2013 
  6. «Mensagem aos diocesanos do Porto». Diocese-porto.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  7. «Agência Ecclesia: Tomada de Posse do novo Patriarca». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 24 de maio de 2013 
  8. Código de Direito Canónico, Cân. 437 §1, 4.ª edição revista, 1983
  9. «Imposição do Pálio a D. Manuel Clemente». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 24 de junho de 2013. Arquivado do original em 30 de janeiro de 2015 
  10. «BULA "INTER PRAECIPUAS APOSTOLICI MINISTERI" DE CLEMENTE XII PELA QUAL CONCEDEU E DETERMINOU IN PERPETUUM QUE A PESSOA QUE FOSSE NOMEADA PATRIARCA DE LISBOA NO CONSISTÓRIO IMEDIATO SEGUINTE A SUA ELEIÇÃO, FOSSE PROMOVIDO À DIGNIDADE CARDINALÍCIA». Digitarq.arquivos.pt 
  11. «Dom Manuel Clemente nomeado Cardeal pelo Papa Francisco». Jornal de Notícias. Jn.pt 
  12. a b c d e f Simões, Sónia; Gomes, João Francisco (29 de Julho de 2022). «Um caso resolvido no passado e os padrões que não correspondem aos de hoje. A carta aberta de D. Manuel Clemente nas entrelinhas». Observador 
  13. Tavares, João Miguel (28 de Julho de 2022). «Caro D. Manuel Clemente: pedofilia não é só pecado. É crime». Público 
  14. «D. Manuel Clemente terá ocultado denúncia de abusos sexuais». www.dn.pt. Consultado em 31 de julho de 2022 
  15. Gomes, Agência Lusa, João Francisco. «Abusos sexuais. Patriarcado de Lisboa diz estar "totalmente disponível para colaborar com as autoridades"». Observador. Consultado em 31 de julho de 2022 
  16. «Patriarca de Lisboa ocultou denúncia de abusos sexuais e manteve padre em funções». TSF Rádio Notícias. 27 de julho de 2022. Consultado em 28 de julho de 2022 
  17. «D. Manuel Clemente ocultou denúncia de abuso sexual às autoridades». www.jn.pt. Consultado em 28 de julho de 2022 
  18. «Carta Aberta do Cardeal-Patriarca de Lisboa». Site do Patriarcado de Lisboa, 29 de julho de 2022 
  19. «"Marquei um encontro com a vítima", diz Patriarca em carta aberta». Sábado, 29 de julho de 2022 
  20. «Proteção de Menores: «Que ninguém tenha medo de denunciar», pede patriarca de Lisboa». Agência Ecclesia, 29 de julho de 2022 
  21. Carvalho, Patrícia (27 de Julho de 2022). «Dois patriarcas de Lisboa terão calado queixa sobre alegado abuso sexual por um padre». PÚBLICO 
  22. Observador (28 de Julho de 2022). «Marcelo Rebelo de Sousa rejeita ocultação de crimes» 
  23. «Marcelo corrige discurso antes de receber a Comissão Independente: "É preciso investigar até ao fim" abusos sexuais na Igreja». Jornal Expresso. 5 de agosto de 2022 
  24. «Comunicado». Site do Patriarcado de Lisboa, 1 de agosto de 2022 
  25. Gomes, João Francisco (1 de Agosto de 2022). «Patriarcado de Lisboa afasta padre após receber denúncia de violação — e comunicou o caso à polícia». Observador 
  26. «Em 2003. Manuel Clemente terá protegido padre suspeito de abusos». RTP. 6 de agosto de 2022 
  27. «D. Manuel Clemente pôs lugar à disposição do Papa Francisco». Nascer do SOL. 6 de agosto de 2022 
  28. «Cidadãos Nacionais Agraciados com Ordens Portuguesas». Presidência da República Portuguesa. Resultado da busca de "Manuel José Macário do Nascimento Clemente". Presidência da República Portuguesa. Consultado em 1 de setembro de 2015 
  29. «Agência Ecclesia». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  30. «Ordem de Malta em Portugal». Consultado em 20 de maio de 2013 
  31. «Agência Ecclesia». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  32. «Câmara Municipal de Vila Nova de Gaia». Cm-gaia.pt. Consultado em 18 de maio de 2013. Arquivado do original em 13 de novembro de 2013 
  33. «Câmara Municipal do Marco de Canavezes». Cm-marco-canaveses.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  34. «Agência Ecclesia». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  35. «Câmara Municipal de Valongo». Cm-valongo.pt. Consultado em 18 de maio de 2013. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2015 
  36. «Agência Ecclesia». Agencia.ecclesia.pt. Consultado em 18 de maio de 2013 
  37. «Junta de Freguesia de Melres». Melres.jfreguesia.com. Consultado em 18 de maio de 2013. Arquivado do original em 4 de janeiro de 2015 
  38. «Prémio Pessoa». Premiopessoa.pt. Consultado em 18 de maio de 2013. Arquivado do original em 24 de janeiro de 2015 
  39. «Universidade Lusófona agracia D. Manuel Clemente com doutoramento "honoris causa"». Loc.grupolusofona.pt. Consultado em 18 de maio de 2013. Arquivado do original em 29 de maio de 2012 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Hugo Mark Gerbermann
Brasão episcopal
Bispo-titular de Pinhel

19992007
Sucedido por
Guillermo Martín Abanto Guzmán
Precedido por
Armindo Lopes Coelho
Brasão episcopal
Bispo do Porto

20072013
Sucedido por
António Francisco dos Santos
Precedido por:
Dom José da Cruz Cardeal Policarpo
Brasão patriarcal
17.º Patriarca de Lisboa

2013
Sucedido por:
'
Coat of arms of Manuel Clemente.svg
Cardeal-Presbítero de
Santo António in Campo Marzio

2015