Mateus Soares de Azevedo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Mateus Soares de Azevedo (Belo Horizonte, 24 de janeiro de 1959) é um historiador das religiões, islamólogo e esoterismólogo brasileiro de trânsito internacional. É autor de uma dezena de livros em torno da Filosofia Perene, alguns deles traduzidos para o inglês e o espanhol. Seus livros mais recentes são O Livro dos Mestres: Encontros com homens e mulheres notáveis dos Tempos Modernos (São Paulo, Ibrasa, 2016) e Filosofia Perene e Cristianismo: o desafio da modernidade (São Paulo, Ibrasa, 2016). Como tradutor, verteu do inglês e do francês livros dos autores perenialistas Frithjof Schuon, William Stoddart, Martin Lings e Rama Coomaraswamy.

Vida[editar | editar código-fonte]

Nascido na capital mineira, em família com raízes em Ouro Preto, ele passou a infância nesta cidade histórica. Seus antepassados incluem Bernardo Pereira de Vasconcelos, ministro da Justiça e da Fazenda no Império e governador de Minas Gerais, e Diogo de Vasconcelos, renomado historiador e político, autor da História Média de Minas Gerais. Em São Paulo, ele cursou o antigo ginásio e o científico no Colégio Santa Cruz, Letras na Universidade de São Paulo (USP) e Jornalismo na Pontifícia Universidade Católica (PUC/SP). Cursou também Relações Internacionais na George Washington University (Estados Unidos), e obteve o mestrado em História das Religiões pela Universidade de São Paulo. Viveu uma temporada em Londres, na década de 1980, onde travou contato com a obra do metafísico francês René Guénon. A Crise do Mundo Moderno e O Reino da Quantidade, dois dos clássicos de Guénon, expõem as contradições da mentalidade moderna, caracterizada como materialista, relativista e individualista. Na década de 1990, viveu uma temporada em Washington, nos Estados Unidos, onde foi aluno de William Stoddart, Rama Coomaraswamy e S H. Nasr. Lá se aprofundou no estudo da Filosofia Perene e travou contato com a obra do metafísico alemão Frithjof Schuon. Para Soares de Azevedo,[1] a Filosofia Perene lança uma luz original e contemporânea sobre o patrimônio espiritual dos povos e, por assim dizer, atualiza a mensagem das religiões tradicionais, especialmente de Cristianismo, Islã e Budismo, oferecendo ao homem do século XXI uma alternativa prática ao ceticismo e confusão modernos. Vale destacar que os precursores da Filosofia Perene foram os mestres sapienciais do passado, sábios como Platão, Pitágoras, Shânkara e Mestre Eckhart, e que os fundamentos desta escola de pensamento estão na metafísica pura, ou na "natureza das coisas", e não em uma das grandes Revelações religiosas, a despeito de a Filosofia Perene prescrever a necessidade de vínculo pessoal a uma destas formas da verdade e da salvação.

Realizações[editar | editar código-fonte]

É autor de uma dezena de livros sobre a Filosofia Perene e as dimensões místicas e esotéricas de Cristianismo e Islã. Dos mais ativos expositores da escola perenialista e da obra de Frithjof Schuon em língua portuguesa, seu livro mais recente é O Livro dos Mestres: Encontros com homens e mulheres notáveis dos Tempos Modernos, que contém perfis de sábios e santos de várias tradições, como Padre Pio, Cheique Al-Alawi e Sri Ramama Maharshi. Apresenta pela primeira vez ao público brasileiro e português místicos praticamente desconhecidos aqui, como a anglicana Lilian Staveley e a indiana Ananda Moy Ma. Os mestres da Filosofia Perene no século XX também são biografados no livro, incluindo René Guénon, Martin Lings, Titus Burckhardt e Frithjof Schuon.

Soares de Azevedo fez várias viagens à Europa para contatar autoridades religiosas, recolher material para seus livros e entrevistar autores perenialistas. No Velho Continente, aprofundou-se no conhecimento dos três principais ramos do Cristianismo, visitando países católicos, como Portugal, Espanha, França, Itália e Irlanda; protestantes, como Inglaterra, Holanda, Suíça e Alemanha; e ortodoxos, como a Rússia. Viajou também a países muçulmanos, como Turquia, Marrocos, Bósnia e Tunísia, em busca de contato direto com a realidade islâmica. No Japão, aprofundou-se no Budismo amidista e no Xintô.

Outros livros seus recentes são Filosofia Perene e Cristianismo: o desafio da modernidade, Ocultismo e Religião: em Freud, Jung e Mircea Eliade [2] e "Homens de um Livro Só: o Fundamentalismo no Islã, no Cristianismo e no Pensamento Moderno" [3]. Nesta última obra, discute o fundamentalismo militante, o sequestro da religião pela intolerância e, também, o moderno fenômeno do que chama de fundamentalismo anti-religioso (sobretudo o de escritores ateus como Christopher Hitchens e Richard Dawkins). Homens de um Livro Só foi traduzido para o inglês e publicado nos Estados Unidos em 2010.[4]

Em A Inteligência da Fé: Cristianismo, Islã, Judaísmo (Nova Era, 2006), traça convergências entre as três grandes tradições monoteístas, enfatizando suas dimensões mais universais e esotéricas.[5]

Mateus publicou mais de uma centena de ensaios de filosofia das religiões e crítica da mentalidade materialista nos principais jornais brasileiros, como Folha de S.Paulo, O Estado de S. Paulo, História Viva, entre outros. Alguns deles foram traduzidos para o inglês, o francês e o espanhol, e publicados nos journals Sophia (EUA), Sacred Web (Canadá) e Dossier H (França).

Organizou e editou uma antologia sobre a influência da Filosofia Perene no Cristianismo, intitulada Ye Shall Know the Truth: Christianity and the Perennial Philosophy ("Conhecereis a Verdade: Cristianismo e Filosofia Perene"). O volume foi publicado nos EUA por World Wisdom.[6] Neste volume, colaborou com a Introdução e o capítulo "Sábios e santos de nossa época à luz da Filosofia Perene", no qual discute os aspectos comuns do pensamento e da ação de figuras de diferentes tradições, como os franciscanos Padre Pio e Consolata Betrone, o mestre sufi Ahmad al-Alawi, o visionário pajé sioux Black Elk e o sábio indiano Shri Ramana Maharshi.

Traduziu e editou duas dezenas de obras dedicadas às ideias e à relevância da Filosofia Perene e da espiritualidade tradicional no mundo contemporâneo. Entre elas, O Homem no Universo, Forma e Substância nas Religiões e Para Compreender o Islã, de Frithjof Schuon. A Arte Sagrada de Shakespeare, de Martin Lings, e Cartas do diabo ao seu aprendiz, de C. S. Lewis. Nos Estados Unidos, organizou e editou Remembering in a World of Forgetting: Thoughts on Tradition and post-modernism, coletânea dos melhores ensaios do perenialista britânico William Stoddart.

Soares de Azevedo vive em São Paulo, capital.

Obras[editar | editar código-fonte]

Contribuições e introduções[editar | editar código-fonte]

  • A Unidade Transcendente das Religiões (de F. Schuon. Irget, 2013. 2a edição, revista e ampliada.)
  • Lembrar-se num Mundo de Esquecimento (de W. Stoddart. Sapientia, 2013)
  • Traços de Luz (de Faouzi Skali. D'Livros, 2013)
  • Ensaios sobre a Destruição da Tradição Cristã (de Rama Coomaraswamy) (Irget, 2013. 2a edição, revista e ampliada.)
  • Forma & Substância nas Religiões (de Fritthjof Schuon. Sapientia, 2010) ISBN 9788562052033
  • Remembering in a World of Forgetting: Thoughts on Tradition and Postmodernism (de William Stoddart. World Wisdom, EUA, 2006) ISBN 9781933316468
  • O Estudo das Religiões: desafios contemporâneos (de Silas Guerriero. Paulinas, 2001)
  • Para Compreender o Islã (de Frithjof Schuon. Record, 2005)
  • O Homem no Universo (de Frithjof Schuon. Perspectiva, 2001)
  • O Sentido das Raças (de Frithjof Schuon. Ibrasa, 2002)
  • O Budismo ao seu alcance (de William Stoddart. Record, 2004)
  • Sabedoria Tradicional & Superstições Modernas" (de Martin Lings. Polar, 1990)
  • Dossier H - Frithjof Schuon (de P. Laude e J-B Aymard. Dervy-Livres, Paris, 2001)

Prêmios internacionais[editar | editar código-fonte]

A edição em inglês de Homens de um Livro Só, publicada por World Wisdom Books, conquistou os seguintes prêmios literários nos Estados Unidos:

- primeiro lugar no USA Best Books 2011 Awards, na categoria Religião Comparada;

- "Silver medal" do Midwest Book Award, na categoria “Current Events” (eventos da atualidade);

- finalista do prestigiado Book of the Year Award, na categoria Religião.[7]

Artigos[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Ver A Inteligência da Fé (Rio de Janeiro, Record, 2006)
  2. São Paulo: editora Ibrasa, 2011.
  3. Rio de Janeiro: editora Best Seller/Nova Era, 2008.
  4. http://www.worldwisdom.com/public/products/978-1-935493-18-1_Men_of_a_Single_Book.aspx?ID=231
  5. Excertos disponíveis em Leia trechos de 2 lançamentos da Nova Era, Folha de S.Paulo.
  6. Ye Shall Know The Truth: Christianity and The Perennial Philosophy informação do catálogo da editora.
  7. http://www.worldwisdom.com/public/products/978-1-935493-18-1_Men_of_a_Single_Book.aspx?ID=231.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.