Murasaki Shikibu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Murasaki Shikibu
紫式部
Nascimento 978
Morte 1031 (53 anos)
Gênero literário waka

Murasaki Shikibu ( 紫式部 ? , conhecida no ocidente como Lady Murasaki, 973 ou 978 - 1014 ou 1031) foi uma romancista japonesa, poeta e dama de companhia na corte imperial durante o período Heian . Ela é mais conhecido como a autora do Genji Monogatari (A História dos Genji), escrito aproximadamente entre 1000 e 1012 [1][2]. Murasaki Shikibu era seu nome artístico; seu nome real é desconhecido, mas acredita-se que seja Fujiwara Takako , mencionada no Diário da Corte de 1007 como uma dama de companhia imperial [3].

A Mulher[editar | editar código-fonte]

Como em qualquer sociedade medieval, as mulheres da corte japonesa, embora muito privilegiadas em comparação com as das classes mais baixas, estavam sujeitas a uma série de regras e limites. Além de totalmente isoladas do mundo externo, elas também viviam limitadas pela própria língua, visto que desconheciam o vocabulário da linguagem culta, que era então de uso exclusivo dos eruditos do sexo masculino. A despeito das circunstâncias, um grupo de nobres japonesas talentosas criou a melhor literatura da época, dentre as quais Murasaki Shikibu é o nome mais eminente. No Japão do período Heian, assim como na Grécia clássica, no Islã, na Índia pós-védica e na Europa medieval, as mulheres estavam proibidas de ler o que se considerava literatura séria: deviam restringir-se à diversão banal e frívola das novelas e fábulas que os eruditos confucianos desprezavam.

Mesmo que todas as bibliotecas da literatura chinesa e japonesa estivessem abertas para elas, as mulheres do período Heian não identificariam a realidade do seu cotidiano nas narrativas de autoria masculina. Portanto, em parte para ampliar o acervo da literatura feminina, e em parte para dar expressão à sua visão do mundo, elas criaram uma literatura própria. Para registrá-la, criaram também um estilo de escrita caracterizado pela transcrição fonética da língua que tinham permissão de falar, o Kanabungaku, um japonês expurgado de quase todas influências de palavras chinesas. Essa língua escrita veio a ser conhecida como escrita das mulheres e, estando restrita à mão feminina, adquiriu, aos olhos dos homens que as dominavam, uma qualidade erótica. Louis Perez explica em sua A História do Japão que: as mulheres ... eram criadas ​​para serem incapazes de ter uma inteligência real e, portanto, não foram educadas no chinês [4].

Mas Murasaki, nascida na casa de um erudito (Fujiwara no Tametoki, Kokushi de Echizen), mostrou uma aptidão precoce para os clássicos chineses e conseguiu adquirir fluência na língua culta. O bisavô de Murasaki, Fujiwara no Kanesuke , pertencera as camadas superiores da aristocracia, mas seu ramo familiar foi perdendo força e no momento do nascimento de Murasaki a família só conseguia cargos como governadores provinciais [5]. Os escalões inferiores da nobreza tinham seus postos longe da Corte nos indesejáveis cargos nas províncias, exilados do poder central em Quioto [6].

Seu Casamento[editar | editar código-fonte]

Murasaki na época de seu casamento deveria estar com seus vinte e poucos anos, era um pouco velha pelos padrões da era Heian para se casar [7].

Se casou um primo de segundo grau muito mais velho, Fujiwara Nobutaka, descendente do mesmo ramo do clã Fujiwara, o Kanjūji , ele era membro da Corte e como o pai de Murasaki trabalhava no "Shikibu-shō" (Ministério do Cerimonial) [8]. Tinha a reputação de se vestir de maneira extravagante e de ser um dançarino talentoso [7].

Murasaki teve com ele sua única filha (Daini no Sanmi) [9], antes de seu marido morresse, dois anos depois de se casarem [10].

É incerto quando ela começou a escrever o Genji Monogatari, mas provavelmente logo após ter ficado viúva. Em 1005, Murasaki foi convidada a servir como uma das damas de companhia ( nyōbō ) da Imperatriz Fujiwara no Shoshi (Taiken-mon-In), esposa do Imperador Ichijo na Corte Imperial, provavelmente por causa de sua reputação como escritora [3].

O Legado Literário[editar | editar código-fonte]

Consta que além do monumental Genji Monogatari, Lady Murasaki Shikibu escreveu um Diário, onde com acuidade fez um registro e análise do monótono cotidiano de uma mulher nobre do período Heian. Mas foi, de fato, com a História dos Genji que seu nome transpôs os muros do palácio imperial e se expandiu para além de sua época e país de nascimento. Com um estilo quase proustiano de escrever, ela hoje figura entre os grandes escritores da literatura universal, e o seu Genji Monogatari é tido como um clássico da literatura japonesa. Sua narrativa é fluente e dotada de agudeza psicológica, mas o enredo é longo (1.100 páginas na tradução de Edward G. Seidensticker) e complexo, requerendo extrema atenção do leitor devido ao número excessivo de personagens — além do príncipe Genji, há outros 50 personagens principais. Não obstante, a história é apaixonante e Genji lembra, em certas passagens, a Dom Juan de Lord Byron. Comparada a Jane Austen e Virginia Woolf, Lady Murasaki é irônica e intimista, e às vezes parece antecipar Freud ao demonstrar, sutilmente, como as transferências eróticas podem ser substituições de relacionamentos passados.

O crítico norte-americano, Harold Bloom, que incluiu Lady Murasaki entre os 100 maiores gênios da literatura, disse que "a História dos Genji está para cultura japonesa assim com Dom Quixote está para a cultura ocidental" [11]

Por seus feitos foi considerada para fazer parte do Nyōbō Sanjūrokkasen ( 女房三十六歌仙 , as trinta e seis grandes poetisas?), relacionadas no período Kamakura, refere-se a versão feminina dos Trinta e seis Imortais da Poesia [12].

Referências

  1. George Herman (2000). «Genji Monogatari» (em inglês). dartmouth.edu. Consultado em 10 de setembro de 2013. 
  2. «The Tale of Genji» (PDF) (em inglês). asian-studies.org. 2005. p. 1. Consultado em 10 de setembro de 2013. 
  3. a b Chieko Irie Mulhern, Japanese Women Writers: A Bio-critical Sourcebook (em inglês) Greenwood Publishing Group, 1994 pp. 257 - 258 ISBN 9780313254864
  4. Louis G.Perez,The History of Japan (em inglês) Westport CT: Greenwood Press.(1990) p. 21 , ISBN 9780313302961
  5. Haruo Shirane, The Bridge of Dreams: A Poetics of "The Tale of Genji". (em inglês). Stanford CA: Stanford University Press, 1987. p. 215 ISBN 9780804717199
  6. Richard John Bowring (ed). The Diary of Lady Murasaki. (em inglês). London: Penguin UK, 1996. p. 14 ISBN 9780140435764
  7. a b Chieko Irie Mulhern, Heroic with Grace: Legendary Women of Japan (em inglês) Routledge, 2015 pp. 83 – 85, ISBN 9781317468684
  8. Richard John Bowring Bowring, Murasaki Shikibu: The Tale of Genji (em inglês)Cambridge University Press, 2004 pp. 3 - 5 . ISBN 9780521832083
  9. Sagnik Bhattacharya , A Hundred Autumn Leaves: The Ogura Hyakunin Isshu: Translated and Annotated (em inglês) Partridge Publishing, 2015 p.253 ISBN 9781482859195
  10. Jocelyne Godard, Na Ponta do Leque (em português) Primavera Editorial, 2015, p 467 ISBN 9788561977894
  11. Volterra, WE, THE NOVELIST (em inglês) SKRYCOFT Publishing, 2014 pp. 60-61 ISBN 9781927113356
  12. Nyōbō Sanjūrokkasen (em japonês) página visitada em 28/05/2015