Nefropatia por IgA

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa (desde janeiro de 2013). Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Nefropatia por IgA
Imunoglobulina A
Classificação e recursos externos
CID-9 583.9
OMIM 161950
DiseasesDB 1353
MedlinePlus 000466
eMedicine med/886
Star of life caution.svg Aviso médico

A nefropatia por IgA (NIgA) ou doença de Berger ocorre em qualquer faixa etária, sendo incomum em pacientes com idade inferior a 10 anos e superior a 50 anos. A idade de maior prevalência gira em torno de 20 a 30 anos. Há maior acometimento do sexo masculino e é incomum na raça negra.

O quadro clínico é caracterizado por surtos de hematúria macroscópica ou microscópica, associado a infecções inespecíficas das vias aéreas superiores ou exercícios físicos. O paciente também pode apresentar mal estar geral, dores musculares e disúria. A hipertensão ocorre em 10% dos casos e a função renal é na maioria das vezes normal.

Síndrome nefrótica é rara e a proteinúria situa-se em torno de 1 a 2 gramas por dia. Na maioria dos casos a função renal se mantém normal, mas uma porcentagem dos pacientes (cerca de 20 a 30%) evolui para insuficiência renal crônica terminal após 20 anos de seguimento.

Os portadores de NIgA apresentam aumento do nível sérico dessa imunoglobulina por déficit de excreção hepática ou aumento de sua síntese. A lesão renal é secundária à deposição dessa imunoglobulina nas estruturas glomerulares.

O achado anátomo-patológico mais característico é a deposição de IgA no mesângio.

Tratamento[editar | editar código-fonte]

O tratamento é feito de forma sintomática. O uso de corticosteróides mostrou-se eficaz na remissão da síndrome nefrótica, e o óleo de peixe em pacientes com déficit de função renal ou síndrome nefrótica tem-se mostrado promissor.