Nick Hornby

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Nick Hornby 01.jpg
Nick Hornby
Local de nascimento ╣localnasc

Nick Hornby (17 de Abril de 1957) é um escritor inglês. Em seu trabalho ele utiliza frequentemente esportes, música, e as personalidades obsessivas de suas personagens principais.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Hornby nasceu em Maidenhead, em 17 de Abril de 1957. Devido ao sucesso de seu pai, Sir Derek Hornby, como vendedor, a família de Hornby pertenceu a classe média inglesa. Seus pais se divorciaram quando ele tinha 11 anos, e para superar o choque, o jovem Hornby se tornou fã do Arsenal, o time de futebol mais famoso de Londres.

Tendo terminado a Maidenhead Grammar School nos meio dos anos 70, Hornby estudou literatura inglesa na Cambridge University. Após sua formatura, ele lecionou Inglês na Parkside Community College em Cambridge, enquanto ensinada inglês para estudantes estrangeiros, trabalhando como professor particular para a empresa de eletrônicos Samsung, e escrevendo reviews para as revistas Time Out e Literary Review. Em 1983 ele iniciou sua carreira como jornalista e escritor freelancer.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Em 1992, lançou seu primeiro livro, Fever Pitch (traduzido como Febre de Bola no Brasil, Febre no Estádio em Portugal), uma espécie de auto-biografia em que o personagem é um sujeito de meia-idade fanático por futebol. Foi um sucesso instantâneo; o autor ganhou o prêmio William Hill Sports Book of the Year Award. O livro também foi adaptado para o cinema duas vezes, em 1997 e 2005. Após sua primeira publicação, Hornby começou a publicar seus artigos no The Sunday Times, Time Out e Times Literary Supplement, em adição a suas análises musicais para o The New Yorker.

Seu segundo trabalho, High Fidelity (Alta Fidelidade), foi publicado em 1995. O romance, sobre um colecionador de disco neurótico e seus relacionamentos fracassados, foi transformado em filme em 2000, estrelando John Cusack. Seu terceiro romance, publicado em 1998, foi About a Boy (Um Grande Garoto no Brasil, Era Uma Vez Um Rapaz em Portugal), a história de um homem depressivo que vive de uma grande herança e encontra conforto em um adolescente. Hugh Grant estrelou a versão cinematográfica. Em 1999 Hornby recebeu o E.M. Forster Award da American Academy of Arts and Letters.

Parte dos lucros de seu livro seguinte, Speaking with the Angel (Falando com o Anjo no Brasil, Conversas com o Anjo em Portugal) em 2002, foi doado ao TreeHouse, uma instituição de caridade para crianças autistas. Ele foi editor do livro, que continha 12 histórias escritas pelos seus amigos. Ele também contribuiu com a história "NippleJesus" para a coletânea. Em 2003, Hornby escreveu uma coletânea de dissertações sobre algumas músicas populares e a ressonância emocional que elas carregam, chamado 31 Songs (31 Canções - publicado nos Estados Unidos como Songbook). Hornby também escreveu dissertações sobre vários aspectos da cultura popular, e ele se tornou conhecido especialmente por escrever sobre música pop e mix tapes. Ele também começou a escrever uma coluna de críticas literárias, "Stuff I've Been Reading" (Coisas que estou Lendo), para a revista mensal The Believer; vários desses artigos foram coletado em The Polysyllabic Spree (2004) e Housekeeping vs. The Dirt (2006).

Nos dois últimos livros, no entanto, Hornby tornou-se mais soturno, ainda que não tenha perdido o bom humor. How to Be Good (Como Ser Legal no Brasil, Como Ser Bom em Portugal), de 2001, tem sua primeira protagonista feminina, falando de uma médica em crise de meia-idade disposta a largar marido e filhos quando percebe que o que quer da vida não é mais do que aquilo que já tem. Mais recentemente, em 2005, A Long Way Down (Uma Longa Queda no Brasil, Um Grande Salto em Portugal) abordou o suicídio, ainda que com altas doses de humor negro, mostrando o talento do autor em criar personagens únicos.

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Em 1993, o filho de Hornby nasceu com autismo. A deficiência de seu filho o levou a ser co-fundador da instituição TreeHouse, para a qual ele contribuiu muito com os lucros de Speaking with the Angel. Em 1998, o casamento de Hornby com Virginia Bovell terminou. Hornby e sua ex-mulher estão vivendo separados, mas se encontram diariamente para cuidar de Danny.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Romances[editar | editar código-fonte]

Não-Ficção[editar | editar código-fonte]

Coletâneas Editadas[editar | editar código-fonte]

Roteiros[editar | editar código-fonte]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Nick Hornby