Stephen Frears

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Stephen Frears
Stephen Frears em 1989
Nascimento 20 de junho de 1941 (75 anos)
Leicester, Reino Unido
Ocupação Diretor
Festival de Berlim
Urso de Prata de Melhor Realizador
1999
IMDb: (inglês)

Stephen Frears (Leicester, 20 de junho de 1941) é um diretor de cinema britânico. É um dos mais respeitáveis diretores da Hollywood atual, e tem em seu currículo realizações diversas e premiadas, como Ligações Perigosas (1988), Os Imorais (1990), O Segredo de Mary Reilly (1996) e A Rainha (2006).

Nascido na Inglaterra e educado na Escola Gresham, Frears seguiu um longo caminho como cineasta local antes de aceitar a direção de produções maiores. Em 1968 dirigiu o curta-metragem The Burning. Até 1984, dirigiu episódios de séries de televisão e programas para a BBC. A partir de The Hit (O Traidor, 1984), no qual trabalhou com John Hurt e Terence Stamp, entre outros, Frears se dedicou a dirigir filmes para a tela grande. Logo em seguida, vieram My Beautiful Laundrette (Minha Adorável Lavanderia, 1985) e Prick Up Your Ears (O Amor Não Tem Sexo, 1987), ambos produções inglesas estreladas por atores como Daniel Day-Lewis e Vanessa Redgrave.

O início em Hollywood aconteceu com o grande sucesso de público e crítica Dangerous Liaisons (Ligações Perigosas, 1988), que acabou ganhando três Oscar e definindo a linha de elenco com a qual Frears iria trabalhar nos filmes seguintes. John Malkovich e Glenn Close já trabalharam mais de uma vez com ele. A consagração se deu com The Grifters (Os Imorais, 1990), que lhe rendeu a primeira indicação à estatueta na categoria de melhor direção. O ritmo de trabalho não diminuiu, com produções como Hero (Herói por Acidente, 1992), e Mary Reilly (O Segredo de Mary Reilly, 1996), com Julia Roberts como protagonista.

Depois deste ciclo de trabalhos nos Estados Unidos, Frears se voltou novamente para produções inglesas, como A Van, de 1996; Terra de Paixões, de 1998; Alta Fidelidade, de 2000; Coisas Belas e Sujas, de 2003, e, finalmente, Mrs. Henderson Presents (Sra. Henderson Apresenta, 2005), no qual dirige a dama do cinema britânico Judi Dench.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Foi indicado ao Oscar de melhor filme em 1989 por Dangerous Liaisons, e na categoria de melhor diretor em 1991 por The Grifters, e em 2007 por The Queen.
  • Foi indicado ao BAFTA na categoria de melhor diretor em 1990 por Dangerous Liaisons, e em 2007 por The Queen.
  • Ganhou o Urso de Prata na categoria de melhor diretor no Festival de Berlim em 1999 por The Hi-Lo Country. Foi indicado ao Urso de Ouro em 1996 por Mary Reilly, em 1998 por The Hi-Lo Country, e 2009 por Chéri.
  • Ganhou o Prémio Bodil de melhor filme não-americano em 1990 por Dangerous Liaisons, e foi indicado em 2007 por The Queen.
  • Foi indicado à Palma de Ouro do Festival de Cannes em 1987 por Prick Up Your Ears, e em 1996 por The Van.
  • Recebeu o Prêmio César de melhor filme estrangeiro em 1990 por Dangerous Liaisons. Foi indicado na mesma categoria em 1994 por The Snapper, e em 2007 por The Queen .
  • Foi indicado ao Prêmio David di Donatello na categoria de melhor filme da União Europeia em 2006 por Mrs Henderson Presents, e em 2007 por The Queen .
  • Foi indicado ao Globo de Ouro na categoria de melhor diretor de cinema em 2007 por The Queen.
  • Recebeu o Prêmio Goya na categoria de melhor filme europeu em 2007 por The Queen.
  • Foi indicado ao Leão de Ouro do Festival de Veneza em 2000 por Liam, em 2002 por Dirty Pretty Things, e em 2006 por The Queen. Recebeu o Prémio OCIC em 2000 por Liam, o Prêmio Sergio Trasatti em 2002 por Dirty Pretty Things, e o Prêmio FIPRESCI em 2006 por The Queen.
  • Recebeu uma nomeação ao Framboesa de Ouro em 1997, na categoria de pior realizador, por Mary Reilly.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]