Ondina (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


Pintura a oleo de Ondina, que se casou com o cavaleiro Adami. De John William Waterhouse (1849–1917), exibido na Sociedade de Artistas Britânicos em 1872.

Ondina ou ondim é uma categoria dos elementais religiosos, sendo associadas com a água, primeira vez mencionado por Paracelso. Criaturas similares são encontradas na literatura clássica, particularmente em Metamorfoses de Ovídio. Mais tarde escritores desenvolveram a ondina em uma ninfa da água, e que continua a viver na literatura e arte moderna através de tais adaptações como em "A Pequena Sereia" de Hans Christian Andersen.

Ondinas são quase que invariavelmente descritas como femininas, e normalmente encontradas em piscinas florestais e cachoeiras. Apesar de parecerem humanas, não possuem uma alma humana, pois são espíritosda natureza. Sua forma humana é resultado da proximidade que elas mantêm com os humanos, adquirindo sua aparência.

As ondinas aparecem em obras como "A Ondina do Lago", de Teófilo Braga ou nas poesias de Luis de Camões.

As Ondinas também representam no ocultismo o elemento água, um dos cinco elementos do pentagrama.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Ondina é uma variação do original latim Undina[1] que é derivado da palavra latina unda, que significa onda. Este termo é encontrado nos escritos de alquimia[2] de Paracelso, um alquimista renascentista e médico, aparecendo pela primeira no livro Liber de Nymphis, sylphis, gnomes et salamandris et de caeteris spiritibus, publicado postumamente em 1658[3].

Veja também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. «Liber de Nymphis, sylphis, pygmaeis et salamandris et de caeteris spiritibus - The Art and Popular Culture Encyclopedia». www.artandpopularculture.com. Consultado em 18 de agosto de 2019 
  2. Silver, Carole G. (1999). Strange and secret peoples : fairies and Victorian consciousness. [S.l.]: New York : Oxford University Press 
  3. «Liber de Nymphis, sylphis, pygmaeis et salamandris et de caeteris spiritibus - The Art and Popular Culture Encyclopedia». www.artandpopularculture.com. Consultado em 18 de agosto de 2019