Ota Benga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.
Ota Benga em 1904

Ota Benga ( c. 188320 de março de 1916) foi um pigmeu congolês conhecido por sua polêmica exibição em um zoo humano no Zoológico de Bronx, Nova York, em 1906.[1]

Benga foi para os Estados Unidos sob responsabilidade do negociante e missionário Samuel Phillips Verner. Contratado pela Louisiana Purchase Exposition, Verner negociou a libertação de Benga das mãos de comerciantes escravagistas em 1904. Ele havia sido capturado após a Force Publique atacar sua vila, matando sua esposa e dois filhos. Posteriormente, Benga foi exibido na mostra antropológica da Louisiana Purchase Exposition e, após dois anos de excursões, incluindo uma viagem à África, foi enclausurado em uma jaula de macacos no Zoológico de Bronx como parte de uma mostra projetada para demonstrar os conceitos de evolução humana e racismo científico.[1]

O jornal St. Louis Republic divulgou a exibição em sua edição de 6 de março de 1904, afirmando que Benga "representa a forma mais baixa de desenvolvimento humano". Outros periódicos produziram artigos sensacionalistas com o propósito de atrair visitantes para a "exibição". Em 5 de maio, o Republic divulgou que o líder da expedição escapara por pouco de ser devorado por canibais.[2] Ota Benga foi encorajado a carregar um orangotango pela jaula, como se fosse um pai carregando seu bebê. "Benga...", escreveu outro jornal, "... não é muito mais alto que o orangotango. Suas cabeças são bastante similares, e ambos sorriem da mesma forma quando satisfeitos".[3]

Jornais afro-americanos ao redor do país começaram a protestar contra o tratamento dispensado ao pigmeu, e o dr. R.S. MacArthur, porta-voz da delegação de igrejas negras, entregou um abaixo-assinado ao prefeito exigindo sua libertação. O prefeito inicialmente ignorou os protestos, concordando eventualmente em libertar Benga da jaula, designando-o faxineiro do Howard Colored Orphan Asylum no Brooklyn. Depois de ficar sabendo que não seria repatriado conforme lhe fora prometido, Benga cometeu suicídio em 1916, aos 32 anos.[3]

Referências

  1. a b Bradford, Phillips Verner; Harvey Blume (1992). Ota Benga: The Pygmy in the Zoo. Nova York: St. Martins Press. ISBN 0312082762
  2. "World's Fair Department of Anthropology: Portions of Ancient Cities Are to Be Represented and Unwritten History Revealed,". St. Louis Republic, 6 de maio de 1904
  3. a b Evanzz, Karl (1999). The Messenger: The rise and fall of Elijah Muhammad. Nova York: Pantheon Books. ISBN 067944260

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ota Benga
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.