Ota Benga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ota Benga
Nascimento 1883
Estado Livre do Congo
Morte 20 de março de 1916 (33 anos)
Lynchburg
Causa da morte trauma balístico
Ota Benga em 1904

Ota Benga (c. 188320 de março de 1916) foi um pigmeu congolês conhecido por sua exibição racista em um zoo humano no Zoológico de Bronx, Nova York, em 1906.[1]

Nascido no Congo, Ota era membro da tribo Mbuti, que vivia próximo ao rio Kasai. Benga foi para os Estados Unidos sob responsabilidade do negociante e missionário Samuel Phillips Verner. Contratado pela Louisiana Purchase Exposition, Verner negociou a libertação de Benga das mãos de comerciantes escravagistas em 1904. Ele havia sido capturado após a Force Publique atacar sua vila, matando sua esposa e dois filhos. Posteriormente, Benga foi exibido na mostra antropológica da Louisiana Purchase Exposition ("Os Homens Selvagens Permanentes do Mundo", em Saint-Louis) junto de mais oito jovens africanos,[2][3] e após dois anos de excursões, incluindo uma viagem à África, foi enclausurado em uma jaula de macacos no Zoológico de Bronx após Verner receber autorização de William Temple Hornaday, diretor do zoológico,[3] como parte de uma mostra projetada para demonstrar os conceitos de evolução humana e racismo científico.[1]

O jornal St. Louis Republic divulgou a exibição em sua edição de 6 de março de 1904, afirmando que Benga "representa a forma mais baixa de desenvolvimento humano". Outros periódicos produziram artigos sensacionalistas com o propósito de atrair visitantes para a "exibição". Em 5 de maio, o Republic divulgou que o líder da expedição escapara por pouco de ser devorado por canibais.[4] Ota Benga foi encorajado a carregar um orangotango pela jaula, como se fosse um pai carregando seu bebê. "Benga...", escreveu outro jornal, "... não é muito mais alto que o orangotango. Suas cabeças são bastante similares, e ambos sorriem da mesma forma quando satisfeitos".[2]

Jornais afro-americanos ao redor do país começaram a protestar contra o tratamento dispensado ao pigmeu, e o dr. R.S. MacArthur, porta-voz da delegação de igrejas negras, entregou um abaixo-assinado ao prefeito exigindo sua libertação. O prefeito inicialmente ignorou os protestos, concordando eventualmente em libertar Benga da jaula, designando-o faxineiro do Howard Colored Orphan Asylum no Brooklyn. Depois de ficar sabendo que não seria repatriado conforme lhe fora prometido, Benga cometeu suicídio em 1916, aos 32 anos. Ele entrou em um galpão que ficava em sua rua, e com um revólver que ele próprio escondera antes, disparou um tiro em seu coração.[2][5]

Referências

  1. a b Bradford, Phillips Verner; Harvey Blume (1992). Ota Benga: The Pygmy in the Zoo. Nova York: St. Martins Press. ISBN 0312082762
  2. a b c Evanzz, Karl (1999). The Messenger: The rise and fall of Elijah Muhammad. Nova York: Pantheon Books. ISBN 067944260
  3. a b «Ota Benga: O jovem negro que foi exposto como animal em um zoológico dos EUA». Aventuras na história. Consultado em 4 de dezembro de 2019 
  4. "World's Fair Department of Anthropology: Portions of Ancient Cities Are to Be Represented and Unwritten History Revealed,". St. Louis Republic, 6 de maio de 1904
  5. «A história de Ota Benga, o homem enjaulado com macacos». GGN. Consultado em 4 de dezembro de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ota Benga