Exposição Universal de 1904

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
EXPO Saint Louis 1904
Louisiana Purchase Exposition St. Louis 1904.jpg
The Government Building e o Louisiana Purchase Exposition
Detalhes
Classe da BIE Exposição Universal
Categoria Expo Histórica
Nome Louisiana Purchase Exposition
Área 1 270 acre (unidade)s (510 ha)
Visitantes 19,694,855
Participante(s)
Local
Realizado em  Estados Unidos
Cidade Saint Louis
Local Forest Park
Coordenadas 38° 38′ N 90° 17′ W
Linha do tempo
Inauguração 30 de abril de 1904 (1904-04-30)
Encerramento 1 de dezembro de 1904 (1904-12-01)
Exposições especializadas
Anterior Exposição Universal de 1900 em Paris  França
Próxima Exposição Universal de 1905 em Liège  Bélgica

A Exposição Universal de 1904 (Louisiana Purchase Exposition) também chamada de Feira Mundial de St Louis foi uma feira mundial que aconteceu em St Louis de 30 de abril a 1 de dezembro de 1904, em conjunto com a realização dos Jogos da III Olimpíada. Os historiadores geralmente enfatizam o impacto desta feira nos campos da história, história da arte, arquitetura e antropologia. A feira promoveu o entretenimento, bens de consumo e a cultura popular.[1]

Fatos[editar | editar código-fonte]

Em 1904, St Louis foi anfitriã de uma feira mundial com o intuito de comemorar a Compra da Louisiana de 1803. Foi atrasada em cerca de 1 ano para que mais estados e países pudessem participar da feira. Durou de 30 de abril a 1 de dezembro de 1904. A feira teve 4.9 km², projetados por George Kessler,[2] localizados no Forest Park e no campus da Universidade Washington em St. Louis e foi uma das maiores feira de todas, em área. Houve mais de 1500 construções, conectadas por 120 quilômetros de estradas e calçadas. Diz-se que seria impossível andar por toda a feira e construções em menos de 1 semana. Somente o Palácio da Agricultura tinha 324 km².

A exibição contou com 62 nações, o Governo dos Estados Unidos, e 43 dos 45 estados americanos. Houve pavilhões de indústrias, cidades, organizações privadas e corporações, trupes de teatro e escolas de música. Também houve mais de 50 atrações de diversão em "The Pike"; houveram exibições educacionais, científicas e viagens imaginárias a terras distantes, históricas e locais.

Houve 19,694,855 visitantes na feira.[3]

Foram lançados vários selos comemorativos de 100 anos da Compra da Louisiana.

Legado[editar | editar código-fonte]

Construções[editar | editar código-fonte]

Lago Leste, estátua de São Luís, Palácios da Educação e mAnufatura e torre de telégrafo sem fio.

As estruturas, assim como na Exposição Universal de 1893 em Chicago, foram grandiosas, em estilo Neo-Clássico. Construídas de um material que era uma mistura de gesso e fibras de cânhamo em um suporte de madeira. Foram se deteriorando com o tempo e precisaram de reformas durante a feira.

O Palácio de Artes, projetado por Cass Gilbert, tinha uma grande escultura em seu interior baseada nos Banhos de Caracalla. Hoje ela está localizada no Museu de Artes de St Louis.

O prédio da administração, projetado por Cope & Stewardson, hoje é o Brookins Hall, no campus da Universidade Washington em St. Louis. Uma construção semelhante foi erguida na Universidade Noroeste do Estado do Missouri.

Entrada para a exibição "Creation"

. Essa exibição foi desmontada e movida a Dreamland, um parque de diversões em Coney Island após o final da feira.[4]

Algumas mansões da exposição ainda existem no Lindell Boulevard, norte do Forest Park.

Flight Cage

A enorme gaiola de pássaros do Zoológico de Saint Louis data da feira.

Um templo Jainista esculpido em madeira, do pavilhão indiano foi reconstruído em Las Vegas no Hotel Castaways. Foi movido recentemente para o Jain Center of Southern California em Los Angeles.

A icônica estátua de vulcão de Birmingham, Alabama foi exibida pela primeira vez na feira, no Palácio de Minas e Metalurgia.

A construção do estado de Missouri era a maior de todas, já que o Missouri foi o estado anfitrião. Possuía seções com chão em mármore e ar-condicionado, foi planejado a fim de ser uma estrutura temporária. Entretanto, pegou fogo nas noites de 18, 19 de novembro, somente 11 dias antes do fim da feira. Muito do interior foi destruído, mas conseguiu-se salvar alguns objetos, incluindo mobília e muito da biblioteca da feira.. A construção não foi reformada.

Órgão de seis consoles

O Festival Hall, projetado por Cass Gilbert e utilizado para apresentações musicais, tinha o maior órgão do mundo, em sua época, construído pela Los Angeles Art Organ Company. Após a feira, foi guardado e usado, eventualmente, por John Wanamaker. O famoso Bronze Eagle na Loja Wanamaker também estava na feira. Hoje, a Loja Wanamaker é uma filial da Macy's.

Terminado em 1913, o Jefferson Memorial foi usado como entrada principal da feira. Foi construído para comemorar Thomas Jefferson, que começou a compra da Louisiana, bem como um memorial ao terceiro presidente dos Estados Unidos. É quartel-general do Museu de História do Missouri, com uma expensão significante em 2002-03 sendo construída.

O pavilhão do Maine, que era uma cabine rústica, foi transportado para Point Lookout, Missouri sendo usado por atletas no Maine Hunting and Fishing Club.

A torre de telégrafo sem fio realocada

A torre de telégrafo sem fio foi comprada por Charles N. Rix, um banqueiro de Hot Springs, Arkansas, que queria usá-la como torre de observação. Foi demolida em 1975 devido a sua instabilidade causada por múltiplas realocações.

Introdução de novas comidas[editar | editar código-fonte]

Um número de comidas foram inventadas e apresentadas ao mundo nesta feira ou já tinham sido inventadas mas ficaram mais conhecidas. Dentre elas, pode-se citar:

  • cone de wafer para sorvete[5] [6]
  • hamburger
  • hot dog
  • manteiga de amendoim
  • chá gelado[7]
  • algodão-doce
  • refrigerante Dr. Pepper

Influência na música popular[editar | editar código-fonte]

A canção "Meet Me in St. Louis, Louis", foi gravada por muitos artistas, para a feira. O filme musical Meet Me in St. Louis com Judy Garland, que inspirou o musical também teve relação com a feira. Scott Joplin compôs "Cascades" em honra ao Festival Hall.

Jogos da III Olimpíada[editar | editar código-fonte]

A feira abrigou as Olimpíadas de 1904, a primeira nos Estados Unidos. Originalmente, os Jogos seriam em Chicago porém St Louis ameaçou a cidade com uma competição internacional rival e daí foram realocados. Os eventos esportivos foram sobrepujados pela feira. Com os custos muito altos, muitos atletas europeus não vieram, tampouco o fundador das Olimpíadas modernas, o Barão Pierre de Coubertin.

Visitantes notáveis[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. James Gilbert, Whose Fair? Experience, and Memory, and the History of the Great St. Louis Exposition (2009)
  2. Handbook of Texas Online - KESSLER, GEORGE E.. Acesso 18 de maio de 2006.
  3. http://www.youngsaintlouis.com/archive/December2004/text/kids/stlhistory.html
  4. Michael Immerso, Coney Island: The People's Playground, Rutgers University Press, 2002, page 73
  5. Stradley, Linda. «History of Ice Cream Cone». What's Cooking America. Consultado em 2008-05-13. 
  6. Weir, Robert. «An 1807 Ice Cream Cone: Discovery and Evidence». Historic Food. Consultado em 2008-05-13. 
  7. Vaccaro, Pamela. 2004. Beyond the ice cream cone: the whole scoop on food at the 1904 World's Fair. St. Louis: Enid Press.
  8. Conrad Hilton. 1957. Be My Guest: Prentice Hall Press.
  9. George W. Baltzell. «Foods of Saint Louis MO». 38.634616, -90.191313: Stlplaces.com. Consultado em 2014-01-06. 
  10. «Einstein, Picasso - Space, Time, and the Beauty That Causes Havoc By ARTHUR I. MILLER». The New York Times [S.l.: s.n.] 
  11. Bamberg, Paul; Sternberg, Shlomo (1998) [First published in 1988]. A Course in Mathematics for Students of Physics: 1 (Cambridge, UK: Cambridge University Press). p. 160. ISBN 9780521406499. 
  12. Narita, Tatsushi, "Fiction and Fact in T. S. Eliot's 'The Man Who Was King'", Notes and Queries, vol. 237, no. 2, pp. 191–192.
  13. Narita, Tatsushi, T. S. Eliot and His Youth as 'A Literary Columbus', Nagoya: Kougaku Shuppan, 2011: pp. 15–20, 29–33.
  14. Ludwig M. Lachmann (1970). The Legacy of Max Weber. Ludwig von Mises Institute. p. 143. ISBN 978-1-61016-072-8. Retrieved 22 March 2011
  15. http://www2.jackdaniels.com/TennesseeWhiskey/TheBottle.aspx
  16. http://www.jackdaniels.com/whiskey/1904-gold-medal-series
  17. http://www.katechopin.org/biography.shtml

Outras fontes:[1] [2]

  1. History of the Louisiana Purchase Exposition. Compiled from official sources by Mark Bennitt, editor-in-chief and Frank Parker Stockbridge, managing editor, Universal Exposition publishing company, 1905. 800 pages, 4000+ pictures. <http://digital.library.umsystem.edu/cgi/t/text/text-idx?sid=8849264c45570e24ed20224cdef04038;g=;c=lex;idno=lex023>
  2. The Universal Exposition of 1904 by David R. Francis. Two volumes, 7.5" x 10.5", 702 and 427 pages, St. Louis Louisiana Purchase Exposition Company, 1913. On-line at: http://imageserver.mohistory.org/library.asp?setrelation=universal (with search feature), index at: http://previous.slpl.org/libsrc/univ-exp.htm (alphabetical, but not at the detail level)
  1. William Leach, Land of Desire: Merchants, Power, and the Rise of a New American Culture. New York: Vintage Books/Random House (1993), 212-13.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Afable, Patricia O. 'The Exhibition of Cordillerans in the United States during the Early 1900's'. The Igorot Quarterly, vol.6, no. 2, 1997,pg.19-22.
  • Bennitt, Mark and Frank Parker Stockbridge, eds. History of the Louisiana Purchase Exposition, St. Louis, MO: Universal Exposition Publishing Company, 1905.
  • Boeger, Astrid. 'St. Louis 1904.' In Encyclopedia of World's Fairs and Expositions, ed. John E. Findling and Kimberly D. Pelle. Jefferson, NC and London:McFarland, 2008.
  • Brownell, Susan, The 1904 Anthropology Days and Olympic Games. Lincoln and London: University of Nebraska Press, 2008.
  • Brush, Edward Hale (January 1904). «The Main Plan of the Fair». The World's Work: A History of Our Time [S.l.: s.n.] VII: 4355–4362. Consultado em 2009-07-10. 
  • Fox, Timothy J. and Duane R. Sneddeker, From the Palaces to the Pike: Visions of the 1904 World's Fair. St. Louis: Missouri Historical Society Press, 1997.
  • Gilbert, James. Whose Fair?: Experience, Memory, and the History of the Great St. Louis Exposition (2009)
  • Narita, Tatsushi, 'The Young T. S. Eliot and Alien Cultures: His Philippine Interactions.' The Review of English Studies, New Series, vol. 45, no. 180, 1994.
  • Narita, Tatsushi. T. S. Eliot, The World Fair of St. Louis and 'Autonomy'. Published for NCCF-Japan. Nagoya: Kougaku Shuppan, 2013.
  • Narita, Tatsushi, T. S. Eliot and his Youth as 'A Literary Columbus', Nagoya: Kougaku Shuppan, 2011.
  • Parezo, Nancy J. and Don D. Fowler, Anthropology Goes to the Fair: The 1904 Louisiana Purchase Exposition. Lincoln and London: University of Nebraska Press, 2007.
  • Rydell, Robert W., All the World's a Fair. Chicago and London: University of Chicago Press, 1984.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]