Pólux (estrela)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Se procura o personagem da mitologia grega, veja Castor e Pólux.
Pólux
Dados observacionais (J2000)
Constelação Gemini
Asc. reta 07h 45m 18,9s[1]
Declinação +28° 01′ 34,3″[1]
Magnitude aparente 1,14[2]
Características
Tipo espectral K0 III[3]
Cor (U-B) +0,86[2]
Cor (B-V) +1,00[2]
Astrometria
Velocidade radial 3,33 km/s[1]
Mov. próprio (AR) -626,55 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) -45,80 mas/a[1]
Paralaxe 96,54 ± 0,27 mas[1]
Distância 33,78 ± 0,09 anos-luz
10,36 ± 0,03 pc
Magnitude absoluta +1,08 ± 0,02[4]
Detalhes
Massa 2,04 ± 0,3[5] M
Raio 8,8 ± 0,1[6] R
Gravidade superficial 2,685 ± 0,09 (log g)[6]
Luminosidade 43[7] L
Temperatura 4 666 ± 95[6] K
Metalicidade [Fe/H] –0,07 a +0,19[6]
Rotação 558 dias[8]
Idade 724 milhões[9] de anos
Outras denominações
Beta Geminorum, 78 Geminorum, BD+28°1463, Gliese 286, HD 62509, HIP 37826, HR 2990, SAO 79666.[1]
Pólux (estrela)
Gemini constellation map.png

Pólux ou Pollux (Beta Geminorum, β Gem, β Geminorum) é a estrela mais brilhante da constelação de Gemini e a 17ª mais brilhante de todo o céu,[10] com uma magnitude aparente de 1,14.[2] Junto com Castor, é um dos gêmeos representados no contorno da constelação. Com base em sua paralaxe, está a aproximadamente 33,78 anos-luz (10,36 parsecs) da Terra.[1] Em 2006, foi confirmada a existência de planeta extrassolar orbitando-a.[6] Pólux é a estrela mais brilhante com um planeta conhecido.[10]

Propriedades[editar | editar código-fonte]

Pólux é maior que o Sol, com cerca de duas vezes sua massa e quase nove vezes seu raio.[5] [6] No passado uma estrela de classe A da sequência principal,[5] Pólux já consumiu todo o hidrogênio de seu núcleo e evoluiu tornando-se uma estrela gigante com uma classificação estelar de K0 III.[3] Irradia 43 vezes mais luminosidade que o Sol[7] de sua atmosfera externa a uma temperatura efetiva de 4 666 K,[6] o que dá a ela o brilho alaranjado típico de estrelas de classe K.[11] Desde 1943, seu espectro tem servido como base pela qual outras estrelas são classificadas.[12] Pólux parece estar rotacionando lentamente, com uma velocidade de rotação projetada de 2,8 km/s,[13] completando uma rotação a cada 558 dias.[8] A abundância de elementos que não são hidrogênio ou hélio, o que é chamada de metalicidade, é incerta, com estimativas variando entre 85% e 155% da abundância solar.[6]

Pólux possui um baixo nível de atividade magnética, conforme demonstrado pela detecção de baixa emissão de raios-X pelo telescópio ROSAT. A emissão de raios-X da estrela é de cerca de 1027 erg/s, o que é aproximadamente igual à emissão de raios-X do Sol. Um campo magnético com uma força menor que 1 Gauss foi confirmado na superfície de Pólux; um dos campos mais fracos já detectados em uma estrela. A presença desse campo sugere que Pólux já foi uma estrela Ap com uma campo magnético muito mais forte.[5]

Sistema planetário[editar | editar código-fonte]

A detecção do planeta extrassolar Pólux b foi anunciada em 16 de junho de 2006. Foi calculado que Pólux b tem uma massa mínima de 2,3 vezes a massa de Júpiter. Está orbitando Pólux a uma distância média de 1,64 UA com um período de cerca de 590 dias.[6]

O sistema Pólux [6]
Planeta Massa Semieixo maior
(UA)
Período orbital
(dias)
Excentricidade
b >2,30 ± 0,45 MJ 1,64 ± 0,27 589,64 ± 0,81 0,02 ± 0,03

Nomenclatura[editar | editar código-fonte]

As estrelas Castor e Pollux refere-se especificamente aos personagens mitológicos gregos Castor e Pólux,[10] os filhos de Leda.

Pólux era antigamente conhecida como Abrachaléus.[14] [15]

No catálogo de estrelas no Calendarium of Al Achsasi Al Mouakket, esta estrela era designada Muekher al Dzira, o que foi traduzido em latim como Posterior Brachii, significando o fim na pata.[16]

Em chinês, 北河 (Běi Hé), significando Rio do Norte, refere-se a um asterismo consistindo de Pólux, ρ Geminorum e Castor.[17] Pólux em si é conhecida como 北河三 (Běi Hé sān, a Terceira Estrela do Rio do Norte.)[18]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e f g h "SIMBAD query result - POLLUX". SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consult. 3 de outubro de 2012. 
  2. a b c d Lee, T. A. (outubro de 1970), "Photometry of high-luminosity M-type stars", Astrophysical Journal 162: 217, doi:10.1086/150648, Bibcode1970ApJ...162..217L 
  3. a b Morgan, W. W.; Keenan, P. C. (1973), "Spectral Classification", Annual Review of Astronomy and Astrophysics 11: 29, doi:10.1146/annurev.aa.11.090173.000333, Bibcode1973ARA&A..11...29M 
  4. Carney, Bruce W. et al. (março de 2008), "Rotation and Macroturbulence in Metal-Poor Field Red Giant and Red Horizontal Branch Stars", The Astronomical Journal 135 (3): 892–906, doi:10.1088/0004-6256/135/3/892, Bibcode2008AJ....135..892C 
  5. a b c d Aurière, M. et al. (setembro de 2009), "Discovery of a weak magnetic field in the photosphere of the single giant Pollux", Astronomy and Astrophysics 504 (1): 231–237, doi:10.1051/0004-6361/200912050, Bibcode2009A&A...504..231A 
  6. a b c d e f g h i j Hatzes, A. P. et al. (2006), "Confirmation of the planet hypothesis for the long-period radial velocity variations of β Geminorum", Astronomy and Astrophysics 457: 335–341, doi:10.1051/0004-6361:20065445, Bibcode2006A&A...457..335H 
  7. a b Mallik, Sushma V. (dezembro de 1999), "Lithium abundance and mass", Astronomy and Astrophysics 352: 495–507, Bibcode1999A&A...352..495M 
  8. a b Koncewicz, R.; Jordan (janeiro de 2007), "OI line emission in cool stars: calculations using partial redistribution", Monthly Notices of the Royal Astronomical Society 374 (1): 220–231, doi:10.1111/j.1365-2966.2006.11130.x, Bibcode2007MNRAS.374..220K 
  9. Takeda, Yoichi; Sato, Bun'ei; Murata, Daisuke (agosto de 2008), "Stellar parameters and elemental abundances of late-G giants", Publications of the Astronomical Society of Japan 60 (4): 781–802, Bibcode2008PASJ...60..781T 
  10. a b c Kaler, James B. "POLLUX (Beta Geminorum)". Stars. Consult. 3 de outubro de 2012. 
  11. "The Colour of Stars", Australia Telescope, Outreach and Education (Commonwealth Scientific and Industrial Research Organisation), 21 de dezembro de 2004, http://outreach.atnf.csiro.au/education/senior/astrophysics/photometry_colour.html, visitado em 3 de outubro de 2012 
  12. Garrison, R. F. (dezembro de 1993), "Anchor Points for the MK System of Spectral Classification", Bulletin of the American Astronomical Society 25: 1319, Bibcode1993AAS...183.1710G, http://www.astro.utoronto.ca/~garrison/mkstds.html, visitado em 3 de outubro de 2012 
  13. Massarotti, Alessandro et al. (janeiro de 2008), "Rotational and Radial Velocities for a Sample of 761 HIPPARCOS Giants and the Role of Binarity", The Astronomical Journal 135 (1): 209–231, doi:10.1088/0004-6256/135/1/209, Bibcode2008AJ....135..209M 
  14. Dicionário Universal Ilustrado, Ed. João Romano Torres & Cª.1911.
  15. LES GÉMEAUX
  16. Knobel, E. B. (junho de 1895). "Al Achsasi Al Mouakket, on a catalogue of stars in the Calendarium of Mohammad Al Achsasi Al Mouakket". Monthly Notices of the Royal Astronomical Society [S.l.: s.n.] 55: 429. Bibcode:1895MNRAS..55..429K. 
  17. (chinês) 中國星座神話, escrito por 陳久金. Publicado por 台灣書房出版有限公司, 2005, ISBN 978-986-7332-25-7.
  18. (chinês) 香港太空館 - 研究資源 - 亮星中英對照表, Hong Kong Space Museum. Acessado em 23 de novembro de 2010.