Pontalinda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Pontalinda
  Município do Brasil  
Símbolos
Bandeira de Pontalinda
Bandeira
Brasão de armas de Pontalinda
Brasão de armas
Hino
Gentílico pontalindense
Localização
Localização de Pontalinda em São Paulo
Localização de Pontalinda em São Paulo
Mapa de Pontalinda
Coordenadas 20° 26' 27" S 50° 31' 22" O
País Brasil
Unidade federativa São Paulo
Municípios limítrofes Dirce Reis, Jales, Estrela d'Oeste, São João das Duas Pontes, São João de Iracema, Auriflama e General Salgado
Distância até a capital Não disponível
História
Fundação 15 de agosto de 1948 (72 anos)
Administração
Prefeito(a) Elvis Carlos (PTB, 2017 – 2020)
Características geográficas
Área total [1] 210,2 km²
População total (Censo IBGE/2010[1]) 4 074 hab.
Densidade 19,4 hab./km²
Clima Não disponível
Altitude 435 m
Fuso horário Hora de Brasília (UTC−3)
Indicadores
IDH (PNUD/2000 [2]) 0,731 alto
PIB (IBGE/2009[3]) R$ 38 302 mil
PIB per capita (IBGE/2009[3]) R$ 9 119,59

Pontalinda é um município brasileiro do estado de São Paulo. Localiza-se a uma latitude 20º26'27" sul e a uma longitude 50º31'24" oeste, estando a uma altitude de 435 metros. A cidade tem uma população de 4.074 habitantes (IBGE/2010) e área de 210,2 km².[1]

História[editar | editar código-fonte]

Pontalinda foi fundada por José Joaquim Lourenção, Adalberto Brandão, Antônio Joaquim de Oliveira (conhecido por Antonio Balde), Etelvino Marques dos Santos e José Rodrigues dos Santos.

Analisando o processo de ocupação dessa região, constata-se que seu início ocorreu na década de 1920, sendo a última região aberta para dar continuidade ao processo de expansão da cafeicultura paulista.

A atividade cafeeira englobava o maior contingente de trabalhadores, pois, esta atividade empregava mão-de-obra o ano todo e a demanda aumentava no período de colheita de algodão e amendoim (culturas que surgiram com alguma expressão econômica).

Devido a geada de 1975 a atividade cafeeira teve sua primeira queda, e a partir de 1977 começou a difundir em Pontalinda uma maior diversificação agrícola, com a introdução do feijão de inverno na região, levando-se em conta esses fatos. A partir de 1985, começou a mudar o panorama agrícola da região, devido ao prolongamento de estiagem de 1985, isto levou praticamente ao fim da cafeicultura; somando-se a isso, o baixo nível tecnológico, o tradicionalismo da cultura do café e a perda da fertilidade dos solos pelo seu uso intensivo, assim como mudanças climáticas da região.

O perfil sócio econômico da região sofreu grande mudança, pois grande parte de agricultores e trabalhadores rurais transferiram-se para cidades industrializadas da região de Campinas.

O impacto das mudanças levou alguns agricultores a buscarem alternativas, principalmente na fruticultura, olericultura e atividades de subsistência. Isto fez com que os agricultores se lançassem em busca de conhecimento técnico, já que as novas culturas seriam praticamente desconhecidas, entre elas a citricultura e a cana-de-açúcar, que se expandia em função do excelente desempenho comercial, levando diversos agricultores a implantarem a cultura.

O nome do Município, Pontalinda, deve-se ao fato de os córregos Lajeado e Novo Mundo no seu encontro apresentarem uma linda paisagem.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

Dados do Censo - 2010[1]

População total: 4.074

  • Urbana: 3.381
  • Rural: 693
  • Homens: 2.160[4]
  • Mulheres: 1.914

Densidade demográfica (hab./km²): 19,38

Dados do Censo - 2000

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 18,64

Expectativa de vida (anos): 69,80

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,07

Taxa de alfabetização: 81,96%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,731

  • IDH-M Renda: 0,626
  • IDH-M Longevidade: 0,747
  • IDH-M Educação: 0,819

(Fonte: IPEADATA)

Comunicações[editar | editar código-fonte]

A cidade era atendida pela Telecomunicações de São Paulo (TELESP)[5], que construiu a central telefônica utilizada até os dias atuais. Em 1998 esta empresa foi privatizada e vendida para a Telefônica[6], sendo que em 2012 a empresa adotou a marca Vivo[7] para suas operações de telefonia fixa.

Referências

  1. a b c d «Censo Populacional 2010 - IBGE» (PDF). IBGE.gov.br. Consultado em 1 de setembro de 2011 
  2. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2000. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2005-2009» (PDF). Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 8 jan. 2012. Arquivado do original (PDF) em 5 de agosto de 2012 
  4. «SIDRA IBGE, Tabela 608, População residente, por situação do domicílio e sexo». IBGE. Consultado em 1 de setembro de 2011 
  5. «Área de atuação da Telesp em São Paulo». Página Oficial da Telesp (arquivada) 
  6. «Nossa História». Telefônica / VIVO 
  7. GASPARIN, Gabriela (12 de abril de 2012). «Telefônica conclui troca da marca por Vivo». G1 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]