Quarta-Feira Negra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

A Quarta-Feira Negra se refere ao dia 16 de Setembro de 1992, quando o empresário e economista George Soros ganhou 1 bilhão de libras esterlinas[1] especulando a desvalorização da libra esterlina.[2]

História[editar | editar código-fonte]

Ocorreu em 16 de setembro de 1992, quando o governo do Reino Unido foi forçado a retirar a libra esterlina do Mecanismo Europeu de Taxas de Câmbio - European Exchange Rate Mechanism (ERM) -, após uma tentativa fracassada de manter a libra acima do limite inferior de câmbio exigido pelo ERM. Naquela época, o Reino Unido ocupava a Presidência do Conselho da União Europeia.

Em 1997, o Tesouro do Reino Unido (UK Treasury) estimou o custo da Quarta-feira Negra em £ 3,14 bilhões,[2] que foi revisado para £ 3,3 bilhões em 2005, após documentos divulgados sob a Lei de Liberdade de Informação (estimativas anteriores colocavam as perdas em uma faixa muito maior de £ 13–27 bilhões).[3] As perdas comerciais em agosto e setembro representaram uma minoria das perdas (estimadas em £ 800 milhões) e a maior parte das perdas para o banco central surgiu de lucros não realizados de uma desvalorização potencial. Os papéis do Tesouro sugeriam que, se o governo tivesse mantido $ 24 bilhões de reservas em moeda estrangeira e a libra tivesse caído no mesmo valor, o Reino Unido poderia ter lucrado £ 2,4 bilhões com a desvalorização da libra esterlina.[4][5]

A crise prejudicou a credibilidade do Ministério no tratamento dos assuntos econômicos. O Partido Conservador, no poder, sofreu uma derrota esmagadora cinco anos depois nas eleições gerais do Reino Unido de 1997 e não voltou ao poder até 2010. A recuperação da economia do Reino Unido nos anos após a Quarta-Feira Negra levou a uma reavaliação do legado da crise, quando o governo de John Major adotou uma política de metas de inflação como alternativa ao ERM e estabeleceu as bases para uma economia próspera no anos antes da crise financeira de 2007-08, o público britânico tornou-se cada vez mais eurocético.[6][7]

Consequências[editar | editar código-fonte]

Outros países do ERM, como a Itália, cujas moedas haviam violado suas bandas durante o dia, voltaram ao sistema com bandas ampliadas ou com paridades centrais ajustadas.[8]

A Grã-Bretanha entrou em recessão, à medida que um grande número de empresas faliu e o mercado imobiliário entrou em colapso. Alguns comentaristas, seguindo Norman Tebbit, referiram-se ao ERM como um "Mecanismo de Recessão Eterna"[9] depois que o Reino Unido entrou em recessão no início dos anos 1990. Enquanto muitas pessoas no Reino Unido se lembram da Quarta-feira Negra como um desastre nacional que afetou permanentemente o prestígio internacional do país, alguns conservadores afirmam que a expulsão forçada do ERM foi uma "Quarta-feira de Ouro"[10] ou "Quarta-feira Branca",[11] o dia que pavimentou o caminho para um renascimento econômico, com os conservadores entregando ao Novo Trabalhismo de Tony Blair uma economia muito mais forte em 1997 do que existia em 1992[11] já que a nova política econômica rapidamente concebida após a Quarta-Feira Negra levou a restabelecimento do crescimento econômico com queda do desemprego e inflação.[12] A política monetária mudou para metas de inflação.[13][14]

A reputação de excelência econômica do governo do Partido Conservador foi prejudicada na medida em que o eleitorado estava mais inclinado a apoiar a reivindicação da oposição da época - que a recuperação econômica deveria ser creditada a fatores externos, em oposição às políticas governamentais implementado pelos conservadores. Os conservadores haviam vencido recentemente as eleições gerais de 1992, e a pesquisa Gallup de setembro mostrou uma pequena vantagem de 2,5% para o Partido Conservador. Na pesquisa de outubro, após a Quarta-feira Negra, a parcela de votos pretendidos na pesquisa caiu de 43% para 29%.[15] O governo conservador então sofreu uma série de derrotas eleitorais que viram sua maioria de 21 assentos erodida em dezembro de 1996. O desempenho do partido nas eleições para o governo local foi igualmente sombrio durante este tempo, enquanto os trabalhistas obtiveram grandes ganhos.

A Quarta-feira Negra foi um fator importante para os conservadores finalmente perderem as eleições gerais de 1997 para os trabalhistas, que venceram por uma vitória esmagadora sob a liderança de Tony Blair. Os conservadores não conseguiram ganhar terreno significativo nas eleições gerais de 2001 sob a liderança de William Hague, com os trabalhistas ganhando outra maioria esmagadora. Os conservadores não tomaram o governo novamente até que David Cameron os levou à vitória nas eleições gerais de 2010, 13 anos depois. Cinco anos depois, em 2015, o partido conquistou sua primeira maioria geral 23 anos após a última em 1992, cinco meses antes da crise.

George Soros obteve um lucro de mais de £ 1 bilhão vendendo a descoberto em libras esterlinas.[1]

Referências

  1. a b «Billionaire who broke the Bank of England». www.telegraph.co.uk. Consultado em 15 de setembro de 2021 
  2. a b Dury, Hélène. «Black_Wednesday» (PDF). Consultado em 24 de fevereiro de 2016 
  3. Tempest, Matthew (9 de fevereiro de 2005). «Treasury papers reveal cost of Black Wednesday». The Guardian. London, UK. Consultado em 26 de abril de 2010 
  4. Freeman, Harold. «The Cost of Black Wednesday Reconsidered» (PDF). HM Treasury. p. 4. Consultado em 9 de outubro de 2018. Cópia arquivada (PDF) em 3 de abril de 2013 
  5. «Guide to the papers and full list of documents». HM Treasury. Consultado em 9 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 3 de abril de 2013 
  6. McRae, Hamish (10 February 2005). How the ERM disaster turned into a triumph. The Independent. Retrieved 21 October 2019.
  7. Moore, Charles (3 November 2018). Bring on the next Black Wednesday. The Spectator. Retrieved 21 October 2019.
  8. Sevilla, Christina R. Explaining the September 1992 ERM Crisis: The Maastricht Bargain and Domestic Politics in Germany, France, and Britain. Harvard University. Retrieved 21 October 2019.
  9. Tebbit, Norman (10 de fevereiro de 2005). «An electoral curse yet to be lifted». The Guardian. London, UK. Consultado em 30 de dezembro de 2008 
  10. Roger Bootle (15 de maio de 2009). «A strong-arm policy is needed to hold the pound down on the rebound». The Daily Telegraph. London, UK 
  11. a b Kaletsky, Anatole (9 de junho de 2005). «The reason that Europe is having a breakdown...it's the Euro, stupid». The Times. Consultado em 30 de dezembro de 2008 
  12. [1] Arquivado 2011-10-16 no Wayback Machine
  13. «Inflation Targeting Has Been A Successful Monetary Policy Strategy». NBER. Consultado em 31 de outubro de 2016 
  14. «Targeting Inflation: The United Kingdom in Retrospect» (PDF). IMF. Consultado em 31 de outubro de 2016 
  15. «Gallup spreadsheet». Consultado em 28 de julho de 2014. Cópia arquivada em 13 de outubro de 2009 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]