Riachão do Dantas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Riachão do Dantas
"Terra do Abacaxi"
Bandeira de Riachão do Dantas
Brasão de Riachão do Dantas
Bandeira Brasão
Hino
Aniversário 9 de maio
Fundação 9 de maio de 1870 (148 anos)
Gentílico riachãoense
Padroeiro(a) Nossa Senhora do Amparo
Prefeito(a) Pedro Oliveira (interino)[1] (PT)
(2017 – 2020)
Localização
Riachão do Dantas está localizado em: Brasil
Riachão do Dantas
Localização de Riachão do Dantas no Brasil
11° 04' 08" S 37° 43' 30" O11° 04' 08" S 37° 43' 30" O
Unidade federativa Sergipe
Mesorregião Agreste Sergipano IBGE/2008 [2]
Microrregião Agreste de Lagarto IBGE/2008 [2]
Região metropolitana Agreste de Lagarto
Municípios limítrofes Lagarto, Tobias Barreto, Simão Dias, Itabaianinha, Boquim
Distância até a capital 99 km
Características geográficas
Área 528,256 km² [3]
População 19 800 hab. estimativa IBGE/2018[4]
Densidade 37,48 hab./km²
Altitude 185 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,539 baixo PNUD/2010[5]
PIB R$ 85 003,741 mil IBGE/2008[6]
PIB per capita R$ 4 344,24 IBGE/2008[6]

Riachão do Dantas é um município brasileiro do estado de Sergipe. Encontra-se na região centro-oeste do estado.

História[editar | editar código-fonte]

O nome da cidade se originou de um riacho, o Limeira, que passa próximo a cidade, a povoação era conhecida apenas como "Riachão". Em 1943, ganhou o complemento "do Dantas", em homenagem a João Dantas Martins dos Reis, o Comendador Dantas, chefe político de grande prestígio no tempo do Império do Brasil, chegando a ser vice-presidente da então Província de Sergipe. Foi proprietário do maior engenho da região, o Fortaleza, e um dos doadores do patrimônio da Paróquia Nossa Senhora do Amparo, a santa padroeira da cidade.

O Comendador Dantas teve uma grande influência na criação do município, porém, foi João Martins Fontes, um dos principais fundadores da povoação então pertencente à Freguesia de Nossa Senhora da Piedade do Lagarto. As primeiras casas que formaram a cidade foram construídas nas suas terras, às margens do riacho do Limeira.

Prefeitos[editar | editar código-fonte]

  • Roberto Fontes de Goes (1973–1977)
  • Antônio Guimarães Sobrinho (1977–1983)
  • Roberto Fontes de Goes (1983–1989)
  • José Lopes de Almeida (1989–1992)
  • Antônio Guimarães Sobrinho (1992–1996)
  • José Lopes de Almeida (1996–2000)
  • José Lopes de Almeida (2000–2004)
  • Laelson Meneses da Silva (2005–2008)
  • Laelson Meneses da Silva - mandato cassado - (2009-2010)
  • Ivanildo Macedo dos Santos (2010 - 2016)
  • Pedro de Oliveira (interino)
  • Gerana Gomes Costa Silva - mandato cassado (2017–2018)[1]

Párocos[editar | editar código-fonte]

  • Padre Ezaú Barbosa de Souza (pároco) (1959–2004)
  • Padre Humberto da Silva (administrador paroquial) (2001–2003)
  • Padre Vicente Vidal de Sousa (administrador paroquial e, depois, pároco em 2004) (2003–2004)
  • Padre José Ediberto Lima (pároco) (2004–2009)
  • Padre Álvaro Braz Alves Fernandes (pároco) (2009–2017)
  • Padre Paulo Seza Bispo dos Santos (administrador paroquial) (2017)

Personalidades[editar | editar código-fonte]

  • Bode Bito – Caprino querido na cidade que assistia missas e acompanhava cortejos fúnebres, que tornou-se famoso com a exibição de reportagens do programa de televisão Fantástico, em agosto de 2001 (quadro Me Leva, Brasil) e dezembro de 2018, além de aparições em programas de SBT e RecordTV. Também foi protagonista do documentário "Deu Bode", da bibliotecária Maria de Fátima Fontes de Goes. Após sua morte, em julho 2007, foi homenageado com uma estátua em tamanho e cores naturais com pedestal, colocada na entrada da cidade.
  • Horácio Dantas de Goes – político.
  • Lourival Fontes – embaixador e chefe da Casa Civil no governo do presidente Getúlio Vargas.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localiza-se a uma latitude 11º04'08" sul e a uma longitude 37º43'30" oeste, estando a uma altitude de 185 metros. Sua população, conforme estimativas do IBGE de 2018, era de 19 800[4] habitantes, numa área geográfica de 528,4 km².

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município é banhado pelo riacho do Limeira, um afluente do rio Piauitinga e em suas terras, no povoado de Palmares, nasce um dos principais rios da Bacia Hidrográfica do Estado de Sergipe, o rio Piauí.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Riachão do Dantas: prazo para eleição permanece indefinido». Portal Fan-F1. 15 de fevereiro de 2019. Consultado em 16 de fevereiro de 2019 
  2. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. a b «Estimativa populacional 2018 IBGE». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de agosto de 2018. Consultado em 9 de outubro de 2018 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 26 de agosto de 2013 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado de Sergipe é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.