Ricardo Gumbleton Daunt

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ricardo Gumbleton Daunt
Nascimento 27 de fevereiro de 1894
Casa Branca,  São Paulo
Morte 17 de fevereiro de 1977 (82 anos)
São Paulo,  São Paulo
Nacionalidade brasileiro
Ocupação Advogado
Jurista

Ricardo Gumbleton Daunt (Casa Branca, 27 de fevereiro de 1894São Paulo, 17 de fevereiro de 1977) foi um advogado, jurista criminal e precursor da polícia científica e um dos pioneiros da datiloscopia no Brasil[1].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Cursou o Ginásio de São Bento e a Faculdade de Direito do Largo São Francisco, bacharelando-se em 1919. Foi promotor público de Santa Cruz do Rio Pardo e de Itápolis, São Paulo.

Por muitos anos foi diretor do Serviço de Identificação do Estado de São Paulo, idealizando e criando, nesta repartição, os laboratórios de Antropologia Criminal, Odontologia Legal, Química Legal, o Arquivo Monodatilar e o Arquivo Dactiloscópico, totalmente reestruturado com as “Mesas Daunt”. Foi o inspirador da instituição do “Registro Criminal do Estado”, da “Sessão de Passaportes”, da “Biblioteca”, e da “Sessão de Identificação de Estrangeiros”. Foi o criador das chamadas “Mesas Acácio Nogueira”, destinadas ao registro de impressões digitais.

Em 1938, Ricardo Gumbleton Daunt revolucionou o Instituto de Identificação Criminal do estado de São Paulo, dividindo-o em quatro secções: Fotografia, Antropometria, Datiloscopia e Aplicação (de vários recursos da ciência da identidade). Este Instituto, que mais tarde levaria seu nome, desde a sua criação, já identificou mais de quarenta milhões de pessoas, e, atualmente, emite mais de dez mil cédulas de identidade por dia, entre primeiras e segundas vias.[2][3]

Em 1934 participou do Congresso Nacional de Identificação, realizado no Rio de Janeiro e em São Paulo.; em julho de 1937, da Semana Paulista de Medicina Legal; em julho de 1938, do Primeiro Congresso Paulista de Psicologia, Neurologia, Psiquiatria, Endocrinologia, Identificação, Medicina Legal e Criminologia; e, ainda, do Segundo Congresso Latino-Americano de Criminologia, realizado em Santiago, em janeiro de 1941; sempre representando o Serviço de Identificação do Estado de São Paulo, elaborando trabalhos e teses inéditas.

Foi membro de diversas identidades científicas, tais como: Sociedade de Medicina Legal e Criminologia de São Paulo, Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, Instituto de Estudos Genealógicos de São Paulo (depois, chamado Instituto Heráldico e Genealógico) e Associação Paulista de Cirurgiões Dentistas (membro honorário). Dedicou-se, também, a profundos estudos de História, Heráldica e Genealogia, realizando pesquisas inéditas nestas áreas. Foi também comendador da Ordem Soberana e Militar de Malta. Um exemplo é o livro que fez mostrando toda a linhagem histórica de uma das famílias mais importantes do município paulista de Casa Branca, a família “de Carvalho”, da qual o mais famoso era o Dr. Francisco Thomaz de Carvalho, patrono da Escola Normal que leva o seu nome, Escola Normal Doutor Francisco Thomaz de Carvalho. Na introdução de sua obra genealógica mais célebre - "O Capitão Diogo Garcia da Cruz" - defendeu a tese de que faltou figurar na "Genealogia Paulistana" mais um título: "Garcias de Figueiredo".

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Foi autor de numerosos trabalhos sobre a “Ciência da Identidade”, tendo obras divulgadas na França, por Edmond Locard; e em Portugal, por Luís de Pina. Destacam-se:

  • “Revista de Identificação e Ciências Penais” e do Museu Vucetich de La Plata, na Argentina – diversos artigos.
  • “Revista de Derecho Penal”, da Argentina – diversos artigos
  • “Arquivos de Polícia e Identificação de São Paulo” (fundador e diretor) – diversos artigos.
  • “Herschel e a Dactiloscopia”, considerada obra precursora desta especialidade.
  • “O Padre Diogo Antônio Feijó na tradição da Família Camargo”
  • “Diário da Princesa Isabel”
  • “O Capitão Diogo Garcia da Cruz e sua geração”
  • “Tradições Paulistas – A Baronesa de Monte Santo”
  • “Tenente Urias Emídio Nogueira de Barros”
  • “O Capitão Diogo Garcia da Cruz” – Edição revista, ampliada e atualizada por Caio Figueiredo Silva, em 1974.

Genealogia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. O Estado de S. Paulo, 18 de fevereiro de 1977, página 21
  2. Poupatempo.sp.gov.br http://www.poupatempo.sp.gov.br/posto_luz/servapoio2.asp  Em falta ou vazio |título= (ajuda)
  3. Ssp.sp.gov.br http://www.ssp.sp.gov.br/servicos/atestado.aspx  Em falta ou vazio |título= (ajuda)

Predefinição:Esboço-jurista