Rio Indaiá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde maio de 2013). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rio Indaiá
Indaiai3.jpg

Vista do leito do rio.

Localização
País
Localização
Coordenadas
Hidrografia
Tipo
País(es) da
bacia hidrográfica
 Brasil Alto São Francisco
Nascente
Município de Córrego Danta[1]
Altitude da nascente
1190[1] m
Foz
Altitude da foz
567[2] m

O rio Indaiá é um curso de água do estado de Minas Gerais, afluente da margem esquerda do rio São Francisco.[1] É considerado o afluente de águas mais limpas da bacia do Alto Rio São Francisco, mas está correndo um sério risco de ser destruído pela construção de duas represas para geração de apenas 80 MW de energia.[carece de fontes?] Com a construção das represas será inundada uma área de vales, matas de galeria e uma riquíssima biodiversidade e beleza natural.[carece de fontes?]

Geografia[editar | editar código-fonte]

A nascente do rio localiza-se na serra do Bueno, próximo do entroncamento entre as rodovias federais BR-262 e BR-3, a cerca de dois quilômetros da vila Cachoeirinha, sede do distrito homônimo em Córrego Danta.[3] O rio percorre cerca de 274 quilômetros, até desaguar no reservatório da Usina Hidrelétrica de Três Marias, passando por onze municípios mineiros:[4]

Locomoção sobre o rio
Vista aérea

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. a b c Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1970). Campos Altos (SE-23-Y-D-IV) (Mapa). Carta do Brasil. IBGE. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2006 
  2. a b Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1979). Três Marias (SE-23-Y-B) (Mapa) 1ª ed. [1:250 000]. Carta do Brasil. IBGE. Cópia arquivada em 24 de julho de 2007 
  3. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (1979). Bom Despacho (SE-23-Y-D) (Mapa) 1ª ed. [1:250 000]. Carta do Brasil. IBGE. Cópia arquivada em 11 de outubro de 2019 
  4. «Estudo de Regionalização de Vazão da UFV & IGAM». Governo de Minas Gerais, Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Consultado em 10 de setembro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.