Rio Poti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade (desde outubro de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Rio Poti
Vista aérea do rio Poti em Teresina
Comprimento 538[1][nota 1] km
Nascente Serra dos Cariris Novos,[2]
Quiterianópolis
 Ceará
Foz Rio Parnaíba
Teresina
 Piauí
Área da bacia 52.370[3][4] km²
País(es)  Brasil
Floresta fóssil do rio Poti, em Teresina.

O rio Poti é um rio brasileiro que banha os estados de Ceará e Piauí.[4] Com extensão total de 538 km da nascente à foz,[1] sua bacia abrange uma área total de 52.370 km², dos quais 38.797 km² estão no Piauí e 13.573 no Ceará, e banhando através de seu curso vinte e quatro municípios de ambos os estados.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A denominação do rio provém do povo indígena poti, que vivia na atual área de Teresina na época da ocupação do território pelos bandeirantes luso-brasileiros.[5][6]

História[editar | editar código-fonte]

O Poti já pertenceu totalmente ao estado do Piauí, deixando de sê-lo quando se fez necessário trocar as cidades de Independência e Príncipe Imperial, hoje Crateús, por Amarração, atual Luís Correia, formando a maior parte do atual litoral piauiense.[carece de fontes?]

Sub-bacia[editar | editar código-fonte]

O Poti nasce na Serra dos Cariris Novos, município de Quiterianópolis, e segue no sentido sul–norte passando por Novo Oriente até a cidade de Crateús, onde flui no sentido sudeste–noroeste, passando pela cidade de Teresina, Piauí, onde atravessa a Floresta Fóssil de Teresina e deságua no rio Parnaíba. Em seu leito foram construídas duas barragens: o Açude Flor do Campo, no município de Novo Oriente, bem como a barragem de aproximadamente 800 metros, com paredes de concreto, que abastece Crateús e região.

No seu curso, entre os municípios piauienses de Castelo do Piauí e Juazeiro do Piauí, encontra-se o Cânion do rio Poti, local onde são praticados alguns esportes aquáticos e que poderá vir a ser submerso pela barragem de Castelo, cuja verba já foi liberada.[7][carece de fontes?]

Notas

  1. Dos quais, 192,5 km percorrem o Ceará.[2]

Referências

  1. a b c Lisânea M.O. Damasceno ; et al. «Qualidade da Água do rio Poty para consumo humano». Revista Verde de agroecologia e desenvolvimento sustentável (GVAA). Consultado em 5 de outubro de 2015 
  2. a b Renata Mendes Luna ; et al. (2014). «Diagnóstico hidroambiental do rio Poti no estado do Ceará» (PDF). Universidade Federal do Ceará. Consultado em 5 de outubro de 2015 
  3. Anderson S.A. Jr ; et al. (2005). «Qualidade da Água do Rio Poty Para Irrigação em Teresina, PI» (PDF). Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Consultado em 5 de outubro de 2015 
  4. a b Adm. do governo (2010). «Bacia do rio Poti» (PDF). Governo do Piauí. Consultado em 5 de outubro de 2015 
  5. Câmara dos Deputados do Brasil (1972). Anais da Câmara dos Deputados, Volume 8. [S.l.]: Congresso Nacional 
  6. Carlos Eugênio Porto (1974). Roteiro do Piauí. [S.l.]: Editora Artenova. 192 páginas 
  7. Sousa, Graciane (16 de novembro de 2016). «Obras da barragem de Castelo do Piauí devem começar em 2017». CidadeVerde. Consultado em 7 de janeiro de 2017 
Ícone de esboço Este artigo sobre Geografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.