Sancho II de Castela

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2015). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Sancho II
Rei de Castela, da Galiza e de Leão
Sancho II de Castilla (Ayuntamiento de León).jpg
Sancho II de Leão e Castela
Reinado Castela (10651072)


Galiza (1071–1072)
Leão (1072)

Consorte Alberta
Antecessor(a) Fernando I de Leão e Castela
Sucessor(a) Afonso VI de Leão e Castela
Dinastia Navarra
Nascimento c.1040
Morte 7 de outubro de 1072 (32 anos)
  Zamora, Espanha
Pai Fernando I de Leão e Castela
Mãe Sancha I de Leão

Sancho II de Castela, cognominado O Forte (c.1040Zamora, 7 de Outubro de 1072), foi o primeiro rei de Castela, entre 1065 e à data da sua morte. Foi também rei da Galiza a partir de 1071 e de Leão durante escassos meses no ano de 1072.

Quando seu pai, Fernando Magno de Leão, faleceu a 27 de Dezembro de 1065, Sancho herdou a parte do reino que lhe estava previsto (Castela), tendo os seus outros irmãos (Afonso e Garcia) recebido as partes respectivas da herança (Leão e a Galiza, respectivamente) e as suas irmãs, Urraca e Elvira, as cidades de Zamora e Toro. Viria também a ser rei de Leão durante a expulsão do seu irmão Afonso para Sevilha, durante o ano de 1072.

Teve que fazer face a problemas fronteiriços no leste, com os reis de Navarra e de Aragão (também chamados Sanchos, donde o nome do conflito — a Guerra dos três Sanchos), em 1068; envolveu-se também em conflitos com os seus irmãos Garcia e Afonso, tendo em vista uma melhor repartição da herança paterna.

Assim, num primeiro momento, pactuou com Afonso para repartir entre ambos o reino da Galiza, atribuído ao irmão mais novo, Garcia; em 1071, os exércitos de Leão entram naquele reino e fazem Garcia prisioneiro, situação em que permanecerá até à morte. Sancho, porém, decide que não é suficiente e declara guerra a Afonso. Com a intervenção do seu braço direito, O Cid Rodrigo Dias de Bívar, derrota sucessivamente Afonso VI em Llantada e em Golpejera, e obrigando-o a exilar-se na corte do emir de Sevilha a fim de salvar a própria vida, deixando assim o trono vago para Sancho, que se fez proclamar rei de Leão.

Porém, a nobreza leonesa não aceitou de bom grado estes acontecimentos; a sua irmã Urraca, por exemplo, fortificou-se na cidade de Zamora. As tropas de Sancho assediam a cidade, mas Sancho é enganado pelo nobre zamorano Vellido Dolfos - apresentando-se ao monarca como desertor e sob a descupla de lhe mostar os pontos mais débeis das muralhas, consegue separá-lo do seu exército e apunhalá-lo diante da cidade. O seu assassinato possibilitou então o regresso a Leão do rei Afonso VI.

Estes feitos e as suas consequências passaram a fazer parte do épico Cantar de Mío Cid, para além de muitos outros romances de cavalaria medievais como "o cerco de Zamora".

Precedido por:
Fernando I
Armas do reino de Castela
Rei de Castela

1065 - 1072
Sucedido por:
Afonso VI
Precedido por:
Afonso VI
Armas do reino de Leão
Rei de Leão

1072
Reinos cristãos da Península Ibérica
Astúrias
Reis e Rainhas
Leão
Reis e Rainhas
Castela
Reis e Rainhas
Galiza
Reis e Rainhas
Navarra
Reis e Rainhas
Aragão
Reis e Rainhas
Espanha
Reis e Rainhas
Portugal
Reis e Rainhas