Saturnino de Brito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde agosto de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Francisco Saturnino Rodrigues de Brito, mais conhecido como Saturnino de Brito (Campos, 1864Pelotas, 1929) foi o engenheiro sanitarista brasileiro, que realizou alguns dos mais importantes estudos de saneamento básico e urbanismo em várias cidades do país[1], sendo considerado o "pioneiro da Engenharia Sanitária e Ambiental no Brasil".

Seu invento mais conhecido foi o tanque fluxível, utilizado no Brasil e em toda a Europa no século XX, que foi batizado, após a sua morte, de tanque fluxível tipo Saturnino de Brito só abandonado depois da década de 1970 após a adoção da tensão trativa para o cálculo das redes de esgotos sanitários.

Foi eleito pelo congresso da "Associação Brasileira de Engenharia Sanitária" e Ambiental, por unanimidade, como Patrono da Engenharia Sanitária Brasileira.

Escreveu diversas obras técnicas de saneamento que foram adotadas na França, Inglaterra e Estados Unidos. Suas obras completas foram editadas, após o seu falecimento, pelo Instituto Nacional do Livro na Imprensa Nacional, e incluem, entre outros volumes, o "Saneamento de Santos", o "Saneamento de Campos", o "Saneamento de Pelotas e Rio Grande", o "Saneamento de Recife", "o Saneamento de Natal", "Controle de Enchentes" e o famoso livro "Le Tracé Sanitaire des Villes", editado na França.

Ao iniciar o século XX, o Governo do Estado de S. Paulo projetou uma nova rede de esgotos para o município de Santos e adotou o "sistema separador absoluto", com elevações distritais, proposto por Saturnino de Brito[2]. Moldou a expansão urbana na zona da orla da cidade através da construção gradativa e sequencial de vários canais de drenagem[3], Décadas depois, outro projeto de saneamento básico foi implantado e os canais de Santos permaneceram como patrimônio arquitetônico e cultural, servindo de referência urbana tanto aos santistas quanto aos turistas que visitam a cidade: Canal 1, Canal 2 e daí por diante.

Na Década de 1920 projetou a retificação do Rio Tietê sem a construção das vias marginais. Os planos incluíam um parque com 25 quilômetros de extensão por 1 quilômetro de largura ao longo do rio, o qual seria o maior parque fluvial do mundo, seis vezes maior que o Central Park em Nova Iorque. Só que acabou prevalecendo o projeto do engenheiro Prestes Maia, com seu Plano de Avenidas lançado em 1930, o qual planejou a criação das Avenidas Marginais Expressas Tietê e Pinheiros.

Em 1920 fundou no Rio de Janeiro o Escritório de engenharia Civil e Sanitária Francisco Saturnino de Brito (ESB) - que funcionou até 1978 quando da morte de seu filho e continuador da sua obra Francisco Rodrigues Saturnino de Brito Filho. O ESB foi o primeiro escritório de engenharia consultiva do Brasil e é considerado uma verdadeira escola de engenharia hidráulica e de engenharia sanitária.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. LOPES, André Luís Borges. “Sanear, prever e embelezar”: o engenheiro Saturnino de Brito, o urbanismo sanitarista e o novo projeto urbano do PRR para o Rio Grande do Sul (1908-1929). Porto Alegre: Armazém Digital, 2014
  2. SATURNINO DE BRITO (1943). Projetos e relatórios: Saneamento de Santos. Col: OBRAS COMPLETAS - VOL. VII. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. pp. 46, 511 páginas 
  3. SATURNINO DE BRITO (1944). Urbanismo: A Planta de Santos. Col: OBRAS COMPLETAS - VOL. XXI. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional. 355 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]