Teoria da paz democrática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox grammar.svg
Esta página ou secção precisa de correção ortográfico-gramatical.
Pode conter incorreções textuais, podendo ainda necessitar de melhoria em termos de vocabulário ou coesão, para atingir um nível de qualidade superior conforme o livro de estilo da Wikipédia. Se tem conhecimentos linguísticos, sinta-se à vontade para ajudar.

A teoria da paz democrática, teoria da paz liberal ou simplesmente a paz democrática é uma teoria e a investigação empírica relacionada em relações internacionais, ciência política e filosofia que sustenta que as democracias ou as democracias liberais nunca ou quase nunca entram em guerra umas com as outras.[1]

A teoria original e a investigação acerca das guerras foi seguida de muitas teorias semelhantes e investigação relacionada acerca da relação entre a democracia e a paz, incluindo conflitos menores do que guerras também são raros entre as democracias, e que a violência sistemática é em geral menos comum no interior das democracias.

Referências

  1. Michael Doyle no seu pioneiro trabalho, "Kant, Liberal Legacies, and Foreign Affairs", Philosophy and Public Affairs (1983) 205, 207–208, aplicou a a teoria àqueles chamados "estados liberais" que definiu como "Estados com alguma forma de democracia representativa, uma economia de mercado baseado em direitos de propriedade privada, e proteção constituicional de deireitos civis e políticos." A teoria é ocasionalmente chamada a "Teoria liberal de Paz" Por exemplo, Clemens Jr., Walter C. Teoria da Complexidade como uma Tool for Understanding and Coping with Ethnic Conflict and Development Issues in Post-Soviet Eurasia. International Journal of Peace Studies.[1]