The Siege

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
The Siege
Pôster promocional
No Brasil Nova York Sitiada
Em Portugal Estado de Sítio
The Siege - Estado de Sítio
 Estados Unidos
1998 •  cor •  116 min 
Direção Edward Zwick
Produção Lynda Obst
Edward Zwick
Roteiro Lawrence Wright
Menno Meyjes
Edward Zwick
Elenco Denzel Washington
Annette Bening
Bruce Willis
Tony Shalhoub
David Proval
Gênero ação · policial · suspense
drama
Música Graeme Revell
Direção de arte Chris Shriver
Direção de fotografia Roger Deakins
Efeitos especiais Full Scale Effects Inc.
Figurino Ann Roth
Cinematografia Roger Deakins
Edição Steven Rosenblum
Distribuição 20th Century Fox
Lançamento Estados Unidos 6 de novembro de 1998
Brasil 4 de dezembro de 1998
Portugal 5 de fevereiro de 1999
Idioma inglês
Orçamento US$ 70 milhões
Receita US$ 116,6 milhões
Site oficial

The Siege (bra: Nova York Sitiada[1][2]; prt: Estado de Sítio[3] ou The Siege - Estado de Sítio[4][5]) é um filme estadunidense de 1998, dos gêneros drama, ação, policial e suspense, dirigido por Edward Zwick, com roteiro de Lawrence Wright, Menno Meyjes e do próprio diretor.[1]

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Agente oficial do FBI, uma oficial da CIA e um general unem forças para capturar um perigoso grupo de terroristas que espalha bombas em diversos lugares de Nova York, levando a cidade ao caos.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

O filme recebeu críticas mistas dos críticos. Rotten Tomatoes entregou ao filme uma pontuação de 45% com base em 60 comentários, marcando-o assim "podre".[6]

Roger Ebert deu ao filme 21/2 estrelas de quatro, escrevendo que o diretor Edward Zwick faz um bom trabalho com cenas de multidão, mas criticando que ele é desajeitado.[7]

Bilheteria[editar | editar código-fonte]

O filme arrecadou US$ 40,9 milhões na América do Norte e US$ 75,7 milhões em outros territórios, para um orçamento de US$ 70 milhões.[8]

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

Quando o filme estreou, o American-Arab Anti-Discrimination Committee ("Comitê Antidiscriminação Árabe-Americano", em tradução livre) manifestou-se contra o filme. Seu porta-voz, Hussein Ibish, chegou a declarar que "The Siege é extremamente ofensivo. É mais que ofensivo. Estamos acostumados a ofensas, que se tornaram rotina, mas este filme é realmente perigoso [pois] "reforça estereótipos que levam a crimes de ódio." Ibish reconheceu que terroristas árabes, de fato, bombardearam o World Trade Center em 1993, mas disse que os grupos árabes e islâmicos estão muito preocupados com a "equação entre práticas muçulmanas e terrorismo. [Graças a este filme], cada vez que alguém passa pelo abdesto muçulmano, a lavagem ritual das mãos que todo mundo faz, antes de rezar cinco vezes por dia, essa imagem é o anúncio para o espectador da presença de violência." Essa crítica ecoou no Conselho sobre Relações Americano-Islâmicas, que protestou contra a insinuação de que "os muçulmanos têm total desprezo pela vida humana." Os grupos "enviaram faxes e fizeram chamadas regularmente para agências de notícias" expressando suas preocupações.[9][10]

O diretor Edward Zwick se reuniu com os árabes americanos, que sugeriram alterar a história para reflectir as consequências do atentado de Oklahoma City, quando os árabes imediatamente assumiram a responsabilidade. Esta ideia foi rejeitada. Zwick observou que vilões de The Siege também incluem membros do governo dos EUA, e rejeitou as críticas, dizendo: "Toda vez que alguém abordar questões religiosas, haverá esse tipo de reação. Devemos apresentar cada grupo apenas como paradigmas de virtude? O filme é inspirador desse tipo de reflexão. Acontece que eu venho de uma escola em que os filmes não só devem fazer você se sentir desconfortável, eles podem fazer você pensar. [...]Você pode antecipar qualquer tipo de reação nestas tempos em que a sensibilidade parece muito alto na cultura. Tenho um amigo que diz que, se você não tiver ofendido alguém, você é um ninguém. [...] Como é a sensação de ser um para-raios? [...] Eu a acho melhor do que ser universalmente ignorado. Em uma cultura onde parece haver muito o que falar, é bom ser falado."[9]

"O que o filme é o mais profundamente sobre - é sobre as nossas próprias possibilidades latentes de repressão, estereótipos e preconceitos", diz Zwick. "Para ver os americanos arredondado nas ruas, ver os americanos colocar em estádios, ver as pessoas detidas sem habeas corpus - de ter seus direitos violados de uma forma é uma coisa tão assustadora e terrível apenas para ver - que é o que se tira, eu acredito que, a partir deste filme."[11]

Em uma entrevista de setembro de 2007, o roteirista Lawrence Wright atribuiu o fracasso do filme nas bilheterias pelos protestos de muçulmanos e árabes em cinemas que apresentavam o filme, mas também alegou que foi o filme mais alugado nos Estados Unidos depois dos ataques de 11 de setembro.[12]

Acadêmica Alexandra Campbell citou o ex-prisioneiro de Guantánamo Tarek Dergoul quando comparado a demonização de ficção e abuso extrajudicial dos muçulmanos no filme e os abusos que Dergoul descrito em sua primeira entrevista após o repatriamento.[13]

Prémios e nomeações[editar | editar código-fonte]

Blockbuster Entertainment Awards

  • Venceu na categoria de melhor ator coadjuvante - suspense (Bruce Willis)[carece de fontes?]

Framboesa de Ouro

Referências

  1. a b «Nova York Sitiada». Brasil: CinePlayers. Consultado em 19 de abril de 2019 
  2. «Nova York Sitiada». Brasil: AdoroCinema. Consultado em 19 de abril de 2019 
  3. «Estado de Sítio». Portugal: CineCartaz. Consultado em 19 de abril de 2019 
  4. «The Siege - Estado de Sítio». Portugal: DVDPT. Consultado em 19 de abril de 2019 
  5. «The Siege - Estado de Sítio». Portugal: SapoMag. Consultado em 19 de abril de 2019 
  6. «The Siege (1998)». Rotten Tomatoes. Flixster. Consultado em 1 de dezembro de 2010 
  7. The Siege Roger Ebert November 6, 1998 http://rogerebert.suntimes.com/apps/pbcs.dll/article?AID=/19981106/REVIEWS/811060302/1023 Chicago Sun Times Sobre a concepção de espectadores pensaram que era um bom livro dando uma boa visão do islão
  8. «The Siege (1998)». Box Office Mojo. Amazon.com. Consultado em 4 de janeiro de 2010 
  9. a b «Muslims feel under siege from Hollywood». 5 de novembro de 1998 
  10. «Islamic Council Protests Timing of 'The Siege'». Los Angeles Times. 25 de agosto de 1998. Consultado em 24 de outubro de 2010 
  11. «Director Ed Zwick defends 'The Siege'». CNN NewsStand. 10 de novembro de 1998. Consultado em 4 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2010 
  12. Martin, David (9 de setembro de 2007). «Reporting The Bin Laden Beat». CBS News. Consultado em 4 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2010 
  13. Alexandra Campbell (2010). Keith Hayward, Mike Presdee, ed. Framing Crime: Cultural Criminology and the Image. [S.l.]: Routledge. pp. 107–108. ISBN 9780203880753. Consultado em 22 de abril de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre um filme estadunidense é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.