USS Essex (CV-9)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
USS Essex (CV-9)
USS Essex (CV-9) - May 1943.jpg
Batimento da quilha 28 de abril de 1941[1]
Lançado ao mar 31 de julho de 1942
Comissionamento 31 de dezembro de 1942
Descomissionamento 30 de junho de 1969
Estaleiro "Newport News Shipbuilding", Newport News, Virgínia
AF-2S VS-25 CV-9 1951 NAN11-51.jpg
Sistema de propulsão 8 caldeiras, acopladas a 4 turbinas a vapor "Westinghouse"; 150.000 shp (cavalos de força)
Comprimento 890 pés (271,3 m)
Boca 101 pés (30,8 m)
Calado 30,8 pés (10,4 m)
Deslocamento 41.200 toneladas (aproximado)
Velocidade 33 nós
Aviões 90 - 100
Tripulação 2.600
Armamento (1964) 8 canhões de cinco polegadas (5-inch 38 caliber guns), 4 torres duplas de canhões de e polegadas (3 inch 50 caliber guns)
Classe "Classe Essex"

USS Essex (CV-9) é um porta-avião da Marinha dos Estados Unidos da América, navio líder de sua Classe.[3]

O navio entrou em operação, durante a Segunda Guerra Mundial (19391945), recebendo a classificação de "CV" porta-aviões ("Aircraft Carrier"), na Guerra da Coréia após remodelação foi reclassificado como "CVA" porta-aviões para aeronaves de caça ("Attack Aircraft Carrier"), no início da década de sessenta, após nova remodelação passou a atuar como "CVS" porta-aviões especializado em guerra anti-submarina (Anti-Submarine Warfare Carrier).[4]

Construido pelo estaleiro Newport News Shipbuilding and Drydock Company, foi lançado ao mar em 31 de julho de 1942, sendo comissionado em 31 de dezembro de 1942. O capitão Donald B. Duncan foi o seu primeiro comandante.[1]

O porta-aviões Essex recebeu a citação presidencial (Presidential Unit Citation)[5] e 13 estrelas de batalha (Battle Star)[6] pelos serviços prestados na Segunda Guerra Mundial, 4 estrelas de batalha e a comenda da Marinha (Navy Unit Commendation)[7] por serviços durante a Guerra da Coréia.[8]

O navio foi descomissionado em 30 de junho 1969 e encaminhado para desmonte em junho de 1975.[3]

O nome Essex é uma homenagem a cidade e condado norte-americano com longa tradição na construção de barcos, localizada no estado de Massachusetts, e aos outros três navios da Marinha Americana que receberam o mesmo nome.[1]

Operações[editar | editar código-fonte]

Segunda Guerra Mundial[editar | editar código-fonte]

avião caça F6F Hellcat (com as asas dobradas) e o avião bombardeio SBD-4 Dauntless
20 de março de 1943

O Essex esteve na na Área da Guerra do Pacífico no período de 31 de agosto de 1943 a 15 de agosto de 1945.[3]

Participou da força tarefa "Task Force 16 (TF 16)" que bombardeou a Minamitorishima (ilha Marcus) em 31 de agosto de 1943. Fazendo parte da "Task Force 14 (TF 14)" participou do ataque a Ilha Wake (5-6 outubro). Como parte da "Task Group 50.3 (TG 50.3)" investiu contra as Ilhas Gilbert e participou da Batalha de Tarawa (18-23 novembro). Após reabastecimento os seus aviões atacarem o Atol Kwajalein (4 dezembro).[3] [9]

Yokosuka D4Y3 (Type 33) "Judy" em mergulho suicida contra o USS Essex (CV-9)
25 de novembro de 1944
Avião kamikaze atinge o USS Essex (CV-9)
25 de novembro de 1944

Juntamente com outros navios da Marinha Norte-Americana participou do ataque ao atol de Truk (17-18 fevereiro de 1944), aonde forma afundados 8 navios da Marinha Imperial Japonesa. Na sequencia a esta operação, na rota para as Ilhas Marianas foi detectado e pesadamente atacado pela aviação japonesa, que não impediu que os seus aviões executassem missões de bombardeamento em Saipan, Tinian e Guam (23 de fevereiro).[3]

Após esta operação o Essex retornou ao porto de São Francisco para a sua unica manutenção em tempo de guerra.

Em seu retorno ao Pacifico fez parte da força tarefa "Task Force 16 (TF 12.1)" juntamente com os porta-aviões USS Wasp (CV-18) e USS San Jacinto (CVL-30) que atacou Minamitorishima (ilha Marcus) (19-20 maio) e a Ilha Wake (23 maio).

Apoiou a ocupação das Ilhas Marianas (10 de junho - 15 de agosto). Ainda no ano de 1944 participou dos ataques as Ilhas Palau (6-8 setembro) e Mindanau (9-10 setembro), Okinawa (10 outubro), Ilha de Formosa (12-14 outubro), Ilhas Leyte (24-25 outubro), retornando então para as Ilhas Carolinas aonde foi reabastecido.[3]

Em 25 de novembro de 1944 o porta-aviões recebeu um ataque suicida de um avião kamikaze japonês. A ponte de comando e o deck de decolagem, sofreram pesados danos, foram feridos 44 marinheiros e mortos 15. O navio após rápidos reparos voltou a operação em meados de dezembro.[10]

O porta-aviões retornou as operações participando da ocupação da ilha de Mindoro nas Filipinas (14-16 dezembro). Em 18 de dezembro esteve ativo no socorro aos sobreviventes do tufão que atingiu a região, ocasionando severos danos a frota norte-americana.[9]

Campanha de Okinawa
20 de maio de 1945

No primeiro mês de 1945, os seus aviões atacaram Formosa, Sakishima, Okinawa, Luzon, Hainan e Hong Kong, e novamente esteve envolvido no socorro a frota, após o tufão ocorrido em 20-21 de janeiro.

Durante o restante da guerra, continuou realizando ataques contra a região de Tóquio (16-17, e 25 de fevereiro), para neutralizar o poderio aéreo do inimigo como na destruição da indústria aeronáutica japonesa. Na sequencia missões contra Iwo Jima e as ilhas vizinhas, e a partir de 23 de março até 28 de maio de 1945 foi utilizado principalmente para apoiar a conquista de Okinawa.

Retornando aos Estados Unidos foi inativado no porto Bremerton, Washington. Em 9 de Janeiro de 1947, o navio foi transferido para a reserva.[3]

McDonnell F2H-2 Banshee fighter
26 de junho de 1951 a 25 de março de 1952 (Guerra da Coréia)

Guerra da Coréia[editar | editar código-fonte]

O porta-aviões já modernizado como "CVA" porta-aviões para aeronaves de caça,[4] esteve presente em três oportunidades durante a Guerra da Coréia (25 de junho de 1950 e 27 de julho de 1953).

Em janeiro de 1951, foi o navio líder da frota de porta-aviões e da força tarefa "Task Force 77 (TF 77)",[11] até que em 16 de setembro de 1951, um avião "McDonnell F2H-2 Banshee fighter" danificado em uma missão combate, na sua tentativa de pouso atingiu outros aviões causando explosões e um incêndio que matou sete tripulantes.[10]

O porta-viões passou por reparos na base de Yokosuka, no Japão. Retornou ao combate em outubro, com missões de ataque ao longo do rio Yalu e no apoio das tropas das Nações Unidas, presentes no conflito. Em dezembro de 1953 foi deslocado para o patrulhamento do Mar da China.[11]

Pós Guerras[editar | editar código-fonte]

[9]

Em janeiro de 1958, a embarcação foi seriamente danificada por um incêndio ocorrido em alto-mar.[10]

Em 28 de maio de 1959, um avião FJ-1 Fury colidiu com o deck de decolagem ocasionado explosões e um incêndio, que matou dois tripulantes, e feriu 21 outros.[10]

Air Task Group Two (ATG-2)
novembro de 1954 a junho de 1955
USS Essex (CV-9)
navegando em mar revolto
1960
Grumman S-2E - Air Group 54 (CVSG-54)
1967

Em novembro de 1966, a 350 milhas de Morehead City, durante um exercício naval, o Essex colidiu com o submarino nuclear norte-americano USS Nautilus (SSN-571). O submarino sofreu pesados danos, e o porta-aviões teve o seu casco rasgado na área de proa, ambas as embarcações retornaram a seus portos com recursos próprios.[10]

Missão Apolo[editar | editar código-fonte]

Em 27 de janeiro de 1967, o porta-aviões encalhou próximo a Porto Rico.[10]

Especificações[editar | editar código-fonte]

O USS Essex (CV-9), após a sua construção em 1942, passou por duas reformas e atualizações nos anos de 1951 e 1956, que alteraram as sua características originais.[1]

construção, 1942 (CV)

tonelagem: 27.100 ton (padrão); 36.380 ton (plena carga)
dimensões (linha d'água): 249,9 x 28,3 x 8,7 metros (plena carga)
dimensões (máxima): 265,8 x 45 metros
velocidade: 32.7 nós
armamento: 4 metralhadoras (torre dupla) e 4 metralhadoras (torre simples) calibre 5"/38; 8 metralhadoras (torre quádrupla) ; calibre 40-mm/56-cal ; 46 metralhadoras (torre simples) calibre 20-mm/70-cal
aviões: 90 (Air Group 9, outubro de 1943)
instalações para pouso e decolagem: 1 pista de pouso, 2 elevadores centrais; sem sistema de catapulta
tripulação: 2.600 aproximado (tripulantes e pessoal de vôo)

reforma e modernização, 1951 (CVA)

tonelagem: 28.200 ton (padrão); 40.600 ton (plena carga)
dimensões (linha d'água): 249,7 x 30,9 x 9,1 metros (plena carga)
dimensões (máxima): 273,7 x 46,3 metros
velocidade: 31.7 (máxima) / 30 (operacional) nós
armamento: 8 metralhadoras (torre simples) calibre 5"/38; 14 metralhadoras (torre dupla) calibre 3"/50
aviões: 70
instalações para pouso e decolagem: 1 pista de pouso, 2 elevadores centrais; duas catapultas hidráulicas
tripulação: 2.900 aproximado (tripulantes e pessoal de vôo)

reforma e modernização, 1956 (CVS)

tonelagem: 30.800 ton (padrão); 41.200 ton (plena carga)
dimensões (linha d'água): 251,3 x 30,8 x 9,2 metros (plena carga)
dimensões (máxima): 271,3 x 59,7 metros
velocidade: 32.0 (máxima) / 30,3 (operacional) nós
armamento: 7 metralhadoras (torre simples) calibre 5"/38; 4 metralhadoras (torre dupla) calibre 3"/50
aviões: 70
instalações para pouso e decolagem: 1 pista de pouso, 2 elevadores centrais; duas catapultas hidráulicas
tripulação: 2.300 aproximado (tripulantes e pessoal de vôo)

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Imagens e media no Commons

Ligações externas[editar | editar código-fonte]