Órbita geoestacionária

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Animação de uma órbita geoestacionária

Uma órbita é considerada geoestacionária quando esta órbita é circular e se processa exatamente sobre o equador da Terra, nos pontos de latitude zero e a sua rotação acompanha exatamente a rotação da Terra.

Desta forma para um observador que estiver situado sobre a superfície, verá que um satélite pertencente a uma órbita geoestacionária, permanece sempre na mesma posição.

É o caso da maioria dos satélites artificiais de comunicações e de televisão que ficam em órbitas geoestacionárias a fim de permanecerem sempre sobre a mesma posição aparente e desta forma sempre poder receber e transmitir dados para uma mesma região o tempo todo. Assim uma antena terrestre pode permanecer fixa apontando sempre uma dada direção do céu, sem necessitar ser redirecionada periodicamente.

Para que um satélite permaneça sempre sobre um determinado ponto da superfície da Terra sem a necessidade de propulsão vertical e horizontal, ele deve orbitar sempre a uma distancia fixa de 35 786 km acima do nível do mar, no plano do equador da Terra. Isso independente da massa (peso) do satélite. Os satélites brasileiros de comunicação da família Brasilsat são satélites de órbita geoestacionária.

Cálculo da altitude de orbitação[editar | editar código-fonte]

Se um satélite está em orbita em torno da Terra, isso significa que sobre o satélite actua uma força centrípeta (força que a Terra exerce sobre o satélite).

Assim sendo pela Segunda Lei da Dinâmica ou Segunda Lei de Newton temos então que actua neste corpo; a força centrípeta:

F_\text{resultante} = F_\text{centrípeta}

ou

F_\text{resultante} = F_\text{gravitiva}

Pela Segunda Lei de Newton podemos substituir as forças F pelas massa do corpo multiplicado por sua aceleração.

Então teremos:

m_{sat} \cdot a_{g} = m_{sat} \cdot a_{c}

Observe que a massa do satélite, m_\text{sat} , aparece em cada lado da igualdade, indicando que podem ser canceladas.

a_{g} = a_{c}

Isso significa que um satélite em órbita geoestacionária não depende de sua massa.

Como a intensidade da força centrípeta é dada por:

|a_c| = \omega^2 \cdot r

Onde \omega é a sua velocidade angular dada em radianos por segundos, e r é o raio da órbita dado em metros , distancia esta medida do centro de massa da Terra.

A intensidade da acção da força de gravítica é dada por Lei da gravitação universal é:

|a_g| = \frac{M_\text{t} \cdot G}{r^2}

Onde M_t é a massa da Terra em quilogramas, e G é a Constante de Gravitação Universal.

G=(6,6742 \pm 0,0010) \times 10^{-11} \text{m}^{3} \text{kg}^{-1} \text{s}^{-2}

M_\text{t} = 5,9742\times 10^{24}\ \text{kg}

Equacionado-se estas duas acelerações obtemos o seguinte:

\omega^2 \cdot r = \frac{M_t \cdot G}{r^2}

r^3 = \frac{M_\text{t} \cdot G}{\omega^2}

r = \sqrt[3]{\frac{M_\text{t} \cdot G}{\omega^2}}

Podemos expressar este produto de duas constantes por M_\text{t} \cdot G por \mu.

r = \sqrt[3]{\frac{\mu}{\omega^2}}

A velocidade angular é dada por \omega cujo valor é obtido dividindo-se o ângulo percorrido pelo satélite em uma revolução pelo seu período orbital.

O ângulo percorrido vale 360^\circ = 2 \cdot \pi radianos.

O tempo que se leva para completar uma revolução de um dia sideral, vale: 86 164 segundos.

Isto fornece:

\omega = \frac{\text{distância}}{\text{tempo}}

\omega = \frac{2 \cdot \pi}{86164} = 7,29 \cdot 10^{-5} \mathrm{rad} \cdot \mathrm{s}^{-1}

Temos como resultado que o raio da órbita é 42164 km. Subtraindo-se o raio aproximado da terra que é 6378 km, fornece finalmente a altitude do satélite, que é de 35786 km.

Altitude: 42 164 - 6 378 = 35 786 km

A velocidade orbital (o quanto rápido voa o satélite pelo espaço) é calculado multiplicando-se a velocidade angular pelo raio da órbita.

v = \omega \cdot r = 3,07 \mathrm{km} \cdot \mathrm{s}^{-1}

Essas contas devem ser consideradas como uma primeira aproximação: a altitude do satélite deve ser corrigida levando-se em conta a irregularidade da Terra, cujo efeito principal é o do achatamento terrestre.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Órbitas Geossíncronas e Geoestacionárias


Glossário de Astronomia

Abóbada celeste | Apoastro | Afélio | Albedo | Ascensão recta | Astro | Corpo celeste | Classificação estelar | Declinação | Diagrama de Hertzsprung-Russell | Eclíptica | Equador celeste | Equinócio | Esfera celeste | Hemisfério celestial norte | Hemisfério celestial sul | Luminosidade | Intensidade de radiação | Magnitude aparente | Magnitude bolométrica | Nadir | Órbita | Periastro | Periélio | Planeta | Ponto vernal | Precessão dos equinócios | Solstício | Trópico | Zênite