A Jangada de Pedra

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página sobre literatura não cita fontes confiáveis e independentes. (desde outubro de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
A Jangada de Pedra
Autor (es) José Saramago
Idioma português
País  Portugal
Género romance
Editora Editorial Caminho
Lançamento 1986
Páginas 330
Cronologia
Último
Último
O Ano da Morte de Ricardo Reis
História do Cerco de Lisboa
Próximo
Próximo

A Jangada de Pedra é um romance de José Saramago. Conta a história ficcional da separação geográfica da Península Ibérica do restante continente europeu. Esta obra, traduzida em mais de vinte línguas, já foi adaptada ao cinema em 2002 por George Sluizer. A obra é escrita em um formato singular, onde os diálogos sao incorporados à narrativa, omitindo os travessões e pontos de exclamação e de interrogação.

A separação geográfica é uma alusão ao que Saramago via ocorrer frente à unificação da Europa, onde os países ibéricos estavam postos de lado, navegando à deriva sem se identificarem cultural, social ou economicamente com o restante do continente.

A este acontecimento impactante, aparentemente sem explicação científica, precedem outros quatro igualmente sobrenaturais que unem as personagens com quem ocorreram os factos. Joana Carda, Joaquim Sassa, José Anaiço e Maria Guavaira, Pedro Orce e Cão, percorrem uma longa jornada em busca de algo que lhes desatormente as almas, a sentirem-se culpadas pelo ocorrido.

Descrição das personagens[editar | editar código-fonte]

Joana Carda: Ao riscar o chão (em solo português, haja vista) com uma vara de negrilho (ulmeiro ou olmo) se sente partilhar da culpa pela separação da Península Ibérica do restante da Europa. O risco é permanente, quando revolvido, refaz-se imediatamente.

Maria Guavaira: Encontrou em sua casa, na costa da Galiza, uma meia de lã azul que não termina de desfazer-se, formando um novelo enorme (descrito como uma nuvem).

Joaquim Sassa: A personagem se diz realizadora de uma tarefa sobre-humana, lançar uma pedra ao mar numa praia da cidade do Porto; que, por sua massa e distância percorrida, fazem do ato impossível para o físico de Joaquim.

José Anaiço: Seguido por uma revoada de estorninhos durante a parte inicial do livro, sem motivo aparente, ou ligação imediata com os outros casos, assim como com a cisão da Europa, a personagem mostra o seu propósito apenas no decorrer do enredo.

Pedro Orce: Sente uma contínua vibração vinda do solo, como se pudesse perceber as oscilações provocadas pelo movimento de Espanha e Portugal.

Constante (o Cão): Mostrado no princípio da narrativa como hesitante entre Espanha e França, no momento em que surge a primeira fenda, o animal segue para a península e junta-se ao grupo, tornando-se companheiro frequente de Pedro Orce. Constante também sente as vibrações do movimento. Há alusão a uma possível origem infernal do cachorro, dada pelo fato de este provir da região de Cerbère, fronteiriça à Espanha, onde supostamente passou e latiu Cérbero, guardião do Hades.

Nesta teia, Saramago tem fértil terreno para destilar as suas críticas a respeito da vida em sociedade e das autoridades.

Adaptações cinematográficas[editar | editar código-fonte]

Foi adaptado em 2002 no filme A Jangada de Pedra do diretor George Sluizer.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: José Saramago