Amadou Toumani Touré

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Amadou Toumani Touré
Primeiro-ministro
Mandato 8 de junho de 2002
a 22 de março de 2012 (disputado)
Primeiro-ministro Ahmed Mohamed ag Hamani
Ousmane Issoufi Maïga
Modibo Sidibé
Cissé Mariam Kaïdama Sidibé
Antecessor(a) Alpha Oumar Konaré
Sucessor(a) Amadou Sanogo (Presidente do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado)
Presidente do Comitê de Transição para Salvação do Povo do Mali
Mandato 31 de março de 1991
a 8 de junho de 1992
Primeiro-ministro Soumana Sacko
Antecessor(a) ele mesmo (Presidente do Conselho de Reconciliação Nacional)
Sucessor(a) Alpha Oumar Konaré (Presidente da República)
Presidente do Conselho de Reconciliação Nacional do Mali
Mandato 26 de março de 1991
a 31 de março de 1991
Antecessor(a) Moussa Traoré (Presidente da República)
Sucessor(a) ele mesmo (Presidente do Comitê de Transição para Salvação do Povo)
Vida
Nascimento 4 de Novembro de 1948 (65 anos)
Mopti, Flag of French Sudan (1958-1959).svg Sudão Francês
Dados pessoais
Cônjuge Lobbo Traore
Partido Independente
Religião Islamismo
Serviço militar
Anos de serviço 1970-2001
Graduação General

Amadou Toumani Touré (Mopti, 4 de novembro de 1948) é um militar e político maliano. Foi presidente do seu país entre 2002 e 2012.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Touré nasceu em novembro de 1948, em Mopti, no antigo Sudão francês, onde cursou seus primeiros anos de escola primária. Entre 1966 e 1969, mudou-se para Bamako, onde concluiu os estudos de escola secundária.

Logo, ingressaria em uma escola mista militar. Dentro do corpo de pára-quedistas, subiu rapidamente na hierarquia e, após vários estágios na União Soviética e França, tornou-se comandante dos pára-quedistas em 1984.

A violenta repressão das forças de seguranças do governo ditatorial do general Moussa Traore contra manifestantes pró-democracia foi o estopim para um golpe militar de Estado, perpetrado em março de 1991 contra o líder militar, que teve ativa participação do então coronel Touré. Deposto o ex-ditador, Touré assumiu a presidência da "Comissão de Transição para o Povo", que tomou para si as funções de chefia de governo durante a transição para um novo governo civil. Concluídas as eleições legislativas e presidenciais em 1992, cedeu o poder para o presidente eleito Alpha Oumar Konaré. Por seu desempenho, Touré foi apelidado de "soldado da democracia".[1]

Naquele período, criou uma fundação para crianças. Em junho de 2001, tornou-se enviado especial do secretário-geral da ONU, Kofi Annan, para a República Centro-Africana, após golpe de Estado fracassado. No ano seguinte, em 2002, Touré venceu as eleições presidenciais do Mali e se tornou o quarto presidente do chefe de Estado do país desde a independência. Em 2007, foi reeleito para o cargo.[1]

Em março de 2012, em meio a crescente rebelião de separatistas tuaregues no norte do país, Touré acabou derrubado por uma junta militar.[2] Para tentar garantir alguma ordem política, foi pressionado a renunciar à presidência, ato consumado em 8 de abril.[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Entenda a crise no Mali - BBC Brasil, 6 de abril de 2012
  2. Militares golpeiam o presidente Touré e tomam o poder no Mali - DWelle, 22 de março de 2012
  3. Amadou Touré renuncia oficialmente à presidência do Mali - OperaMundi, 08 de abril de 2012
Precedido por
Alpha Oumar Konaré
Presidente do Mali
2002 - 2012
Sucedido por
Amadou Sanogo
(Presidente do Comitê Nacional para a Restauração da Democracia e do Estado)
Ícone de esboço Este artigo sobre um político é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.