Blush

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Blush (do inglês "enrubescer" ou "rubor") ou Rouge' (do francês "vermelho") é um produto de maquilagem usados para realçar ou dar colorido às maçãs do rosto, conferindo uma aparência saudável e corrigindo certas irregularidades da face.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Variedade de tons de blush em pó

As mulheres gregas e romanas antigas eram conhecidos por aplicar natural pigmentos vermelhos, como ocre, fiicus, cinábrio, henna, açafrão vermelho, ou cochonilha como um tipo de rouge nas bochechas. As europeias usaram pó da madeira do pau-brasil depois que este se tornou um recurso comum no Ocidente e zarcão foi usado até 1920. Embora inicialmente o rouge tinha a textura de pomada mas com o passar do tempo adquiram outras texturas como cremes[2] e géis,[1] atualmente, o rouge em pó tem sido mais comum e popular devido o aspecto mais fino e potencial de duração maior.[3]

Diferente de agora, o rouge era usado tanto por mulheres quanto por homens na França, um inventário detalhado de 1768 mostra que tanto os homens quanto as mulheres compravam o rouge, um cavalheiro de província encomenda "rouge para teatro" enquanto outro reclama que sua encomenda de rouge e de tintura branca para o rosto estava atrasada. O rouge também correspondia a apenas 1% a 7% do total de vendas de perfumistas oficiais, provavelmente porque vendedores específicos de rouge faziam mais vendas operando fora dos livros.[4]

O rouge foi tão bem pensado que, quando o uso de "tintas" foi criticada, muitos escritores do século XIX abriram uma exceção para ele:

Se alguma vez a pintura tenha que ser proscrita, devemos implorar por uma exceção em favor do rouge, o que deve ser usado de modo inocente e aplicado com arte para dar uma expressão ao rosto, que não a teria sem esse auxiliar.
The Toilette of Health, Beauty, and Fashion, Allen and Ticknor; 1834. p. 89.[5]

Como matérias-primas e as receitas estavam disponíveis, as pessoas do século XIX poderiam fazer seu próprio rouge, no entanto, na segunda metade desse século a tendência passou a ser a compra do rouge já pronto. Um exemplo de receita de 1875:


Composição química[editar | editar código-fonte]

As matérias-primas serão escolhidas em função de sua forma física, estando, por sua vez, condicionadas ao tipo de pele. Por exemplo, pós e géis para peles lipídicas ou endérmicas e cremes (emulsionados ou anidros) para peles alipídicas. [1]

Os principais componentes encontrados em rouges inclui uma base em pó e aglutinante. Os componentes da base em pó inclui fillers a base e minerais como o talco (silicato de magnésio), mica (um silicato de magnésio e alumínio), sericita (um tipo de mica hidratada) e caulinita ou caulim. O talco é o filler mais popular e tende a ser transparente dependendo do tamanho de suas partículas e tem textura suave ao toque. As fórmulas modernas raramente contém o caulim e tendem a ter uma textura grossa tem a propriedade de absorver muito óleo. Os aglutinantes secos são adicionados para permitir ao pó serem comprimidos e reter forma, estes inclui saponáceos metálicos como estearato de zinco ou estearato de magnésio e materiais polimerizantes como polietileno. [3]


Referências

  1. a b c Aparecida, S.A.P. et al, Estudo sobre cosméticos faciais relacionados à maquilagem, p. 4
  2. Duda Molinos. Maquiagem. Senac; 2010. ISBN 978-85-7359-947-3. p. 65.
  3. a b John Toedt; Darrell Koza; Kathleen Van Cleef-Toedt. Chemical Composition of Everyday Products. Greenwood Publishing Group; 2005. ISBN 978-0-313-32579-3. p. 25.
  4. Morag Martin. Selling Beauty: Cosmetics, Commerce, and French Society, 1750–1830. JHU Press; 18 August 2009. ISBN 978-0-8018-9309-4. p. 24.
  5. The Toilette of Health, Beauty, and Fashion. Allen and Ticknor; 1834. p. 89.