Budapeste (livro)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Budapeste
Autor (es) Chico Buarque
Idioma Português
País Brasil
Género Romance
Arte de capa Raul Loureiro
Editora Brasil Companhia das Letras
Lançamento 2003
Páginas 176[1]
ISBN 9788535904178
Cronologia
Último
Último
Benjamim
Leite Derramado
Próximo
Próximo

Budapeste é o terceiro romance de Chico Buarque, lançado em 2003 pela editora Companhia das Letras.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Em Budapeste o narrador José Costa é um ghost-writer, pessoa especialista em escrever cartas, artigos, discursos ou livros para terceiros, sob a condição de permanecer anônimo. Costa escreve os textos na Cunha & Costa Agência Cultural, firma em que é sócio com o seu amigo de faculdade Álvaro Cunha, este especializado em promover o trabalho de José Costa.

Na volta de um congresso de autores anônimos, Costa é obrigado a fazer uma escala imprevista na cidade título do romance, o que desencadeia uma série de eventos que constituem o centro da trama: casado com a apresentadora de telejornais Vanda, Costa conhece Kriska na Hungria, que o apelida de Zsoze Kósta e com quem aprende húngaro - segundo o narrador, "a única língua do mundo que, segundo as más línguas, o diabo respeita". Entre as diversas idas e vindas entre Budapeste e o Rio de Janeiro, a trama se alterna entre o seu enfeitiçamento pela língua húngara e o seu fascínio em ver seus escritos publicados por outros, bem como o seu envolvimento amoroso com Vanda e Kriska.

Sobre Budapeste[editar | editar código-fonte]

"Budapeste, no exato momento em que termina, transforma-se em poesia." — José Miguel Wisnik

"Chico Buarque ousou muito, escreveu cruzando um abismo sobre um arame e chegou ao outro lado. Ao lado onde se encontram os trabalhos executados com mestria, a da linguagem, a da construção narrativa, a do simples fazer. Não creio enganar-me dizendo que algo novo aconteceu no Brasil com este livro." — José Saramago, Folha de S.Paulo

"Talvez o mais belo dos três livros da maturidade de Chico, Budapeste é um labirinto de espelhos que afinal se resolve, não na trama, mas nas palavras, como poemas." — Caetano Veloso, O Globo

"O livro de Chico é uma vertigem. Você é sugado pela primeira linha e levado ao estilo falso-leve, a prosa depurada e a construção engenhosa até sair no fim lamentando que não haja mais, assombrado pelo sortilégio deste mestre de juntar palavras. Literalmente assombrado." — Luis Fernando Verissimo, O Globo

"Tecnicamente, Budapeste é um romance do duplo, tema clássico na literatura ocidental desde que a identidade do sujeito tornou-se problema e enigma. A questão desfila nas narrativas do século XIX, através dos motivos da sombra, do sósia, da máscara, do espelho, e evolui para a indagação dessa esfinge impenetrável e desencantada que é a própria pessoa como persona e ninguém." — José Miguel Wisnik

Recepção da crítica[editar | editar código-fonte]

Budapeste foi bem recebido por escritores, críticos, jornalistas e pelo público; resposta diferente da dos romances anteriores de Chico Buarque, Estorvo (1991) e Benjamim (1995), que provocou reações mistas junto à crítica especializada.[2]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

O livro recebeu o Prêmio Passo Fundo Zaffari & Bourbon de Literatura de melhor romance em língua portuguesa publicado entre 2003 e 2004,[3] na 11a. Jornada Nacional de Literatura, bem como o Prêmio Jabuti de melhor Livro de Ficção de 2004.[4]

Referências

  1. Budapeste - Chico Buarque. Companhia das Letras. Página visitada em 1° de setembro de 2014.
  2. Giron, Luís Antônio (12 de setembro de 2003). Com o diabo na língua. Revista Época. Página visitada em 02 de janeiro de 2009.
  3. Lerman, Tiago. "Chico Buarque, quem diria, recebeu prêmio, deu coletiva e até cantou em Passo Fundo", Jornada Literária, 23 de agosto de 2005. Página visitada em 12 de dezembro de 2008.
  4. "Chico Buarque ganha Prêmio Jabuti com Budapeste", O Globo, Câmara Brasileira do Livro, 10 de setembro de 2004. Página visitada em 23 de março de 2008.
Ícone de esboço Este artigo sobre um livro é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.