Apesar de Você

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
"Apesar de Você"
Single de Chico Buarque
do álbum Chico Buarque
Lançamento 1970
Formato(s) Compacto simples
Gênero(s) MPB
Duração 3:52

"Apesar de Você" é uma canção escrita e originalmente interpretada pelo cantor e compositor brasileiro Chico Buarque em 1970,[1] lançada inicialmente como compacto simples naquele mesmo ano. A canção, por lidar implicitamente com a falta de liberdades durante a ditadura militar, foi proibida de ser executada pelas rádios brasileiras pelo governo do general Emílio Garrastazu Médici. No entanto, seria liberada oito anos mais tarde, durante o final do governo de Ernesto Geisel. Além disso, a cantora Clara Nunes, que regravou a canção sem saber de seu tema implícito, viu-se obrigada a se apresentar nas Olimpíadas do Exército de 1971 para compensar o mal-entendido.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em março de 1970, Chico Buarque retornou ao Brasil após um autoexílio de mais de um ano na Itália.[2] Seu retorno fora influenciado por André Midani, diretor de sua gravadora, a Philips, que lhe assegurou "estar melhorando a situação no Brasil".[2] [3] No entanto, a realidade encontrada pelo cantor era bem diferente daquela descrita nas cartas de Midani; a tortura e o desaparecimento de pessoas contrárias ao regime eram frequentes, assim como o ufanismo presente em adesivos de carros (como Brasil, ame-o ou deixe-o e Ninguém segura esse país)[3] e em algumas canções populares[4] (como "Pra Frente Brasil"), que só foi agravado pela conquista do tricampeonato da Seleção Brasileira de Futebol na Copa do Mundo de 1970.[3] O cantor externou seu desapontamento na canção, onde a crítica à ditadura era disfarçada como uma briga entre namorados.[2] [3] Ao enviar a canção para o departamento de censura, Chico imaginou que a letra da canção seria vetada, mas acabou sendo liberada.[4]

Recepção[editar | editar código-fonte]

A canção foi lançada no formato compacto simples e atingiu a marca de cem mil cópias vendidas.[4] [3] Além disso, o samba estourou nas rádios de todo o país.[3] A canção virou mania nacional e acabou sendo regravada por Clara Nunes em 7 de janeiro de 1971.[3] Ela também acreditava que a letra da canção se tratava de uma briga entre namorados.[3]

Censura[editar | editar código-fonte]

Em fevereiro de 1971, o jornalista Sebastião Nery, do Tribuna da Imprensa, publicou uma nota em sua coluna dizendo que seu filho e os colegas dele cantavam "Apesar de Você" como se estivessem cantando o Hino Nacional.[3] Como resultado, Nery foi chamado para depor na polícia.[3] Semanas depois, a execução pública da canção foi vetada pelo governo, que finalmente compreendeu sua mensagem.[2] [3] Os oficiais do regime invadiram a sede da Philips e destruíram as cópias restantes do disco.[4] [3] O censor que aprovou a canção também foi punido.[2] [3] Os oficiais do governo, no entanto, não destruíram a matriz,[3] o que possibilitou a reedição da versão original da gravação.[2] Num interrogatório, Buarque foi indagado sobre quem era o "você" da letra da canção.[4] "É uma mulher muito mandona, muito autoritária", teria respondido o cantor.[4] [3]

A censura de "Apesar de Você" teve um impacto negativo no relacionamento entre Chico e os censores, que duraria até o final da ditadura.[2] Chico seria implacavelmente marcado pelos censores, sofrendo suas letras as mais absurdas rejeições.[2] A situação chegou ao ponto de ele se disfarçar, sob os pseudônimos de Julinho da Adelaide e Leonel Paiva, para aprovar três composições, uma das quais, "Acorda Amor", foi incluída no LP Sinal Fechado de 1974.[2] Descoberta a farsa, a censura criou novas exigências: toda letra apresentada teria que ser acompanhada de cópias da carteira de identidade e do CPF do compositor.[2] [5]

Devido à censura, a canção só seria incluída num álbum do cantor em 1978, quando foi lançada como última faixa de Chico Buarque (1978).[4]

Consequências para Clara Nunes[editar | editar código-fonte]

De maneira semelhante, o presidente da Odeon, Henry Jessen, que era advogado, foi intimado para dar explicações sobre as intenções de Clara Nunes ao regravar a canção.[3] Jessen, que mantinha um ótimo relacionamento com os militares, fez um acordo com o governo para colocar um fim ao mal-entendido e provar que Clara não teve qualquer intenção político-partidária ao regravar "Apesar de Você".[3] Ficou combinado que a cantora gravaria, num compacto simples, o "Hino das Olimpíadas do Exército", composto por Miguel Gustavo, publicitário responsável por "Pra frente, Brasil".[3] Também interpretaria a canção na cerimônia de abertura das Olimpíadas do Exército de 1971 em Belo Horizonte.[3] Clara se apresentou ao lado de Luiz Cláudio, que não esteve ciente do motivo pelo qual seria acompanhado pela cantora.[3]

Assim como Clara, outros artistas se viram obrigados a fazer publicidade para o governo.[3] Em 1972, Elis Regina foi convocada pelos militares para cantar o Hino Nacional durante as festividades do sesquicentenário da Independência.[3] Isto porque havia declarado à imprensa holandesa que o Brasil era governado por "gorilas".[3] Temendo represálias, aceitou o "convite".[3]

Regravações[editar | editar código-fonte]

Além de Clara Nunes, a canção também seria regravada mais tarde por Maria Bethânia, Benito Di Paula e Beth Carvalho.[6]

Referências

  1. [1]
  2. a b c d e f g h i j Severiano, Jairo e Homem de Mello, Zuza. "Notas sobre Apesar de você". Site oficial de Chico Buarque. Página acessada em 7 de janeiro de 2010.
  3. a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x Fernandes, Vagner. Clara Nunes: Guerreira da Utopia. Rio de Janeiro: Ediouro, 2007. p. 112-113. ISBN 978-85-774-8031-9.
  4. a b c d e f g Werneck, Humberto. "Notas sobre Apesar de você". Site oficial de Chico Buarque. Página acessada em 7 de janeiro de 2010.
  5. Entrevista de Chico Buarque ao Correio Braziliense. Página acessada em 10 de agosto de 2008
  6. Informações sobre a canção no All Music Guide. Página acessada em 7 de janeiro de 2010.